IT – A COISA (Crítica)

Kadu Silva

O medo interior

Um dos diversos clássicos de Stephen King, “It”, ganha sua primeira versão para o cinema, sim, muitos acham que a versão de 1990 “Uma Obra-Prima do Medo”, chegou nos cinemas, mas na verdade foi apenas uma série para TV, o Ccine10 realizou uma crítica, clique aqui para ler.

No filme um grupo de sete adolescentes, todos marginalizados e sofrendo com constantes bullying na escola, se unem para se defender e principalmente descobrir o mistério que ronda algumas mortes de crianças na pacata cidade aonde vivem. Logo o grupo acaba ficando frente a frente com o responsável pelos crimes, o palhaço Pennywise (Bill Skarsgård) e assim terão que enfrentar o maior de seus medos.

O roteiro de Cary Fukunaga (Beasts of No Nation) e Gary Dauberman (Annabelle 2: A Criação do Mal), é preciso em conseguir expressar o estudo do medo interior de cada um, a principal característica da obra de King, mesmo optando por criar situações de sustos (bobo e clichês) para agradar ao público mais popular.

O grande problema do roteiro é que por se tratar de sete diferentes personagens principais, não houve tempo de desenvolver bem a característica de cada um dos adolescentes, o que pode atrapalhar a sequência do filme, quando eles já estarão adultos.

IT - A COISA (Crítica)

O diretor Andy Muschietti (Mama), ainda que tenha conseguido criar uma atmosfera sinistra para sua narrativa, peca em escolher soluções clichês em diversos momentos, principalmente quando os adolescentes estão frente a frente com Pennywise, a trilha sonora de Benjamin Wallfisch (Batman vs Superman: A Origem da Justiça) ao invés de criar medo e angustia da plateia acaba servindo com um alerta do que está por acontecer a seguir, que para um filme de terror é um grande problema. Apesar disso, existe uma escolha louvável, que é usar cenas violentas sem muito pudor, óbvio que poderia ir além, para tornar ainda mais assustador os medos.

No entanto Andy na condução do elenco acaba superando muitos de seus deslizes, já que o elenco infantil é carismático, competente e marcante na telona e além disso, o texto divertido e completamente real para a idade dos personagens só os tornam um novo grupo para ganhar fãs fervorosos, como Stranger Things por exemplo, fica difícil apontar o melhor entre eles.

Os efeitos visuais não são precisos, mas nesse caso, creio que foi intencional para dar para a fita um tom retro, já que a trama se passa nos anos 80 e por falar nisso a reconstituição de época é brilhante, em todos os detalhes, figurino, cabelo, elementos cênicos etc.

Vale lembrar que não se trata de um filme para te dar medo, e sim uma obra que estuda o medo que todos temos no nosso interior e que pode ou não vim à tona com alguns acontecimentos que surgem em nosso dia-a-dia.

It- A Coisa, consegue mesmo com um curto tempo de um longa-metragem mostrar a alma da obra original de Stephen King.

Pôster de divulgação: IT - A COISA

Pôster de divulgação: IT – A COISA

SINOPSE

Um grupo de sete adolescentes de Derry, uma cidade no Maine, formam o auto-intitulado “Losers Club” – o clube dos perdedores. A pacata rotina da cidade é abalada quando crianças começam a desaparecer e tudo o que pode ser encontrado delas são partes de seus corpos. Logo, os integrantes do “Losers Club” acabam ficando face a face com o responsável pelos crimes: o palhaço Pennywise.

DIREÇÃO

[do action=”cast” descricao=”Andy Muschietti” espaco=”br”]Andy Muschietti[/do]

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Cary Fukunaga, Gary Dauberman
Título Original: It
Gênero: Drama, Suspense, Terror
Duração: 2h 15min
Classificação etária: 14 Anos
Lançamento: 7 de setembro de 2017 (Brasil)

Comente pelo Facebook