Coração de Cowboy (Crítica)

Kadu Silva

Completamente honesto!

Dessa vez não vou fazer uma crítica propriamente dita, até porque o Gui Pereira, o diretor do filme é da equipe do site e eu o conheço há anos, inclusive até fiquei receoso em ir assistir e talvez não gostar do filme e ter que escrever e não poder colocar minha opinião imparcial, felizmente eu gostei muito do longa, tem alguns pontos fracos, mas no geral é muito honesto sobre quem e o que representa o Gui.

O filme conta a história do cantor sertanejo Lucca (Gabriel Sater), conhecido por suas canções “chicletes”, imposta de certa forma por sua empresária, Iolanda (Françoise Forton). Durante a gravação do seu novo álbum, Lucca se desentende a certa do repertório e resolve voltar para sua terra natal, afim de reconectar com sua origem e assim buscar inspiração para novas composições. Nessa volta ele tenta se reaproximar do pai (Jackson Antunes) e acaba conhecendo Paula (Thaila Ayala) uma jovem que vai mexer com seu coração.

O roteiro também do Gui Pereira, que faz sua estreia em longas-metragens segue a clássica cartilha da jornada de redenção, com todos seus clichês e teor brega, que nada mais é que a característica principal das músicas sertanejas. O roteiro foi baseado em músicas da dupla Chitãozinho & Xororó, que em sua maioria são: melodramática, romântica, eventualmente cafona, mas a história não fica só nisso, ela se mostra atual ao mostrar o cenário da indústria que se rende ao que está caindo no gosto popular, deixando de lado a identidade do cantor no caso do cenário musical.

Coração de Cowboy (Crítica)

Conhecendo o Gui, ficam facilmente identificáveis suas características e referencia na história, o que torna ainda mais honesto e verdadeiro o projeto, até uma fala sobre Stallone, seu ator favorito, ele conseguiu inserir nos diálogos, diferente do que alguns críticos ou até parte do público possa imaginar, a escolha do universo sertanejo não foi comercial, também é algo que o Gui sempre gostou e mostrou em seus projetos de curtas-metragens ou mesmo nos especiais aqui para o Ccine10 (clique aqui) para assistir.

Mas como foi dito, o filme tem alguns problemas, seja em cenas mal filmadas como, por exemplo, a briga no bar, a fraca construção do clímax na apresentação da música original que norteia o roteiro, o merchandising inserido de forma pouco sutil e algumas interpretações abaixo da media, nada que deixe o filme ruim, só não o faz perfeito.

Vale destacar a trilha sonora composta por Lucas Lima, que como ele e o Gui comentaram na coletiva de lançamento do filme foi pensada antes mesmo do roteiro, já que ela seria fundamental para auxiliar na narrativa da história, as várias canções conferem ao projeto o que poderíamos caracterizar um longa musical, já que elas entram como parte da história. E como o gênero sertanejo é um dos mais populares e de fácil identificação do publico brasileiro, não tem como o longa chegar ao coração de quem gosta e mesmo quem não gosta do ritmo.

Coração de Cowboy é sentimentalmente popular como suas canções que o originou, difícil ver e não se emocionar.

Pôster de divulgação: Coração de Cowboy

Pôster de divulgação: Coração de Cowboy

SINOPSE

Quando acaba sua inspiração para compor músicas de sucesso, um cantor de sertanejo universitário decide dar um tempo na carreira para regressar a sua cidade natal no interior, onde pretende se reconectar com suas raízes e compor músicas que realmente valham a pena serem cantadas.

DIREÇÃO

Gui Pereira Gui Pereira

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Gui Pereira
Título Original: Coração de Cowboy
Gênero: Drama, Musical
Duração: 2h 0min
Classificação etária: 12 Anos
Lançamento: 27 de setembro de 2018 (Brasil)

Comente pelo Facebook