AMOR POR DIREITO (Crítica)

Emílio Faustino

Estreia amanhã nos cinemas o longa-metragem “Amor por Direito” (Freeheld), dirigido por Peter Sollet e estrelado por Julianne Moore, Ellen Page, Steve Carell e Michael Shannon.

O filme estreia em 21 de abril em todo o Brasil e foi vencedor do prêmio de Melhor Filme do Festival de San Sebastián.

Na trama Laurel Hester (Julianne Moore), tenente da polícia de Nova Jersey, e sua parceira, Stacie Andree (Ellen Page), batalham com os legisladores do condado para assegurar os benefícios de pensão, quando Laurel é diagnosticada com câncer terminal.

Baseado em fatos reais, o filme consegue emocionar o público em vários momentos, com atuações convincentes.

Ellen Page (lésbica assumida na vida real), está diferente de tudo que já vimos nas telonas, sua personagem Stacie Andree com trejeitos mais masculinizados surpreende aqueles que estavam acostumados a ver como a garotinha frágil e doce de filmes como Juno e X-man.

Já Julianne Moore que vive a policial Laurel Hester apresenta uma personagem vaidosa, do tipo que ninguém sequer suspeita da possibilidade de ser lésbica. Um ponto muito bacana do filme, pois contribui diretamente na quebra dos esteriótipos de que todo gay é afeminado e toda lésbica caminhoneira.

Com frases marcantes e de impacto como: “Tenho que lutar por coisas dadas a você”, o filme é um ótimo convite a reflexão que deve agradar a comunidade LGBT e promover a tão sonhada empatia nos héteros ao humanizar a história de duas pessoas comuns que entre um milhão de características são lésbicas.

A política e a religião também são temas abordadas nessa história que é misto de melo drama, com documentário e pitadas de humor. Humor este garantido pelo ator Steve Carell que faz um ativista LGBT bastante dedicado.

Embora não seja bacana ver um ativista ser interpretado por um comediante, o que pode soar para muitos até como uma ofensa, é compreensível que eles precisam de um contrapeso na história para que ela tivesse os seus momentos de leveza.

Difícil mesmo é conseguir sair do filme sem se emocionar, em vários momentos ele constrói uma atmosfera propícia ao choro, não só pela atuação sensível de Julianne Moore que vai mudando sua voz ao longo da história e ficando cada vez mais frágil, como também por conta da trilha sonora que embala muito bem os momentos emocionantes da trama.

Ao final do filme os telespectadores são apresentados as personagens reais que inspiraram o filme e acompanham através dos dados finais que sobem a tela o quanto a luta delas influenciou na conquista de muitos.

Sem dúvida, trata-se de um filme imperdível!

Amor por direito

SINOPSE

A policial de New Jersey Laurel Hester (Julianne Moore) e a mecânica Stacie Andree (Ellen Page) estão em um relacionamento sério. O mundo delas desmorona quando Laurel é diagnosticada com uma doença terminal. Como sinal de amor, ela quer que Stacie receba os benefícios da pensão da polícia após a sua morte, só que as autoridades se recusam a reconhecer a relação homoafetiva.

DIREÇÃO

[do action=”cast” descricao=”Peter Sollett” espaco=”br”]Peter Sollett[/do]

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Ron Nyswaner
Título Original: Freeheld
Gênero: Drama, Romance
Duração: 1h 44min
Ano de lançamento: 2016
Classificação etária: 16 Anos
Lançamento: 21 de abril de 2016 (Brasil)

Comente pelo Facebook