Homem-Aranha no Aranhaverso (Crítica)

Kadu Silva

Além do óbvio!

A Marvel entra nos próximos anos numa fase em busca de renovação, já que seus últimos 10 anos no cinema foram um verdadeiro sucesso, mas para muitos, grande parte do conteúdo se tornou desgastado pelo excesso de uso, portanto cada vez mais devemos ver produções novas para que ela se mantenha em evidência.

Homem-Aranha no Aranhaverso é um dos produtos novos desse império. Além de ser uma animação que não é o foco de produção do estúdio, a história é uma desconstrução do que conhecemos até hoje de filmes de super heróis.

No filme Miles Morales é um jovem afrodescendente do Brooklyn que acaba sendo picado por uma aranha radioativa e ganha poderes inesperados, no entanto tal acontecimento lhe causa espanto, ainda mais por acontecer exatamente quando seu ídolo homem Aranha morre e ele acaba se tornando seu sucessor, se não bastasse isso, ele acaba se deparando com outro Homem-Aranha vindo de outra dimensão, o que tornou ainda mais complexa sua tentativa de compreender tudo que está acontecendo com ele.

O roteiro de Phill Lord e Rodney Rothman usa a estrutura clássica da história do Homem-Aranha para colocar o conto em uma dimensão enorme, já que o filme mostra que o herói pode ser algo ainda maior e mais complexo do que até hoje conhecemos dele, a história de Miles cria para o personagem uma enorme quantidade de camadas e leituras e coloca a trama na vanguarda do momento social da igualdade de gênero, raça e afins.

Além dessa abordagem importante, a estética do filme é de encher os olhos, já que os gráficos e a montagem lembra um quadrinho em movimento, trazendo ainda mais peso e relevância para os fãs. Outro fato que chama atenção é a mistura de estilos de HQs dentro de uma mesma trama e tudo de forma muito orgânica. Junto a isso vemos uma trilha sonora empolgante, um texto irônico tanto para com o herói como para todo o universo que envolve os super heróis, o que acaba por criar um envolvimento incrível com a narrativa.

Homem-Aranha no Aranhaverso é empolgante, divertido e uma obra que se torna ainda que de forma discreta uma produção de resistência diante dos acontecimentos do mundo.

SINOPSE

Miles Morales é um jovem negro do Brooklyn que se tornou o Homem-Aranha inspirado no legado de Peter Parker, já falecido. Entretanto, ao visitar o túmulo de seu ídolo em uma noite chuvosa, ele é surpreendido com a presença do próprio Peter, vestindo o traje do herói aracnídeo sob um sobretudo. A surpresa fica ainda maior quando Miles descobre que ele veio de uma dimensão paralela, assim como outras versões do Homem-Aranha.

DIREÇÃO

Bob Persichetti, Peter Ramsey e Rodney Rothman

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Phill Lord, Rodney Rothman
Título Original: Spider-Man: Into the Spider-Verse
Gênero: Ação
Duração: 1h 57min
Classificação etária: 10 Anos
Lançamento: 10 de janeiro de 2019 (Brasil)

Comente pelo Facebook