BOA NOITE, MAMÃE (Crítica)

BOA NOITE MAMAE

4estrelas

Por Juca Claudino

UMA FAMÍLIA MACABRA, UMA EXPERIÊNCIA MEDONHA… UM NOTÁVEL TERROR PSICOLÓGICO.

BOA NOITE MAMAE01

Quando pensamos no cinema de terror dessa geração, provavelmente a primeira imagem que teremos em nossa cabeça é a das produções hollywoodianas. Embora essa imagem, em si, possa ser enganosa (se pensarmos na produção desse gênero na chamada Ásia Extrema, por exemplo), ela criou o estereótipo de que, hoje, os filmes de terror são uma “mesmice” constante. Se você tem esse pensamento, o longa “Boa Noite, Mamãe” irá lhe provar que você pode está errado. Os diretores Severin Fiala e Veronika Franz criam um filme no qual o medo não é gratuito: é claramente um terror psicológico, onde os atos de violência são todos justificados (embora isso seja desenvolvido durante o desenrolar do filme) numa dimensão psicologicamente, doentia, baseada em uma investigação de comportamento dos 3 personagens que compõe o filme, algo que é potencializado uma vez que sua narrativa se passa dentro de um núcleo familiar. É uma película intensa, cuja atmosfera é viciante, consumindo sua mente em um tom místico e pessimista. Sua fotografia acaba tornando-se um recurso narrativo, guiando um filme que também é muito sensorial, com uma beleza decadente (com direita a externas que muito lembram a fotografia de Tarkovsky).

Algumas pessoas hoje têm um certo preconceito quando o assunto é filme de terror. Autores como Kubrick, Haneke, Murnau, Buñuel e Herzog já se aventuraram e deixaram ótimas contribuições artísticas como “O Iluminado” ou “Violência Gratuita”, mas nessa segunda década do século XXI parece que um estereótipo de “grande mesmice comercial” vem ganhando espaço na mente de parte do segmento do público (perceba que eu não estou falando de quem não curte muito o gênero, mas de quem criou esse preconceito na mente). Bom, “Boa Noite, Mamãe” é um ótimo filme para desconstruir esse pensamento. O filme selecionado para o Festival de Veneza de 2014 (em Competição) tem muita personalidade e uma singularidade visual interessantíssima. Desenvolve-se essencialmente como um terror psicológico: seus personagens agem instintivamente em um quase jogo de sobrevivência, e a tortura mental e emocional vivida é sentida de forma bem intensa. A princípio, a mãe, de forma incoerente, tortura a dupla de gêmeos Elias e Lukas, seus filhos. Nesse momento, pode-se pensar que o filme gira em torno de um terror gratuito, que utiliza de três elementos para se tornar ainda mais macabro: 1) a aparência física de seu elenco, composto principalmente de Susanne Wuest, uma atriz cujo olhar intimidador e o sorriso malicioso somam-se para dar um ar macabro gigantesco, e a dupla de gêmeos Elias e Lukas Schwarz, que aparentam uma inocência somada a uma fragilidade totalmente oposta à atmosfera do filme; 2) o fato da história se passar dentro de um contexto familiar, ou seja, dentro de um espaço no qual os laços amorosos deveriam ser preexistentes, porém o que vemos são laços de violência física e certo sadismo; 3) o clima sufocante e claustrofóbico materializado no cenário do filme, uma casa no interior austríaco, isolada da sociedade e cercada por uma floresta, o que não permite que ninguém consiga fugir dali. Porém, o filme dá uma reviravolta ainda mais macabra, pois de uma gratuidade (uma tortura aparentemente sem motivo para existir) vemos uma explicação psicológica para todo aquele ambiente de terror doentio. São personagens extremamente atordoados, presos em uma casa, agindo com sua sanidade mental abalada (e se quiser descobrir o que o roteiro aguarda para você, entenda que eu não posso contar aqui nesse texto…).

BOA NOITE MAMAE02

Os diretores do filme Severin Fiala e Veronika Franz – esta última co-escreveu a trilogia austro-franco-germânica “Paraíso” (“Paraíso: Amor”, “Paraíso: Fé” e “Paraíso: Esperança”) junto com seu diretor Ulrich Seidl – estão em seu segundo longa, tendo dividido a produção de seu primeiro (o documentário “Kern”), e mostram que conseguem um resultado interessantíssimo de um ponto de vista estético e narrativo. O que mais impressiona no filme austríaco é sua viciante atmosfera, mística e doentia, capaz de fazer o telespectador senti-la de forma intensa. E quanto a fotografia, bom, essa aí justifica a honra de ter ganhado o prêmio de Melhor Fotografia no European Film Awards (Prêmio do Cinema Europeu) do ano passado: ela acaba sendo o grande recurso narrativo de um filme que é muito sensorial. A maneira como dá tonalidades emotivas a cada cena conduzem todo o sentimento que o filme transmite, cena por cena, sugestivamente a dar essa experiência alucinantemente pessimista. Martin Gschlacht (o diretor de fotografia do filme) consegue criar algo friamente tenso, brincando com a iluminação para dar um tom gótico às cenas de maior impacto, com internas claustrofóbicas e externas que relembram as fotografias dos filmes de Andrey Tarkovsky, tirando de um visual decante um tom misterioso. “Boa Noite, Mamãe” chega a ser simbolista em alguns momentos, com essa estética que assume a essência da atmosfera do longa.

“Boa Noite, Mamãe” é um filme para se apreciar. Com uma dupla de diretores jovem, inclusive indicadas no mesmo European Film Awards para “Descoberta Europeia” (prêmio de direção revelação, perdendo para a diretora Deniz Gamze Ergüven e seu indicado ao Oscar de Filme Estrangeiro e César de Melhor Filme “Cinco Graças”, terceira mulher em 27 anos a ganhar tal prêmio), mostrando uma sensibilidade muito grande para desenvolver uma experiência cinematográfica intensa, alcançam um ótimo filme de terror, capaz de fazer até mesmo aqueles que não são tão íntimos do gênero assim se interessarem por esse longa esteticamente notável.

BOA NOITE MAMAE03

SINOPSE

Dois irmãos gêmeos mudam para uma nova casa com a mãe deles após o rosto dela mudar devido uma cirurgia plástica. Mas por baixo dos curativos que a mãe usa, está alguém que eles não reconhecem mais!

DIREÇÃO

Veronika Franz, Severin Fiala

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Veronika Franz, Severin Fiala
Título Original: Ich seh, Ich seh
Gênero: Terror, Drama
Duração: 1h 40min
Ano de lançamento: 2016
Classificação etária: 14 Anos
Lançamento: 25 de fevereiro de 2016 (Brasil)

TRAILER

Comente pelo Facebook