HARDCORE: MISSÃO EXTREMA (Crítica)

Kadu Silva

COMO SE FOSSE UM JOGO DE VÍDEO GAME

Tentar reproduzir para o cinema a sensação de estar jogando um game, não é propriamente uma novidade, mas talvez chegar num resultado tão parecido com isso, pode-se creditar a essa produção russa/norte-americana, Hardcore: Missão Extrema.

Para quem já jogou o game Doom que tem a perspectiva na tela em primeira pessoa, como se você estivesse ali com a arma em punho para passar as fases, vai compreender o que é assistir a esse filme, já que ele tem exatamente essa estrutura durante toda a projeção. Os produtores estão vendendo como sendo algo inovador e de fato é por ser durante todo o filme, mas esse recurso também já foi usado, mas em momentos específicos em alguns filmes.

A história é simples, conta o drama do ciborgue Henry que acabou de ser ressuscitado pela sua esposa e criadora Estelle (Haley Bennett). Logo que ele volta a funcionar, sem memória, sua esposa é sequestrada pelo super poderoso vilão Akan (Danila Kozlovsky), é então que Henry e o cientista Jimmy (Sharlto Copley) lutarão para salva-la até o fim do dia, mas logo ele percebe que Akan quer mesmo cloná-lo e criar assim um exército de ciborgues para conquistar o mundo.

O roteiro do estreante em longas-mentragem Will Stewart e do também estreante diretor russo Ilya Naishuller opta por criar uma experiência com a tecnologia visual, o texto e a narrativa são suporte para isso. O roteiro não apresenta criatividade ou algo novo. Ele discute é isso sim é bem realizado a inteligência artificial, quando a máquina apresenta sentimentos, algo semelhante com o ótimo Ex-Machina: Instinto Artificial (inclusivo o desenrolar da trama tem grandes semelhanças, só que menos sutil).

O que vemos em Hardcore: Missão Extrema é uma atmosfera super violenta, com muita nudez, sexo, drogas e uma trilha sonora magistral, que dá a quem assisti uma clara sensação de estar com o seu controle e jogando em frente a telona. A própria forma como o filme é conduzido (estruturado) aumenta essa impressão de um jogo com fases, o protagonista Henry segue sua busca em diversos ambientes que aparentemente não são tão próximos e a introdução e saída de alguns personagens acontecem aleatoriamente, como em alguns jogos de vídeo game.

Em meio a tudo isso ainda há espaço para momentos de alivio cômico, por exemplo, quando Henry encontra um cavalo e ao subir nele, começa a tocar a canção clássico do comercial de Marlboro do agora, merecidamente oscarizado, Ennio Morricone (clique para ouvir).

O diretor Ilya Naishuller realiza um bom trabalho, ainda mais quando sabemos que esse filme é apenas o seu primeiro longa. O clima de suspense e tensão e as ótimas cenas de ação e luta impressionam, como já citei as escolhas das canções que embalam tais cenas só reforçam o clima pretendido pelo diretor, um ótimo exemplo é no momento final do filme na luta de Henry com vários mercenários, a maravilhosa canção do Queen, Don´t stop me now, toca e dá para o momento a grandiosidade merecida.

Falando do elenco, ele é formado por russos e americanos, tanto que o filme é falado nas duas línguas e todos estão ótimos, Danila Kozlovsky (Academia de Vampiros: O Beijo das Sombras) que faz o vilão Akan é o grande destaque pela composição psicopata que ele empresta ao personagem, mas vale ressaltar a participação de Sharlto Copley (Distrito 9), ele faz vários personagens, já que Jimmy é um cientista e fez vários clones dele mesmo, mas com personalidade distintas e Copley muda bastante em cada um deles.

Obviamente para um filme que o grande atrativo é a tecnologia, os efeitos visuais precisam ser de primeira linha e de fato se mostram assim, além deles, merece menção a equipe de design de produção, fotografia, maquiagem e figurino todos ótimos.

Hardcore: Missão Extrema é um filme que vai agradar principalmente os fãs de games, mas ele tem um conteúdo interessante que pode agradar qualquer público, basta dar uma chance a essa loucura extrema.

HARDCORE MISSAO EXTREMA

SINOPSE

Hardcore Missão Extrema é narrado em primeira pessoa sob a perspectiva do ciborgue Henry, que após ser ressuscitado não lembra nada sobre o seu passado. Ele parte em uma missão para salvar sua esposa e “criadora” Estelle (Haley Bennett), sequestrada por Akan (Danila Kozlovsky, de Vampire Academy: O Beijo das Sombras), um guerreiro poderoso que planeja utilizar a tecnologia de Henry para criar soldados a partir de bioengenharia.

DIREÇÃO

[do action=”cast” descricao=”Ilya Naishuller” espaco=”br”]Ilya Naishuller[/do]

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Ilya Naishuller e Will Stewart
Título Original: Hardcore Henry
Gênero: Ação, Ficção Científica
Duração: 1h 30min
Ano de lançamento: 2016
Classificação etária: 18 Anos
Lançamento: 26 de maio de 2016 (Brasil)

Comente pelo Facebook

2 Comentários

  1. Wallker

    Nunca vi o filme, mas vou ver agora, lembra muito COd advanced warfare. Acho que a nudez e o sexo eram desnecessários nesse filme, só acho.

  2. Maicon

    Simplesmente épico…. Adorei de verdade