Em Chamas (Crítica)

Kadu Silva

Catártico!

Conseguir realizar um final surpreendente para os filmes é talvez uma das tarefas mais difícil de qualquer cineasta, principalmente hoje em dia em que a divulgação dos filmes às vezes acaba dando a chance de o espectador já criar uma tese em sua mente antes mesmo de assistir ao longa. Em Chamas é um desses raros exemplos de final surpreendente e catártico, que vai “explodir” sua mente.

Exatamente pelo seu desfecho fica difícil aprofundar muito na história, mas de forma geral se trata de um dia comum de trabalho do entregador Jong-soo (Yoo Ah-In) que por acaso acaba reencontrando Hae-mi (Jeon Jong-seo), uma antiga vizinha. O reencontro desperta desejos nos dois, mas a jovem garota está com viagem marcada para a África, e pede para o amigo ir até sua casa dar comida para seu gato até ela voltar. Quando ela chega da viagem tem em sua companhia Ben (Steven Yeun), um jovem misterioso que conheceu no aeroporto. Os três acabam criando uma relação de intimidade, até que Ben num papo descontraído revela que tem um hobby peculiar, deixando Jong-soo intrigado com a revelação.

Em Chamas (Crítica)

O roteiro do também diretor Lee Chang-Dong (Poesia) é todo próprio, primeiro porque ele não antecipa os acontecimentos e faz com que o espectador absorva cada momento da história, e principal sem ser autoexplicativo. O filme tem uma longa narrativa para desenvolver cada personagem e a relação do trio, para só então seguir no arco dramático e criar elementos que darão força para seu desfecho. É uma olhar oriental de paciência e de contemplação a vida que para a ideia do diretor só reforça e muito o que ele guarda para a cereja do bolo. É interessante que a forma como é construída a obra é possível ter um background da Coreia do Sul, com sua desigualdade social, os noticiários da TV, o modo de vida, os ambientes minúsculos de moradia e assim por diante, ou seja elementos extras ao arco que enriquecem a trama.

Mas o que impressiona é a relação do trio, que beira ao desconforto, a luxuria, a admiração e a inveja, tudo é mostrado em gestos, olhares e pouco em diálogos explicativos. O elenco por sinal é um show a parte, os três estão brilhando em seus papeis o mais conhecido é Steven Yeun ele fez o Glenn da série The Walking Dead, mas Yoo Ah-In (O Veterano) está estupendo, sua cena final é de aplaudir de pé, chega a levar o espectador a ter a sensação de ser ele ali no ato catártico.

Em Chamas é um filme diferente, que apresenta uma narrativa naturalista (lenta), mas guarda para seus minutos finais algo belo esteticamente e completamente surpreendente diante do que até então tínhamos acompanhado.

P.S. O filme é o representante da Coreia do Sul na tentativa de ser um dos finalistas a melhor filme em língua estrangeira no Oscar 2019 e é apontado pela crítica como um dos fortes concorrentes.

Pôster de divulgação: Em Chamas

Pôster de divulgação: Em Chamas

SINOPSE

Durante um dia normal de trabalho como entregador, Jong-soo (Yoo Ah-In) reencontra Hae-mi (Jeon Jong-seo), uma antiga amiga que vivia no mesmo bairro que ele. A jovem está com uma viagem marcada para o exterior e pede para Jong-soo cuidar de seu gato de estimação enquanto está longe. Hae-mi volta para casa na companhia de Ben (Steven Yeun), um jovem misterioso que conheceu na África. No entanto, o forasteiro tem um hobby peculiar, que está prestes a ser revelado aos amigos.

DIREÇÃO

Lee Chang-Dong Lee Chang-Dong

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Lee Chang-Dong
Título Original: Buh-Ning
Gênero: Drama, Suspense
Duração: 2h 28min
Classificação etária: 14 Anos
Lançamento: 1 de novembro de 2018 (Brasil)

Comente pelo Facebook