Animais Fantásticos – Os crimes de Grindelwald (Crítica)

Emílio Faustino

Depois de um morno “Animais Fantásticos e Onde Habitam”, chega aos cinemas a continuação dessa franquia que tem por objetivo revisitar o universo bruxo da saga Harry Potter.

Muito antes do filme estrear as cenas do trailer já chamavam atenção do público por conta da riqueza estética que contempla cenários lindos, figurinos impecáveis e efeitos especiais aprimorados. Porém, não se enganem, “Animais Fantásticos – Os crimes de Grindelwald” é de longe o pior filme da franquia Harry Potter.

O filme falha ao apresentar um enredo tosco, cheio de falhas e movido a coincidências, personagens sem carisma e um “trouxa” alívio cômico que não faz absolutamente nada durante o filme todo e que ao invés de fugir do perigo já que não tem nem sequer uma varinha para se defender, vai na contramão de todos e se coloca em situações de risco.

A história foi tão mal desenvolvida no primeiro filme que neste precisaram recorrer a uma série de longos e seguidos flasbacks para explicar o conflito central da trama que gira em torno da origem do personagem Credence, um personagem mal trabalhado no filme anterior, que dificilmente consegue despertar algum sentimento de empatia do público.

A grande aposta do filme está no apelo nostálgico que se apóia em público que pagará cegamente para revisitar lugares e personagens apresentados na saga Potter. Algumas vezes essa tentativa de homenagem fica um tanto quanto forçada, como quando Newt Scamander doma um animal aquático e reproduz a cena icônica de Harry com o hipogrifo em “Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban”. É sem dúvida a definição perfeita de filme caça níquel.

Animais Fantásticos - Os crimes de Grindelwald (Crítica)

A parte mais interessante do filme, sobretudo para nós brasileiros ocorre de forma totalmente despropositada, isso porque “os crimes de Grindelwald” poderia facilmente se chamar “As fake news de Grindelwald”. Impressionante a semelhança do vilão interpretado por Johnny Depp com o presidente eleito Jair Bolsonaro, que através do slogan “pelo bem maior” consegue convencer os bruxos que diferente do que ele próprio disse antes, ele não odeia os trouxas.

Após induzir uma série de crimes através de seu discurso, ele consegue a proeza de culpar os trouxas pelo aumento da violência e à partir daí se dá início a guerra que nós já estamos familiarizados.
Outro ponto interessante do filme é que os bolsominions também estão representados, até mesmo naquelas figuras que costumávamos admirar. A cegueira da comunidade bruxa é tamanha que alguns esquecem o quanto tem a perder com o levante desse movimento que tem como premissa a sua autopreservação, mas que na realidade só quer beneficiar aqueles que se consideram raça pura.

É claro que “Animais Fantásticos – Os crimes de Grindelwald” sem dúvida enche os olhos, mas não preenche as exigências de quem se acostumou a acompanhar uma trama rica e muito bem amarrada como da saga de Harry Potter. É como se eles tivessem todos os recursos possíveis e imagináveis para se contar uma história, mas não tivesse o mais importante: uma boa história.

Outro ponto que deixa a desejar é o fato da orientação sexual de Dumbledore ser enrustida. Faltou coragem ao não abordarem a homossexualidade do personagem como algo natural. A única coisa dita como definição da relação é “somos mais que amigos”. Ou seja: beijo hétero ok, destruição ok, mortes ok, mas mostrar o amor entre dois homens, ahhhh isso não pode, não é mesmo?

Quem dera se ao menos no mundo da magia ser LGBT fosse tratado como algo normal, infelizmente ao que tudo indica não existe lugar no mundo onde os LGBTs possam ser quem são sem temer. Uma pena.

Animais Fantásticos – Os Crimes de Grindelwald estréia dia 16 de novembro nos cinemas.

Pôster de divulgação: Animais Fantásticos - Os crimes de Grindelwald

Pôster de divulgação: Animais Fantásticos – Os crimes de Grindelwald

SINOPSE

Newt Scamander (Eddie Redmayne) reencontra os queridos amigos Tina Goldstein (Katherine Waterston), Queenie Goldstein (Alison Sudol) e Jacob Kowalski (Dan Fogler). Ele é recrutado pelo seu antigo professor em Hogwarts, Alvo Dumbledore (Jude Law), para enfrentar o terrível bruxo das trevas Gellert Grindelwald (Johnny Depp), que escapou da custódia da MACUSA (Congresso Mágico dos EUA) e reúne seguidores, dividindo o mundo entre seres de magos sangue puro e seres não-mágicos.

DIREÇÃO

David Yates David Yates

FICHA TÉCNICA

Roteiro: J.K. Rowling
Título Original: Fantastic Beasts: The Crimes Of Grindelwald
Gênero: Aventura
Duração: 2h 14min
Classificação etária: 12 anos
Lançamento: 15 de novembro de 2018 (Brasil)

Comente pelo Facebook