ELA (Crítica)

Ela

3estrelas

Por Carlos Pedroso

ELA02

Não sei exatamente em que momento da sessão de Her o encantamento passou a ser decepção. Sempre fui fã dos trabalhos do Spike Jonze, pelo menos dos que eu vi não me recordo de nenhum que não tenha gostado. As peculiaridades dos personagens e a forma com a qual enfrentam seus conflitos existenciais e interpessoais sempre couberam quase perfeitamente nas análises sentimentais e honestas do diretor. Em Her, entretanto, ao criticar a quantificação de um sentimento e subverter a imagem do homem rústico dos romances alienados num personagem sentimental -e até feminino-, Jonze parece construir seu personagem, que não cabe em nenhuma definição, apenas para enfatizar toda a concepção (estética) que acomete seu filme.

Theodore Twomblver (Joaquin Phoenix), um solitário escritor fantasma num futuro distópico, após o rompimento de uma duradoura relação afetiva, se encontra num fluxo de tempo e espaço continuamente repetitivos, preenchido por vídeo-games interativos, salas de bate papo, canções melancólicas, imagens eróticas, enfim, por tudo aquilo que torna a vida de solitário menos depressivamente solitária. A comodidade que a tecnologia trás à vida de Theodore o leva a conhecer um sistema operacional, que passa a substituir sua difícil relação de intimidade com pessoas, o fazendo encontrar uma forma de estruturar o que havia desmoronado com o término de seu relacionamento, advinda duma voz feminina onipresente, que aparentemente o entende e carrega por ele o gosto pela vida (que não vive!). É muito visível toda a idealização do homem e sua facilidade em externalizar seus sentimentos pela tecnologia através da concepção futurística e melancólica de Her. Os prédios que cercam Theodore dão intensidade claustrofobica ao espaço em que habita, e as pessoas ao seu redor, todas sempre portando algum aparelho tecnológico, criam essa sensação de falta de simetria das relações interpessoais. É curioso observar, também, como o humor de Theodore, quando em contato com seu sistema operacional, Samantha (perfeito trabalho de voz e sincronia de Scarlett Johansson), oscila diversas vezes entre o otimismo da (re) construção do que fora perdido com a sensação de (falso) preenchimento do vazio existencial. Numa cena de orgasmo cibernético, por exemplo, preenchida na tela completamente pelo preto, os sons transmitidos ecoam transpondo tanto sobre as sensações dos personagens quanto pelo ato em si, que mescla um sentido satírico de humor e horror melancólico consequente à cena (e também é uma evidência clara da transcendência do argumento à narrativa do filme).

ELA03

Num artigo do Newstatesman, Her fora comparado curiosamente a Um Estranho No Lago, de Alain Guiraudie, filme interessantíssimo que esteve em Cannes ano passado, e mesmo sendo duas obras completamente diferentes uma da outra em suas conceituadas premissas, é assombroso observar como em ambas há um desenvolvimento de personagem voltado essencialmente para a necessidade de intimidade do ser humano e ao ponto que chegamos para consegui-la. No filme de Guiraudie, porém, há uma preocupação muito maior com a tênue que concerne o personagem e a estrutura do filme, como se, ao desenvolvimento do suspense, ele fosse descobrindo a si mesmo através das questões sociais e políticas colocadas à sua frente. Já o que Jonze propõe com Theodore está expressamente na forma como o pessimismo acompanha sua vida solitária. Mesmo que todo o argumento se baseie na falsa perfeição dos relacionamentos (sejam eles cibernéticos ou interpessoais), por sempre buscarmos no outro aquilo que nós mesmos não possuímos ou temos controle, o filme de Jonze, em toda sua ingenuidade, acaba transformando Theodore num mero arquétipo afetado, não desenvolvendo em nenhum momento o sentimento que parecia querer ser culminado durante toda a trama. Nesse sentido, Her é também muito próximo de Onde Vivem Os Monstros, que buscava, através da imaginação, compreender o que levava um garoto em transição, mimado e egocêntrico, a encontrar a si mesmo quando ameaçado pela realidade. A semelhança entre Max e Theodore está justamente nesse conflito com a realidade, já que Theodore, mesmo externalizando seus sentimentos, tem medo de viver por achar que não tem mais chance de ser feliz, e Max, em pleno coming-of-age, acredita que ser criança o torna menos visível diante das pessoas ao seu redor.

Por mais que Her levante todas essas questões (e são muito válidas, por sinal), a ingenuidade –e mesmo infantilidade- que acomete boa parte do desenvolvimento subjetivo do argumento, às custas da melancolia de Theodore, Jonze, mesmo na mais honesta e singela das intenções, esquece que, antes de qualquer coisa, seu personagem é um ser humano, e não cabe apenas em ser difusão de conceito, esquema estético sentimental ou um mero arquétipo da silhueta de uma nova geração pré-destinada à autodestruição emocional. Estão aqui todos os elementos que transformam Theodore e Her em memória cinematográfica, mas nenhum deles é conquistado com a delicada naturalidade que se espera de um filme de Jonze. Infelizmente.

ELA01

SINOPSE

Theodore (Joaquin Phoenix) é um escritor solitário, que acaba de comprar um novo sistema operacional para seu computador. Para a sua surpresa, ele acaba se apaixonando pela voz deste programa informático, dando início a uma relação amorosa entre ambos. Esta história de amor incomum explora a relação entre o homem contemporâneo e a tecnologia.

DIREÇÃO

[do action=”cast” descricao=”Spike Jonze” espaco=”br”]Spike Jonze[/do]

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Spike Jonze
Título Original: Her
Gênero: Drama, Romance
Duração: 2h 06min
Ano de lançamento: 2014
Classificação etária: 14 Anos

TRAILER

Comente pelo Facebook

1 Comentário