GOLPE DUPLO (Crítica)

GOLPE DUPLO

2emeio

Por Carlos Pedroso

GOLPE DUPLO02

“A diferença entre suspense e surpresa é muito simples, e costumo falar muito sobre isso. Mesmo assim, é frequente que haja nos filmes uma confusão entre essas duas noções. Estamos conversando, talvez exista uma bomba debaixo desta mesa e nossa conversa é muito banal, não acontece nada de especial, e de repente: bum, explosão. O público fica surpreso, mas, antes que tenha se surpreendido, mostraram-lhe uma cena absolutamente banal, destituída de interesse. Agora, examinemos o suspense. A bomba está debaixo da mesa e a plateia sabe disso, provavelmente porque viu o anarquista colocá-la. A plateia sabe que a bomba explodirá à uma hora e sabe que faltam quinze para a uma – há um relógio no cenário. De súbito, a mesma conversa banal fica interessantíssima porque o público participa da cena. Tem vontade de dizer aos personagens que estão na tela: ‘Vocês não deveriam contar coisas tão banais, há uma bomba debaixo da mesa, e ela vai explodir’. No primeiro caso, oferecemos ao público quinze segundos de surpresa no momento da explosão. No segundo caso, oferecemos quinze minutos de suspense. Donde se conclui que é necessário informar ao público sempre que possível, a não ser quando a surpresa for um twist, ou seja, quando o inesperado da conclusão constituir o sal da anedota.”

Essa foi a resposta de Hitchcock para Truffaut quando perguntado sobre a diferença que se deve fazer entre suspense e surpresa. Também foi a questão que me pairou durante toda a sessão de Golpe Duplo, filme que nunca me deixa exatamente claro qual posição vai tomar em cada nova sequência (e isso levando em conta que a tradução do título é praticamente um spoiler sobre a narrativa).

GOLPE DUPLO01

Sem exatamente ser claro sobre ser uma espécie de whodunit, ou simplesmente um filme cujo plot não tem importância, e muito menos seus vários twists, Golpe Duplo já seria um péssimo exemplo de entretenimento porque os próprios diretores, Glenn Ficarra e John Requa, parecem mais preocupados em conceber um stylish estético e nunca entendem muito bem em qual sentido a narrativa vai percorrer junto de tal concepção. E, embora seja delicioso acompanhar a desenvoltura femme fatale-esque de Margot Robbie em cena, graças, acima de tudo, de seu carisma, o longa dos parceiros do ótimo Amor a Toda Prova esquece elementos fundamentais para o tipo de história que se pretende (e entender que o espectador não é estúpido é um desses elementos).

É num fetiche sobre a trilogia Onze Homens e Um Segredo com qualquer sub-filme que veio na onda dele, que Golpe Duplo se torna um desses exercícios preguiçosos, que se quer ser inteligente, mas acaba bem mais como uma tentativa frustrada de criar trucagens que sejam minimamente deliciosas de se acompanhar, principalmente por se tratar de criminosos impenetráveis em suas carcaças de perfeição egomaníaca.

GOLPE DUPLO03

SINOPSE

Um trapaceiro profissional (Will Smith) começa a treinar uma novata na profissão (Margot Robbie), até os dois se apaixonarem. Ao mesmo tempo, o sujeito tem que lidar com um importante adversário, dono de uma empresa de carros (Rodrigo Santoro).

DIREÇÃO

Glenn Ficarra, John Requa

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Glenn Ficarra e John Requa
Título Original: Force Majeure
Gênero: Suspense, Romance, Comédia
Duração: 1h 45min
Ano de lançamento: 2015
Classificação etária: 14 Anos

TRAILER

Comente pelo Facebook

1 Comentário

  1. Carlos

    Falou…Falou, e não disse nada! Ai meus 5 minutos perdidos!