JOVENS, LOUCOS E MAIS REBELDES!! (Crítica)

Davi Gonçalves

Jovens, Loucos e Mais Rebeldes!!, como seu próprio idealizador sugeriu, é uma “sequência espiritual” de Jovens, Loucos e Rebeldes (Dazed and Confused, no original) – hoje um clássico dos anos 90, que ajudou a alavancar a carreira do então iniciante Richard Linklater. Mas não se deixe levar por isso: Jovens, Loucos e Mais Rebeldes!!, por si só, tem méritos suficientes para ganhar o devido destaque na filmografia do cineasta.

Se no filme de 1993 Linklater acompanha o último dia de colégio de uma turma de adolescentes a caminho do que seria nosso Ensino Médio, nos anos 70, Jovens, Loucos e Mais Rebeldes!! narra os primeiros dias de um grupo de universitários às vésperas do início das aulas, em 1980. Eles são jogadores de uma equipe de baseball, moram em uma espécie de república estudantil e estão naquela fase da vida em que acreditam ser capazes de tudo. E realmente o são.

Jovens, Loucos e Mais Rebeldes!! nos apresenta uma ambientação perfeita dos anos 80 em vários aspectos. O design de produção é primoroso, fazendo com que o espectador seja transportado para aquela época. E são os detalhes que impressionam: cabelo, maquiagem, figurino e cenários são minimamente cuidados, nos trazendo uma sensação de nostalgia que se acentua a cada minuto da fita por conta da ótima trilha sonora. A seleção musical de Jovens, Loucos e Mais Rebeldes!! é excepcional, percorrendo vários gêneros mas sem descaracterizar o período. Para mim, é o ponto mais favorável do filme.

Os diálogos, por sua vez, não decepcionam. Aparentemente, são puramente despretensiosos, mas em sua totalidade são repletos de significados. Apesar de o roteiro não ter necessariamente um conflito muito bem estabelecido, seu humor e dinamismo tornam as quase duas horas de fita muito leves, como se o tempo não passasse (assim como para seus personagens). A primeira parte do filme, por exemplo, parece praticamente não sair do lugar, mas é incrível o quanto a história consegue diferenciar cada um dos tipos. Apesar de todos terem um interesse em comum (o esporte), cada um deles mantém sua individualidade. Cada estereótipo está ali, inclusive aquele que é, talvez, o protagonista da trama, Jake – o ponto de equilíbrio entre seus colegas.

Infelizmente, Jovens, Loucos e Mais Rebeldes!! sofre pelos seus antecessores: o da década de 90 (que gera comparações inevitáveis porém injustas) e Boyhood – Da Infância à Juventude, obra-prima de Linklater que fatalmente aumenta as expectativas com relação à esta nova produção. No entanto, Jovens, Loucos e Mais Rebeldes!! é um filme que, em sua simplicidade, se mostra indiscutivelmente inteligente, nostálgico e divertido. O longa não perde seu tempo justificando ou mesmo julgando as ações de suas personagens; pelo contrário, ele se prende ao relato de situações e momentos típicos daquela juventude. É a história de um grupo de amigos e suas aspirações, desejos e sonhos, narradas com a nostalgia capaz de nos fazer sentir saudades de uma época que nem mesmo vivenciamos.

Poster Jovens Loucos e Mais Rebeldes

SINOPSE

1980. Jake (Blake Jenner) acaba de chegar à universidade e logo consegue uma vaga na equipe local de baseball, passando a morar na casa que serve de alojamento para o time. Lá ele faz vários novos amigos, entre novatos e veteranos, que o ajudam a se enturmar neste ambiente repleto de diversão, experiências e camaradagem.

DIREÇÃO

[do action=”cast” descricao=”Richard Linklater” espaco=”br”]Richard Linklater[/do]

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Richard Linklater
Título Original: Everybody Wants Some !!
Gênero: Comédia
Duração: 1h 57min
Classificação etária: 14 Anos
Lançamento: 13 de outubro de 2016 (Brasil)

Comente pelo Facebook