BAYWATCH: S.O.S MALIBU (Crítica)

Kadu Silva

S.O.S

Em 1989 estreava S.O.S. Malibu. uma série que se tornou sucesso em muitos países, inclusive aqui no Brasil. Entre outras coisas, a produção foi responsável por consagrar Pamela Anderson e Michael Berk como os guarda vidas sarados que estavam dispostos a tudo para manter a integridade física dos frequentadores da praia de Malibu.

Nessa época não existia a internet, mas certamente, ela seria responsável por diversos memes, pela forma idealizada de super-heróis que os profissionais eram retratados. Esse potencial de rir de si mesmo que a série trazia, já gerou uma paródia no programa RuPaul`s drag Race e agora ganha um longa-metragem “Baywath” com Dwayne Johnson (Velozes e Furiosos) e Zac Efron (Vizinhos 1 e 2) se divertir ao extremo dentro e fora de cena.

No filme Mitch Buchannon (Dwayne Johnson) é um guarda-vidas, orgulhoso de seu trabalho e respeitado na praia em que atua. Ele precisa aumentar a equipe e para isso seleciona alguns recrutas para treinar, entre eles Matt Brody (Zac Efron), um exibido e arrogante ex-nadador olímpico. No início existe um estranhamento entre os dois, mas eles acabam descobrindo uma conspiração criminosa no local e se unem para salvar o futuro da praia.

O diretor Seth Gordon (Uma Ladra Sem Limites), não faz uma cópia, nem uma releitura e sim uma parodia besteirol, no estilo “Todo Mundo em Pânico” da nostálgica série. E quando os norte-americanos resolvem fazer besteirol, eles vão fundo no assunto, pois é, Baywatch apresenta cenas do tipo: vomito dentro de piscina, pênis preso em cadeira de praia, explosão de uma pessoa por um fogo de artificial e assim por diante, ou seja, é uma produção que é necessário embarcar na proposta para se divertir.

Apesar desse tom de humor escrachado, diversos elementos que estiveram presentes na série continua nessa homenagem divertida. A corrida em câmera lenta das guardas vidas, os resgastes pirotécnicos realizado pela equipe, e o melhor, a participação dos dois astros principais da série original.

Merece destaque a química ABSURDA de Dwayne Jhonson e Zac Efron, eles estão tão à vontade e se divertindo tanto no filme que isso é claramente sentindo pelo público. Ainda que as piadas entre eles se tornarem repetitivas ao longa da narrativa, o beijo que eles dão só reforça essa parceria inusitada e que funciona muito bem na trama.

O filme não se leva a sério e nem busca trazer refinamento estético, mas os efeitos visuais são pífios, o uso de chroma key incomoda demais, além disso, o roteiro é bem fraquinho e previsível, a vilã é caricata ao extremo, enfim, é um produto de puro entretenimento.

Ou seja, Baywatch: S.O.S Malibu é galhofa do começo ao fim, se você gosta do estilo é uma produção imperdível.

Pôster de divulgação: BAYWATCH: S.O.S MALIBU

Pôster de divulgação: BAYWATCH: S.O.S MALIBU

SINOPSE

Mitch Buchannon (Dwayne Johnson) é um devoto salva-vidas, orgulhoso do seu trabalho. Enquanto está treinando o novo e exibido recruta Matt Brody (Zac Efron), os dois descobrem uma conspiração criminosa no local que pode ameaçar o futuro da baía.

DIREÇÃO

  • Seth Gordon Seth Gordon

  • FICHA TÉCNICA

    Roteiro: Michael Berk
    Título Original: Baywatch
    Gênero: Comédia , Ação, Aventura
    Duração: 1h 57min
    Classificação etária: 14 anos
    Lançamento: 15 de junho de 2017

    Comente pelo Facebook

    1 Comentário