GLADIADOR (Crítica)

GLADIADOR

FICHA TÉCNICA

Título Original: Gladiator
Ano do lançamento: 2000
Produção: EUA
Gênero: Épico, Aventura, Drama, Ação
Direção: Ridley Scott
Roteiro: David Franzoni,John Logan,William Nicholson

Sinopse: Nos dias finais do reinado de Marcus Aurelius (Richard Harris), o imperador desperta a ira de seu filho Commodus (Joaquin Phoenix) ao tornar pública sua predileção em deixar o trono para Maximus (Russell Crowe), o comandante do exército romano. Sedento pelo poder, Commodus mata seu pai, assume a coroa e ordena a morte de Maximus, que consegue fugir antes de ser pego e passa a se esconder sob a identidade de um escravo e gladiador do Império Romano.
Fonte: Adoro Cinema

Por Loverci Ferreira

GLADIADOR03

Houve uma época em que o cinema se apropriou muito dos temas relacionados à nossa história e durante certo período estes filmes pararam de ser produzidos, ficando conhecidos entre os anos 50 até parte dos anos 60 como épicos.

O filme americano “Gladiador”, lançado em 5 de maio de 2000 foi um enorme sucesso de bilheteria recebendo muitas críticas positivas, dirigido por Ridley Scott, diretor que ficou mundialmente conhecido por “Platoon”, ele não economizou na violência e cenas sangrentas.

Ao apresentar a história do general romano Maximus (Russell Crowe), braço direito do imperador Marcus Aurelius, até então Russell Crowe era um ator desconhecido, mas em razão do grande sucesso do filme se tornou rapidamente um astro em Hollywood,

Já sabemos que o império romano gerou muitos filmes durante toda a história do cinema e foi um dos períodos mais longos de nossa história, como pano de fundo temos o ano de 180 D.C, o Império Romano passava por uma época forte de crise devido as invasões bárbaras que se sucederam até a queda do império lá por volta de 476.

O general Maximus prepara seu exército para impedir a invasão dos bárbaros germânicos, o imperador observando a força de seu fiel general chama seu filho Commodus (Joaquin Phoenix) para contar que irá passar seu título de Imperador ao general, considerando que o mesmo tem a força e carisma necessários para governar Roma.

Seu filho acaba sentindo-se traído, afinal era dele o direito de ser o próximo governante e acaba matando o pai antes que sua vontade seja feita, essa história não é verdadeira nos registros que temos, Commodus assumiu o trono quando seu pai morreu afetado pela peste, doença que adquiriu durante uma batalha no Danúbio.

GLADIADOR02

Uma vez no trono ele acaba pedindo a lealdade do general recebendo uma negativa do mesmo que não o julga apto a reinar sobre Roma, percebendo o perigo em não ter seu apoio o novo imperador arquiteta um plano para se livrar do general mandando matá-lo, mas como ele acaba escapando da terrível sina, sua esposa e filho são mortos em seu lugar.

Maximus foge e acaba sendo capturado por uma tribo, sendo vendido como escravo e tendo que lutar como gladiador para preservar a sua própria vida, o Coliseu na época sediava muitas dessas batalhas como forma de entretenimento dos nobres e do povo, era a famosa época do “pão e circo”, tão conhecida com esse nome que durante o filme vemos “pães” sendo jogados para a plateia delirando pelas cenas bárbaras na arena.

O diretor Ridley Scott não economizou nas cenas sangrentas, as sequências são muito bem coreografadas e cheias de ação, mostrando o quanto eram cruéis os jogos realizados pelos gladiadores em Roma, o Coliseu chegava a receber até 100 mil pessoas por evento e não era somente utilizado para lutas entre gladiadores, serviu também de palco para o martírio de muitos cristãos que eram perseguidos pelo povo romano.

Claro que os críticos de cinemas e especialistas apontam vários erros nas sequências de lutas, uma das mais famosas aponta para o contra regra correndo em meio aos gladiadores durante as gravações, mas é tudo muito grandioso em sua concepção ao retratar o Coliseu como ele deveria ter sido nos tempos áureos de Roma.

Chegando a Roma o general sabe que o filho do antigo Imperador esta no poder e disposto a se vingar precisa sobreviver em todas as batalhas, ganhando assim o carisma da plateia para poder se aproximar de Commodus, resultando em um combate final entre os dois.

Em alguns momentos as cenas entre o novo imperador, sua irmã Lucila e seu sobrinho são tensas, denotando não só que Commodus tem uma ambição desenfreada, mas uma loucura sem controle ao querer sempre o poder.

Maiores destaques do filme ficam a cargo da direção de arte e figurino, além é claro de ótimas sequências de ação, o elenco em si não me diz muita coisa, talvez o que esteja um pouco melhor mostrando a loucura de seu personagem (apesar de forma caricata) seja Joaquim Phoenix, o restante convence apesar de não terem grandes atuações.

GLADIADOR01

PRÊMIOS

OSCAR
Ganhou: Filme, Ator – Russell Crowe, Figurino, Efeitos Especiais e Som

BAFTA
Ganhou: Melhor Fotografia, Melhor Filme, Melhor Edição (Montagem) e Melhor Desenho de Produção.

GLOBO DE OURO
Ganhou: Filme – Drama e Trilha Sonora

MTV MOVIE AWARDS
Ganhou: Melhor Filme

SATELLITE AWARDS
Ganhou: Melhor Fotografia, Melhor Trilha Sonora Original e Melhores Efeitos Visuais.

CURIOSIDADES

– Mel Gibson era o ator cogitado para viver Maximus, mas ele acabou não aceitando o papel.
– Para o papel da irmã do imperador Lucilla, Jennifer Lopez chegou a fazer teste.
– Oliver Reed que interpretava Antonio Proximo, faleceu durante as filmagens e muitas de suas cenas tiveram que ser reeditadas usando um dublê.

TRAILER

Comente pelo Facebook

1 Comentário

  1. Cinemanos

    Gladiador é simplesmente um épico que deve ser assistido por todo mundo. O filme conta com um elenco muito bom e a trama se desenvolve perfeitamente, sem se arrastar ou correr com sua evolução.

    Destaque para Joaquin Phoenix no papel do vilão. Adorei a atuação dele.

    Uma outra coisa que me chamou a atenção recentemente foi o filme do mesmo diretor (Ridley Scott) Êxodo: Deuses e Reis. Ele parece ter sido espelhado em Gladiador em muitas características. Olha só essa lista pra você ter uma ideia do que estou falando: cinemanos.com/exodo-deuses-e-reis-e-gladiadores-similaridades-epicas/

    Abraço!