BERENICE PROCURA (Crítica)

Emílio Faustino

Filme dá show de atuações e humaniza transexuais

Existem muitos motivos que podem levar as pessoas a gostarem de “Berenice Procura”, passando desde a atuação, roteiro, edição, fotografia até a direção, mas nada supera a inteligência e a sensibilidade com que o filme aborda e humaniza os transexuais.

Este suspense baseado no romance homônimo de Luiz Alfredo Garcia-Roza, apresenta de cara em formato de notícia uma dura realidade: mais um transexual foi morto no país que mais mata transexuais.

Infelizmente esta notícia que faz parte da realidade do brasileiro se tornou algo tão banal a ponto de dificilmente conseguir gerar comoção da imprensa e da população em geral.

Porém, a grande sacada do filme foi retroceder alguns dias antes do crime e apresenta a história de Isabelle (Valentina Sampaio), uma linda transgênero, que assim como você e eu, possui amores, sonhos, desejos, família e tudo aquilo que não pensamos quando vemos apenas os números de mortes nos telejornais.

A trama central conta a história de Berenice (Claudia Abreu), uma mulher de 35 anos extremamente dedicada ao seu trabalho de taxista no Rio de Janeiro.

BERENICE PROCURA (Crítica)

Totalmente consumida pela profissão, ela precisa dividir o pouco tempo que lhe resta entre a criação do filho – um adolescente descobrindo sua sexualidade – e sua conturbada relação com o marido Domingos (Eduardo Moscovis).

É justamente a morte da transexual Isabelle, que possui uma ligação com o filho de Berenice, que irá acender o lado investigativo da taxista e transformar a sua vida.

O filme funciona muito bem como suspense policial e conta com excelentes atuações, destaque para a atriz Vera Holtz que convence muito em seu papel de cafetã de transexuais.

Quem também rouba a cena e surpreende é a top model Valentina Sampaio, que em sua primeira experiência no cinema consegue segurar a onda de uma personagem transexual que embora meiga e delicada possui uma carga dramática muito grande.

A ausência de diálogo dos tempos atuais também é um tema abordado na trama, como na cena onde a família central janta sem trocar uma única palavra. O casal por não ter mais nenhum interesse em comum e o filho por estar distraído no celular.

É interessante observar que esta falta de diálogo mais tarde será um fator de culpa de Berenice que vê nas escolhas do filho um reflexo de sua negligência como mãe.

Como se não bastasse uma história bem contada e um desenvolvimento bem feito, o filme ainda reserva um final surpreendente e uma mensagem poderosa, que obviamente não iremos contar para não estragar com a experiência de vocês.

“Berenice Procura” certamente ocupa hoje um lugar entre os melhores filmes LGBTs nacionais de todos os tempos, por sua qualidade técnica, por sua sensibilidade ao abordar temas delicados e principalmente por gerar reflexão e humanizar uma classe tão desfavorecida como a dos transexuais.

Berenice Procura teve sua primeira exibição na Mostra Internacional de São Paulo, terá também exibições no MiX Brasil 2017 e estréia nos cinemas em 12 de abril de 2018.

Pôster de divulgação: BERENICE PROCURA

Pôster de divulgação: BERENICE PROCURA

SINOPSE

Berenice, uma taxista, está acostumada a passar horas e horas dentro de seu carro devido ao trânsito caótico da cidade do Rio de Janeiro e de seu bairro natal, Copacabana. Com o tempo que passa dentro do veículo, ela acabou adquirindo o hábito de ouvir o programa de rádio onde trabalha seu ex-marido, Domingos. E é o show radiofônico policialesco e sensacionalista que inspirará Berenice a resolver o mistério do assassinato de uma travesti em Copacabana.

DIREÇÃO

Allan Fiterman Allan Fiterman

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Allan Fiterman, Flávia Guimarães
Título Original: Berenice Procura
Gênero: Drama
Duração: 1h 30min
Classificação etária: 14 Anos
Lançamento: 12 de abril de 2018 (Brasil)

Comente pelo Facebook

2 Comentários

  1. Flavia

    Olá, gostei muito da critica ao filme, no entanto, gostaria de fazer uma correção. o roteiro é assinado por mim, flávia guimaraes, e allan fiterman, diretor do filme. a info de que andre pellenz é o roteirista não procede….. obrigada!

    • Kadu Silva

      Oi Flávia

      Acredito que tenha sito algum erro durante a Mostra SP durante a postagem, que acabou passando, desculpa. A informação já está alterada. Obrigado!