DRAGON BALL Z – BATALHA DOS DEUSES (Crítica)

dragonball_cartaz_media

3estrelas

Por Emílio Faustino

DRAGON BALL Z01

As sete esferas do dragão foram reunidas, o deus Shenlong foi evocado, e o pedido dos fãs foi atendido: Goku e companhia estão de volta aos cinemas.

Dessa vez do jeito que tinha que ser: no formato de desenho. Para apagar com qualquer memória do fiasco de “Dragon Ball Evolution”, (filme dirigido por James Wong, que não agradou a crítica e muito menos os fãs. Justamente por se tratar de uma adaptação trash do desenho para o mundo real).

Dessa vez o que vemos, é um filme pensado e dedicado aos fãs. Para quem cresceu vendo a saga Dragon Ball pela TV, assistir o desenho na telona do cinema é uma experiência pra lá de nostálgica. Uma oportunidade única de rever: Piccolo, Mestre Kame, Gohan, Vegeta, Androide 18, Kuririm, Bulma, Tranks, Goten e outros…

A história da animação se passa depois das lutas contra o vilão Majin Buu (que também da o ar da graça), no fim de Dragon Ball Z, e antes dos acontecimentos de Dragon Ball GT, sequência desenvolvida pela Toei Animation, não existente nos mangás de Toriyama. O novo desafio de Goku, Vegeta, Gohan e companhia é mais poderoso do que todos os enfrentados em Dragon Ball Z. O inimigo da vez é o deus da destruição, Bills, que acorda após um período hibernando.

A falta do que fazer desse deus impressiona, até porque ele vive em função de destruir planetas e guerreiros, sem maiores justificativas senão a diversão e o tédio. (Um personagem altamente conveniente de ser criado para um filme que se espera uma luta épica).

DRAGON BALL Z02

Embora o roteiro seja bastante fraco, os diálogos da trama conseguem sustentar o filme, com bons momentos de descontração, reflexão e é claro: muuuuuuuita pancadaria. (Que na verdade é o que a maioria dos fãs querem ver no cinema)

O filme reserva momentos para divagações sobre a vida fora da Terra, explana a importância da disciplina mesmo entre os poderosos. Isso é mostrado de forma sutil, como por exemplo, quando Goku leva um tapa na nuca de reprovação do Sr. Kaio do Norte.

Quem acompanha a história sabe que Goku poderia facilmente se esquivar do golpe. Mas ele não o faz, por quê? Respeito ao mestre, que embora seja infinitamente mais fraco, possui muito conhecimento. (Bonitinho, né?)

Já na Terra, o vilão de humor instável que chega em busca de confirmar o boato de que existe um “Deus super Sayadim”, é paparicado por todos que obviamente não querem que a Terra seja alvo de sua irá. Porém… Um pudim da discórdia surge na história graças ao guloso do Majin Buu que se recusa em dividir o doce.

Pronto! Isso foi o suficiente para desencadear a irá do nosso vilão. (Imagino que lendo isso as pessoas devem imaginar a cena um tanto quanto absurda, e na verdade é, mas no cinema isso fica muito engraçado, sobre tudo para quem já conhece o histórico do personagem em questão).

E quem diria, depois do nosso herói Goku exibir a cabeleira morena e loira em suas evoluções, para delírio dos ruivos, ele finalmente assume em sua mais nova evolução madeixas flamejantes. (Foi um verdadeiro show da democracia, agora ninguém mais se sente excluído na saga rs…)

O resultado dessa luta você confere nos cinemas, o filme “Dragon Ball Z- Batalha dos Deuses” estreia dia 11 de outubro. Uma boa opção para as crianças de todas as idades curtirem o seu dia!

DRAGON BALL Z03

DIREÇÃO

Masahiro Hosoda e Yusuke Watanabe

SINOPSE

Depois da batalha de Majin Buu, o universo está em equilíbrio, mantido pelas ações simultâneas do Deus da Criação e do Deus da Destruição. Quando um poderoso Deus da galáxia é derrotado pelo estudante Goku, o jovem decide que seu próximo adversário deve ser o Deus da Destruição. Mas todos tem medo que o universo entre em colapso com essa batalha.

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Yusuke Watanabe
Título Original: Dragon Ball Z: Kami to Kami
Gênero: Aventura
Duração: 1h 25min
Ano de lançamento: 2013
Classificação etária: 10 anos

TRAILER

Comente pelo Facebook