CÃES DE ALUGUEL (Crítica)

CAES DE ALUGUEL

FICHA TÉCNICA

Título Original: Reservoir dogs
Ano do lançamento: 1992
Produção: EUA
Gênero: Policial, Suspense
Direção: Quentin Tarantino
Roteiro: Quentin Tarantino e Roger Avary

Sinopse: Joe Cabot (Lawrence Tierney), um experiente criminoso, reuniu seis bandidos para um grande roubo de diamantes, mas estes seis homens não sabem nada um sobre os outros e cada um utiliza uma cor como codinome. Porém durante o assalto algo saiu errado, pois diversos policiais esperavam no local. Mr. White (Harvey Keitel) levou Mr. Orange (Tim Roth), que na fuga levou um tiro na barriga e morrerá se não tiver logo atendimento médico, para o armazém onde tinha sido combinado que todos se encontrassem. Logo depois chegou Mr. Pink (Steve Buscemi), que está certo que um deles é um policial disfarçado e eles precisam descobrir quem os traiu. Em um clima de acusações mútuas a situação fica cada vez mais insustentável.

Por Loverci Ferreira

CAES DE ALUGUEL01

Poucas pessoas devem saber que o filme “Cães de Aluguel” marcou a estreia de Quentin Tarantino na direção e já dava para perceber o que viria por aí em se tratando de produções dele, incorporando elementos que se tornaram marcas registradas de suas produções, como crimes violentos, cultura pop, narrativa não-linear, trilha sonora eclética e constante uso de palavrões em seus diálogos que nos parecem sem pé nem cabeça.

Apesar de não ter recebido muita divulgação na época de sua estreia, o que fez com que tivesse uma bilheteria modesta nos Estados Unidos, tornou-se em seguida um filme “cult” e considerado clássico do cinema independente e o elenco com alguns nomes desconhecidos na época é o que mais chama a atenção na produção.

Segundo histórias Quentin Tarantino trabalhava numa locadora chamada “Video Archives” em Manhattan Beach na Califórnia quando começou o projeto de gravar “Cães de aluguel”, o que inicialmente seria em 16 mm e com um orçamento beirando os trinta mil dólares arrecadado da venda do roteiro “True Romance”.

A produção inicial seria de Lawrence Bender, mas quando Harvey Keitel se envolveu com o projeto para interpretar Mr.White e também como co-produtor conseguiram angariar um milhão e meio de dólares para o filme.

O filme começa com o encontro realizado pelo experiente criminoso Joe Cabot (Lawrence Tierney) e seu filho “Cara Legal” Eddie Cabot (Chris Penn), com seis outros homens enquanto tomam café em um restaurante e planejam para um grande roubo de diamantes.

Sem saber nada um sobre o outro, os seis homens usam ternos iguais e se tratam por apelidos ao conversarem um com o outro: Mr. Blonde (Michael Madsen), Mr. Blue (Edward Bunker), Mr. Brown (Quentin Tarantino), Mr. Orange (Tim Roth), Mr. Pink (Steve Buscemi) e Mr. White (Harvey Keitel).

Mr. Brown discorre sobre a sua análise de “Like a Virgin” (ao meu ver ums dos diálogos mais engraçados do filme), ao afirmar que a letra da música tem como mensagem subliminar o tamanho do “pênis” do homem.

Segundo informações na mídia, após a estreia do filme a cantora Madonna assistiu o longa e mandou uma cópia de seu álbum a Tarantino com a seguinte frase : “ Para Quentin: Não é sobre pênis, é sobre amor: Madonna ”.

No restaurante Joe se irrita com Mr.White ao discutirem sobre sua agenda de endereços e Mr. Pink defende a sua política anti-gorjeta, até que é forçado pelo próprio Joe a deixar gorjeta para a garçonete, as tomadas são simples e com cortes até mesmo bruscos durante todo o filme, a história muda do presente para o passado de forma nada linear.

Logo após essa apresentação dos personagens e seus diálogos que parecem soltos na trama, a cena corta para o interior de um carro em alta velocidade em que Mr. White dirige com apenas uma mão e tenta ajudar Mr.Orange que levou um tiro no abdômen e sangra enquanto delira e grita de dor, fica claro que o esperado e planejado assalto não sai como previsto, pois diversos policiais esperam eles no local.

Chegando a um depósito abandonado onde foi marcado para o encontro dos ladrões Mr. Pink é o primeiro a aparecer e sugere que o assalto à joalheria planejado por Joe Cabot, foi uma armação da polícia, dada a rápida resposta dos policiais ao alarme e que um deles é um policial disfarçado e eles precisam descobrir quem deles é o traidor.

CAES DE ALUGUEL02

O filme vaiu mostrando os eventos anteriores e posteriores ao mal sucedido roubo e o mais interessante é que o roubo em si não aparece, Tarantino disse que a razão por não mostrar esse evento inicialmente foi o baixo orçamento, mas mesmo depois de captada uma verba melhor ele sempre gostou da ideia de não exibi-lo.

Essa técnica segundo ele faz com que o espectador perceba que o filme é “sobre outras coisas”, comparando o seu trabalho ao de um novelista, que pode “brincar com um relógio em tempo real, em oposição ao relógio do filme”.

Todos os envolvidos no assalto acabam chegando ao local, cada um num tempo diferente e começa um clima de acusações mútuas deixando a situação cada vez mais insustentável, após cuidarem de Mr. Orange inconsciente, há uma grande discussão sobre as ações do psicopata Mr. Blonde, que assassinou diversos civis depois que o alarme fora disparado.

Mr. White encontra-se furioso pela decisão de Joe de empregar um psicopata e repreende Blonde pela violência empregada na joalheria, enquanto Blonde, calmamente, rejeita a sua crítica e Mr. Pink revela que escondeu os diamantes em um local seguro e discutem de forma violenta sobre levar ou não Mr. Orange a um hospital.

A história mostra diversos “flashbacks”, indicando por exemplo, que Mr. White é um amigo de longa data de Joe Cabot e mostra também o envolvimento de Mr. Orange em operações policiais para capturar Joe, além de revelar que Mr. Blonde se envolveu com o roubo devido à sua amizade com “Cara Legal” Eddie.

Mr. Blonde diz à White e Pink para não abandonarem o ponto de encontro, uma vez que “Cara Legal” Eddie está a caminho e os convida a verem algo que está no porta-malas do carro, estacionado do lado de fora do depósito, quando o porta malas é aberto revela um policial capturado, chamado Marvin Nash (Kirk Baltz) que é torturado para contar quem é o informante, mas afirma não ter conhecimento desta informação.

Dai prá frente acredito que já entreguei demais o filme, não gosto de me prolongar e acabar com o elemento surpresa que podemos ter ao assistir a trama, o roteiro é muito bem escrito e apesar de sua linguagem não linear, a história vai encaixando suas peças como um quebra-cabeças até chegarmos ao final e podermos vislumbrar a sua imagem perfeitamente formada.

E segundo o diretor seu filme foi inspirado em “The Killing” dirigido por Stanley Kubrick e “The Big combo” de Joseph H.Lewis, que lhe ajudou na cena em que o policial Marvin é torturado na cadeira, no entando não é um plágio, mas sim uma homenagem a estes filmes.

Inclusive o uso de nomes de cores para identificar os personagens principais, já havia sido usado em “The taking of Pelham one two three”, no ano de 1974 o certo é que o filme causou tanto sucesso que inspirou diversos outros longas independentes e fez crescer muito esse tipo de produção.

Entre eles “ Kaante,” de 2002, filme bollywoodiano do diretor Sanjay Gupta que é considerado um remake não-autorizado de “Cães de aluguel”, contando com enredo e diálogos parecidos.

CAES DE ALUGUEL03

CURIOSIDADES

– O diretor queria que James Woods fizesse um papel em seu filme, mandou cinco propostas de salários diferentes para o agente do ator que recusou sem mesmo apresentar a proposta a ele.

– O cachê oferecido era maior que ele estava recebendo por outros filmes.

-James Woods quando teve conhecimento do fato acabou demitindo seu agente.

– Acreditasse que o papel que lhe foi oferecido ficou com o ator Tim Roth ( Mr Orange).

– A palavra “Fuck” ´é dita mais de 272 vezes no filme.

– George Clooney fez teste para representar Mr.Blonde.

– David Duchovny também fez teste para um dos papéis, mas tanto ele como Clooney não foram escalados.

– Vincente Gallo recusou a proposta de ser Mr.Pink.

– Terry Gillian recebeu agradecimentos ao final do filme, em razão de ter dado alguns conselhos ao diretor durante um workshop que ele participou.

– Durante as filmes, um paramédico acompanhou a gravação para monitorar a quantidade de sangue que perderia o personagem de Tim Roth, para que a cena ficasse mais realista.

– A revista “Empire” nomeou-o “Melhor Filme Independente já feito” , o que tornou-o um importante e altamente influente filme para os cineastas desse gênero.

TRAILER

Comente pelo Facebook

1 Comentário

  1. Pia Torres

    Eu realmente gosto deste filme. Sem dúvida, este filme é catapultada para a fama por directo reconhecido como críticos aplaudiram e até mesmo seus dias é considerado um filme de culto, no entanto nas bilheterias não foi bem assim. Dois itens que caracterizam muito é a participação de Buscemi e, claro, o diálogo banal, em que os personagens masculinos estão engajados. Great!