EM BUSCA DA TERRA DO NUNCA (Crítica)

EM BUSCA DA TERRA DO NUNCA

4estrelas

FICHA TÉCNICA

Título Original: Finding Neverland
Ano do lançamento: 2004
Produção: Estados Unidos da América
Gênero: Drama
Direção: Marc Forster
Roteiro: Allan Knee e David Magee

Sinopse: J.M. Barrie (Johnny Depp) é um bem-sucedido autor de peças teatrais, que apesar da fama que possui está enfrentando problemas com seu trabalho mais recente, que não foi bem recebido pelo público. Em busca de inspiração para uma nova peça, Barrie a encontra ao fazer sua caminhada diária pelos jardins Kensington, em Londres. É lá que ele conhece a família Davies, formada por Sylvia (Kate Winslet), que enviuvou recentemente, e seus quatro filhos. Barrie logo se torna amigo da família, ensinando às crianças alguns truques e criando histórias fantásticas para eles, envolvendo castelos, reis, piratas, vaqueiros e naufrágios. Inspirado por esta convivência, Barrie cria seu trabalho de maior sucesso: Peter Pan.

Por Carlos Pedroso

EM BUSCA DA TERRA DO NUNCA03

Marc Forster sempre foi um diretor razoável, mas isso nunca impediu que seus filmes dividissem opiniões. Assumidamente versátil, já fez thriller psicológico, blockbuster de ação, filme de zumbis, drama, enfim, arriscou inúmeras vezes seu potencial mostrando que mesmo não muito assertivo é bastante corajoso. Dentre seus longas mais interessantes está Em Busca da Terra do Nunca, que possivelmente é o filme que melhor traduz suas facetas quanto realizador. A obra em questão é uma dessas experiências tipicamente hollywoodianas, mas que concretiza cada ambição narrativa e estética sob total controle da tênue contemporânea que segue. Forster imprime aqui sua melhor característica, já que mesmo pouco substancial, o diretor consegue criar camadas à narrativa que dão total liberdade ao elenco (e a ele mesmo) de perpetuar o melodrama e a fábula clássica com sutileza genuína, no melhor estilo spielbergniano.

EM BUSCA DA TERRA DO NUNCA01

Baseado na peça de Allan Knee, O Homem Que Era Peter Pan, a semi-biografia de J.M Barrie, o escritor que ao se envolver com uma família marcada por perdas e enfermidades é inspirado à criar o conto de Peter Pan, hoje um clássico, é retratada por Forster dentro das possibilidades da fantasia do texto de David Magee, ao mesmo tempo que concebe uma visão sobriamente realista junto à narrativa. Emprestando o que de melhor Johnny Depp tem a oferecer para a criação dum personagem cheio de si, o filme permite ao espectador compreender os personagens que o cercam sem a necessidade de efeitos melodramáticos carregados ou maniqueísmos, que costumeiramente são impressos às biografias cheios de boas intenções. Não que Em Busca da Terra do Nunca seja um perfeito retrato do que existe por trás (ou mesmo dentro) do conto de Peter Pan, mas é explicitamente elucidativa a forma como Forster e elenco convidam o espectador a adentrar a esse universo. Tão ingênuo quanto sádico, o que Em Busca da Terra do Nunca proporciona é excepcionalmente uma experiência cinematográfica pura, a qual se realiza com toques sutis de ingredientes que vão desde a prepotência domesticada da estética de seu realizador até o emocional expresso pelo elenco juvenil em contraste com a máscara adulta. Ao passo que Johnny Depp, em uma de suas melhores personificações, concerne tanto um estudo de personagem, quanto uma perspectiva dum coming of age subversivo, o ator, ao se livrar de cacoetes e do coqueluche Jack Sparrow para a criação de Barrie, condensa aqui uma performance limpa e delicada, e que através da visão cuidadosa de Forster, dá o tom agridoce à narrativa do filme.

Talvez pela falta de elementos carregados de virtuosismos que consistem boa parte da filmografia de Forster, o que mais me agrada no trabalho do diretor nesse Em Busca da Terra do Nunca é sua total dedicação à trama, independente de efeitos colaterais ou pré-julgamentos que concernem os personagens ou a própria fábula de Peter Pan. Forster, em seu momento mais centrado, realiza aqui um exercício de cinema sem fetiches ou saturações, que mesmo subestimado, leva a crer que o diretor, com ou sem escolhas equivocadas, sendo um produto hollywoodiano ou não, ainda é um dos poucos realizadores dessa era a ter pé no chão e acreditar no que faz. E não existe característica melhor num realizador do que a convicção em suas escolhas.

EM BUSCA DA TERRA DO NUNCA02

PRÊMIOS

OSCAR
Ganhou: Melhor Trilha Sonora

Indicações: Melhor Filme, Melhor Ator – Johnny Deep, Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Edição, Melhor Direção de Arte e Melhor Figurino.

GLOBO DE OURO
Indicação: Melhor Ator Drama – Johnny Deep, Melhor Direção, Melhor Roteiro, Melhor Filme Drama, Melhor Trilha Sonora Original

BAFTA
Indicações: Melhor Filme, Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Ator – Johnny Deep, Melhor Atriz – Kate Winslet, Melhor Atriz Coadjuvante – Julie Christie, Melhor Design de produção, Melhor Figurino, Melhor Cabelo e Maquiagem, Melhor Fotografia.

MTV MOVIE AWARDS
Indicação: Melhor Revelação Masculina – Freddie Highmore

TRAILER

Comente pelo Facebook