DE OLHOS BEM FECHADOS (Crítica)

DE OLHOS BEM FECHADOS

3emeio

FICHA TÉCNICA

Título Original: Eyes Wide Shut
Ano do lançamento: 1999
Produção: Reino Unido
Gênero: Drama, Suspense
Direção: Stanley Kubrick
Roteiro: Arthur Schnitzler, Frederic Raphael e Stanley Kubrick

Sinopse: Bill Harford (Tom Cruise) é casado com a curadora de arte Alice (Nicole Kidman). Ambos vivem o casamento perfeito até que, logo após uma festa, Alice confessa que sentiu atração por outro homem no passado e que seria capaz de largar Bill e sua filha por ele. A confissão desnorteia o sujeito, que sai pelas ruas de Nova York assombrado com a imagem da mulher nos braços de outro. Ele acaba em meio a uma reunião secreta e uma mansão afastada. Último filme do cultuado diretor Stanley Kubrick.

Por Davi Gonçalves

DE OLHOS BEM FECHADOS02

Quando lançado, em 1999, De Olhos Bem Fechados, a obra derradeira de Stanley Kubrick, dividiu opiniões. Houve quem considerasse o filme uma obra-prima, tamanho o esmero que Kubrick dispensou à produção; houve quem achasse o filme o grande fiasco da carreira do diretor. De fato, De Olhos Bem Fechados foi um fracasso de bilheteria e levantou debates intermináveis sobre a contribuição deste longa dentro da filmografia do cineasta.

Bem, deixemos claro desde o início: De Olhos Bem Fechados não é um filme ruim. Na verdade, seria um ótimo filme para qualquer cineasta – não para Stanley Kubrick. É praticamente uma unanimidade dizer que o filme é o mais fraco de Kubrick – o que é totalmente aceitável se analisarmos as demais obras do diretor (carinhosamente chamado por alguns de “deus”). Logo, é difícil analisar o filme sem se recordar a todo o momento de seu diretor e toda sua filmografia. Concebido ao longo de mais de três anos, De Olhos Bem Fechados está muito longe de se igualar a outros filmes de Kubrick – o que torna praticamente impossível a tarefa de compreendê-lo sem assisti-lo mais de uma vez.

A história gira em torno do casal Bill e Alice (respectivamente, o casal da vez na época, Tom Cruise e Nicole Kidman); ele um médico respeitado, ela uma curadora de arte, que vivem uma relação aparentemente fora de qualquer suspeita. Uma noite após voltarem de uma festa, Alice revela ao esposo que já sentiu atraída por outro homem no passado e cogitou a hipótese de abandonar a família por este homem. Atordoado pela confissão da esposa, Bill sai pelas ruas de Nova York e acaba em uma festa dentro de uma mansão misteriosa, onde os participantes promovem orgias entre si.

DE OLHOS BEM FECHADOS01

O maior problema no filme é o ritmo lento que Kubrick confere à sua narrativa. Ao longo de mais de duas horas e meia, é impossível não se revirar na poltrona de minuto em minuto. O filme simplesmente parece não rodar. Obviamente, esta talvez tenha sido uma estratégia de Kubrick para acentuar as personalidades de suas personagens – mas os personagens são tão pouco palpáveis que o filme se torna maçante em diversos momentos. Isso talvez seja reflexo das atuações de seus protagonistas: Kidman (que é muito melhor que seu ex-marido) está muito abaixo das expectativas, chegando a irritar na cena em que está bêbada; Cruise, por quem não se pode esperar muita coisa, dá tom a um personagem cheio de ideias vazias e sem fundamentos.

O trabalho de arte do filme é louvável – assim, como a trilha sonora, que é atordoante e fica na cabeça do espectador mesmo quando não executada. No entanto, o filme tem um ar “incompleto”, “inacabado”. O filme se perde ainda em diversos momentos: ora tende ao suspense, ora ao psicológico, ora sexual. No entanto, em nenhuma dessas vertentes o filme parece trilhar com os próprios pés. No contexto sexual, por exemplo, não há cenas de sexo que justifiquem a história (há cenas em O Iluminado, por exemplo, que são mais eloquentes do que aqui) – mesmo as orgias promovidas no grande salão, os famosos 65 minutos de sexo simulado que foram digitalmente reformulados para evitar uma classificação maior. Na segunda parte do filme, para completar, o foco principal fica no personagem de Cruise – e envolve mortes, assassinatos e perseguições que deixam o espectador com ar de inquietude.

De Olhos Bem Fechados, como obra de um diretor do calibre de Kubrick, consegue ser um filme muito aquém dos demais trabalhos do cineasta. É um filme que tenta desvendar (bem superficialmente) os conceitos da monogamia e as diferenças entre “sonhar” e “fazer”. É um filme que nos permite diversas indagações: o simples fato de a esposa um dia pensar em abandona-lo justifica as ações de Bill ou é excessiva demais? Não seria este um tom meio “machista” que Kubrick, que foi casado durante anos com a mesma mulher, resolveu conceder à trama? De todas as formas, De Olhos Bem Fechados é um filme que merece ser conferido pois permite diversos questionamentos – inclusive se o filme é capaz ou não de agradar.

DE OLHOS BEM FECHADOS03

PRÊMIOS

GLOBO DE OURO
Indicado: Melhor Trilha Sonora.

CÉSAR
Indicado: Melhor Filme Estrangeiro

GRANDE PRÊMIO DO CINEMA BRASILEIRO
Indicado: Melhor Filme Estrangeiro

TRAILER

Comente pelo Facebook

3 Comentários

  1. Sergio Alves

    Não entendeu o filme?
    As Mensagens Ocultas (e não tão ocultas) no “De Olhos Bem Fechados”
    http://forum.antinovaordemmundial.com/Topico-as-mensagens-ocultas-e-n%C3%A3o-t%C3%A3o-ocultas-no-de-olhos-bem-fechados-de-kubrik

  2. Charles Darwin

    Seu comentário é muito fraquinho ô “moderador”.

  3. Jurandir Bernardes de Lima

    Faroeste disse;

    Exatamente a mesma sensação do que acabo de ler eu captei do filme do Kubrick.

    Não é o meu diretor numero um, ainda prefiro o R Scott e o M Scorcese.
    Mas não se pode negar sua invejável qualidade, que se dá, principalmente, pelos poucos, porém muitos qualitativos filmes que fez na sua dilatada carreira.

    Ainda prefiro a este filme Spartacus, O Grande Golpe e Lolita. Não amo tanto a 2001 nem ao Iluminado, que são bons filmes, mas não caminham no topo de minha preferencia de suas criações.

    Porém, De olhos bem Fechados é um filme bastante aceitável sim. Pode até faltar nele mais Cruise, sobrar planos longos demais, nos deixar com alguns poucos momentos de divagação na narrativa e pouca coisa mais.
    Entretnato, ele é, de fato um filme criado com qualidade visual muito alta, com uma musica que nasce e fica na memória, com um Pollack muito bom e também uma linda e jovem Nikole quase perfeita. Em um computo geral ela raramente não está bem.

    Independente de tudo isso o grande mal do filme é apenas ser longo demais, nos dar a sensação de que ele acabou nos deixando algo a ver ou entender, pois no momento mais crucial da fita ela termina, deixando-nos convictos de que seria a partir dali que eles encontrariam as grandes dificuldades de suas vidas e, principalmente, depois que ele se abre para a esposa.

    Ali havia riscos que o Kubrick talvez, por ter estendido o filme demais, resolveu dar por ali por uma parada definitiva na razoável condução de seu derradeiro trabalho.

    Isto mesmo; até acho que ele nos deixou assim propositalmente, pois ele mesmo era um homem com algumas complicações pessoais e não escondia de transmitir aos espectadores algumas delas. Pode-se verificar fácil em seus filmes alguns de seus desencantos ou buracos negros.

    No mais um filme bem assistivel, mas lento e longo demais. No entanto, pode sim se perder alguma coisa não lhe fazendo uma visita. Afinal é um filme do Kubrick.

    jurandir_lima@bol.com.br