ALIANÇA DO CRIME (Crítica)

ALIANCA DO CRIME

4emeio

Por Davi Gonçalves

ALIANCA DO CRIME02

Década de 1970, sul de Boston. A região é controlada por James ‘Whitey’ Bulger, um criminoso comum de origem irlandesa, irmão de um recém eleito senador estadual. A zona norte da cidade, por sua vez, é dominada por ítalo-americanos chefiados por Gennaro Angiulo. Para combater este último grupo, o agente do FBI John Connolly, também criado na parte sul da região, faz um acordo com Bulger, seu amigo de infância (e por quem nutre uma profunda gratidão), transformando-o em um informante protegido da polícia norte-americana. Entretanto, essa aliança entre o bandido e o FBI permite que Bulger não apenas elimine a concorrência, mas também se torne um dos maiores chefões do crime da história dos EUA.

Dirigido por Scott Cooper (de Coração Louco e Tudo Por Justiça), Aliança do Crime pode parecer mais uma típica produção americana sobre a máfia – um gênero que hora ou outra aparece por aí (talvez devido à relação de extremo amor e ódio do americano com seus criminosos, vai saber…). O longa de Cooper, na verdade, é até “genérico”: pouco inova no tema, ousa ainda menos e nem é tão grandioso tecnicamente. Enfim, Aliança do Crime seria apenas “suficiente”, não fosse Johnny Depp, que realmente carrega quase que completamente o filme na pele do protagonista. Há tempos nos devendo uma atuação à altura de seu talento, parece que Depp voltou à sua boa forma, nos entregando uma performance contida, sinistra e ameaçadora. Aclamado no último Festival de Veneza, Depp é cogitado, inclusive, à indicação de melhor ator na próxima cerimônia do Oscar.

E devo admitir, não apenas como um fã inveterado do ator, que Depp fez sim um excelente trabalho, até mesmo se levarmos em consideração o quão confuso é o roteiro de Mark Mallouk e Jez Butterworth. Bulger não é devidamente desenvolvido; há algumas lacunas no argumento que deixam o espectador meio perdido, além do excesso de didatismo de alguns trechos. Afinal, quem é Bulger? O que ele fez para ser tão “fantástico” assim como mafioso? Ele trafica drogas? Faz falcatrua em jogos clandestinos? Lava dinheiro? Isso nunca fica claro e assim o público não consegue digerir muito bem a idéia de que ele é o “todo poderoso” do crime – só vemos seus comparsas falando isso a todo instante, mas não sabemos o que ele efetivamente executa para merecer tal alcunha; só ouvimos dizer que ele se tornou pior após a morte do filho ou da mãe, mas ele não demonstra nenhuma grande oscilação de comportamento ao longo da película.

ALIANCA DO CRIME01

Sua relação com a família também é estranha: se por um lado ele demonstra um amor incondicional pelo filho e pela mãe, o mesmo não se pode dizer do sentimento de Bulger pela esposa e pelo irmão. Enquanto a primeira sai de cena de uma hora para outra sem nenhuma explicação, o relacionamento com irmão é ainda mais complicado e deveria ter sido melhor explorado – aproveitando mais Benedict Cumberbatch, inteiramente ignorado. Talvez o único ponto positivo a ser tirado de tudo isso é que, dessa forma, o personagem não cria empatia, mas sim medo. Sua presença causa certa tensão no ar. Diferente de outros bandidos, ele não é carismático, mas um psicopata intimidante. Três cenas servem de exemplo: na primeira, Bulger ensina ao filho que bater no colega da escola não é errado, mas ser visto fazendo isto sim. Na segunda, com tremendo sarcasmo, ele sugere a um agente do FBI durante um jantar que ele o trairia, já que o policial acabara de revelar uma receita secreta de família. Finalmente, Bulger insiste em subir ao quarto de um amigo para conversar com a esposa que se recusara a fazer “praça” para ele durante uma pequena confraternização.

Aliança do Crime é um filme que poderia ter sido muito melhor aproveitado, até mesmo por conta do baita material que o diretor e roteiristas tinham em mão. Ao invés disso, preferiu pisar em terreno firme, arriscando quase nada e desperdiçando um ótimo elenco. Apesar de ter um ritmo bacana (por conta, sobretudo, da excepcional trilha sonora de Tom Holkenborg, que deixa um clima de apreensão a todo minuto), Aliança do Crime procura delinear sua trama de forma mais intimista, sem exaltar a figura de sua personagem central, mas fazendo com que o público se sinta desconfortável com ele – a única coisa que o diferencia dos demais produtos do gênero. Aliança do Crime não vai passar despercebido (mesmo porque é Johnny Depp quem está à frente do projeto), mas considerando a magnitude da história envolvida, poderia ter sido algo infinitamente mais interessante.

ALIANCA DO CRIME03

SINOPSE

Whitey Bulger (Johnny Depp), irmão de um senador dos Estados Unidos, foi um dos criminosos mais famosos da história do sul de Boston. Ele começou a trabalhar como informante do FBI para derrubar uma família de mafiosos, mas foi traído pela agência, tornando-se um dos homens mais procurados do país. Baseado em uma história real.

DIREÇÃO

[do action=”cast” descricao=”Scott Cooper” espaco=”br”]Scott Cooper[/do]

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Jez Butterworth
Título Original: Black Mass
Gênero: Suspense
Duração: 2h 3min
Ano de lançamento: 2015
Classificação etária: 16 anos
Lançamento: 12 de novembro de 2015 (Brasil)

TRAILER

Comente pelo Facebook