CONEXÃO ESCOBAR (Crítica)

Kadu Silva

Aproveitando a onda

A série Narcos que conta a trajetória cinematográfica de Pablo Escobar no submundo das drogas e Breaking Bad que retrata um pacato cidadão envolvido no mundo das drogas, foram ou são enorme sucesso de público e com isso Hollywood aproveita a onda para contar um caso real do período do reinado de Escobar, onde um agente norte-americano se disfarça para entrar no mundo das drogas e tentar desarticular a parte financeira do império da organização dos narcóticos no país.

O roteiro da estreante Ellen Brown Furman tinha como base uma história super interessante, no entanto a falta de aprofundamento do arco central e das composições dos personagens faz com que distancie a plateia da história, já que não é possível sentir a real motivação para os acontecimentos que surgem durante a projeção.

Se não bastasse o frágil roteiro a direção de Brad Furman (Aposta Máxima) é irregular (sem criatividade) ele opta por mostrar a história sem dar a ela uma personalidade clara, o que atrapalha no ritmo da narrativa, o próprio teor de suspense que poderia ser melhor explorado é pouco sentido no longa.

Como já foi citado Bryan Cranston (Argo), de certa forma revive um pouco sua participação em Breaking Bad já que faz um homem com dupla identidade, mas no caso do filme, ele é um agente que tenta exterminar o alicerce financeiro do grupo de narcotraficantes. Cranston é o que consegue ainda dar dignidade para o filme, ele se entrega para o papel, mas o roteiro não o ajuda na tarefa. Os demais membros do elenco, pouco aparecem já com a falta de aprofundamento, acaba não dando a eles a importância ideal dentro da trama.

Um acerto do filme é na reconstituição de época, seja nos figurinos, cabelos, cenografia e também a bela fotografia do também estreante Joshua Reis, fora isso o filme é de mediano para ruim nos demais aspectos.

Conexão Escobar ainda que tenha um argumento que desperte curiosidade, não consegue com isso concretizar uma obra a altura de seu conteúdo.

conexao-escobar-poster

SINOPSE

Flórida, 1985. Robert Mazur (Bryan Cranston) é um oficial da alfândega que recebe a missão de trabalhar infiltrado, com o objetivo de eliminar um cartel de drogas cuja origem está em Pablo Escobar, chefe do tráfico em Medellín. Para tanto ele recebe a ajuda de Emir Abreu (John Leguizamo), seu colega de trabalho, e se apresenta como alguém capaz de lavar o dinheiro gerado pelas drogas nos Estados Unidos. Usando o pseudônimo Robert Musella, ele aos poucos ascende na hierarquia do tráfico, contando ainda com a ajuda da agente Kathy Ertz (Diane Kruger), que se faz passar por sua noiva.

DIREÇÃO

[do action=”cast” descricao=”Brad Furman” espaco=”br”]Brad Furman[/do]

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Ellen Brown Furman
Título Original: The Infiltrator
Gênero: Suspense
Duração: 2h 7min
Ano de lançamento: 2016
Classificação etária: 14 Anos

Comente pelo Facebook