CORPO DELITO (Crítica)

Kadu Silva

Instigante retrato social

Os novos cineastas brasileiros estão apostando num formato hibrido para criar suas obras, tudo porque seus filmes flertam entre ficção e documentário dando a produção um caráter único. Corpo Delito do estreante diretor Pedro Rocha aposta nesse modelo ao retratar a vida de um homem que acaba de receber o direto de cumprir sua pena no regime semiaberto com o uso da tornozeleira eletrônica.

Esse homem é o Ivan que após cumprir pena de 8 anos no regime fechado, ganha o direito de terminar sua pena no semiaberto vivendo em sua casa, no entanto, ele se sente preso, devido às limitações causadas pelo uso da tornozeleira, fazendo com que se revolte com a falta de liberdade de ir e vim.

Pedro Rocha acompanha o dia-a-dia de Ivan, do convívio com os familiares e amigos até sua audiência diante da justiça e o interessante é como o diretor transmite os acontecimentos de forma diferente. Quando é mostrado o Ivan o plano é fechado, na sua relação na justiça é um plano e contra plano formal, já quando o filme mostra a vida de seu melhor amigo Neto o plano é aberto, intrinsecamente o espectador acaba sentindo essas diferenças e se solidarizando com os personagens.

CORPO DELITO (Crítica)

Mas o filme vai além, já que nunca fica claro se a história é uma representação de algo que os personagens vivem ou viveram, torando a experiência de assistir um instigante experimento. E os personagens que são mostrados em destaque são extremamente carismáticos, e mesmo sem saber qual o “erro” que o Ivan cometeu, por exemplo, é impossível não torcer por ele.

Além dessa provocação no formato, o filme consegue trazer para o público uma luz para refletir sobre a desigualdade social, já que é um retrato (triste) de muitas famílias da periferia do país, onde a falta de perspectiva de vida, acaba levando o cidadão a cometer erros ou mesmo perder a vida em função da oferta “fácil” do crime.

Outro enorme acerto do diretor é narrar toda essa dramática trajetória de forma envolvente, não há vitimismo melodramático ou contemplação em silêncios longos, é uma montagem ágil que contrapõe Ivan preso pela tornozeleira em casa com o seu amigo livre curtindo as festas e os prazeres locais.

A única coisa negativa que fica no final, é a falta de aprofundamento dos demais personagens que convivem com Ivan e Neto, certamente renderia um olhar diferente sobre como é viver com um homem que precisa momentaneamente viver com tornozeleira eletrônica, se o filme desse voz para a esposa do Ivan, por exemplo.

Corpo Delito é daqueles filmes que reverberam por muito tempo na mente, difícil ficar imune.

Pôster de divulgação: CORPO DELITO

Pôster de divulgação: CORPO DELITO

SINOPSE

O documentário cearense aborda a questão da imagem e o crime, tentando transmitir a experiência de como produzir novas imagens sobre esse tema. Para isso, o filme acompanha a rotina de Ivan, um homem inconformado, pois mesmo depois de ganhar o direito de sair da cadeia, continua preso a uma tornozeleira eletrônica.

DIREÇÃO

  • Pedro Rocha Pedro Rocha

  • FICHA TÉCNICA

    Roteiro: Pedro Rocha
    Título Original: Corpo Delito
    Gênero: Documentário
    Duração: 1h 14min
    Classificação etária: 14 Anos
    Lançamento: 7 de dezembro de 2018 (Brasil)

    Comente pelo Facebook