KINGSMAN: O CÍRCULO DOURADO (Crítica)

Kadu Silva

Legalize essas mentes criativas!

Em 2015 o mundo do cinema foi surpreendido pelo ousado e divertido Kingsman: Serviço Secreto, que entre outras coisas usava o universo da espionagem como pano de fundo de uma história de ação de tirar o folego. James Bond e Sherlock Holmes, entre outros eram homenageados e ao mesmo tempo satirizados num texto brilhante que mesclava ironia e crítica social. A sequência dessa louca história logo começou a ser pensada e chega agora nos cinemas com mais personagens e ainda mais acida em sua crítica.

No filme, um súbito ataque de mísseis praticamente elimina o Kingsman do planeta, os únicos remanescentes são Eggsy (Taron Egerton) e Merlin (Mark Strong). Afim de encontrar quem os ajude na busca da resolução desse caso do misterioso ataque, a dupla vai até os Estados Unidos e lá descobrem o Statesman, uma espécie de filial norte-americana dos Kinsgman, dessa forma, eles unem força para encontrar a grande vilã que esta por traz do ataque e também de diversos outros problemas globais, a excêntrica Poppy (Julianne Moore), a maior traficante de drogas da atualidade.

O roteiro foi novamente escrito pela dupla do primeiro filme, Jane Goldman e o também diretor Matthew Vaughn e toda a ironia e viradas incríveis continuam nessa sequência, no entanto nesse filme em alguns pequenos momentos o roteiro erra em manter a fluidez das viradas e parece preguiçoso ao estabelecer o desenvolvimento da ação, no entanto, a crítica sobre a legalização das drogas é realizado de forma incrivelmente precisa, a dupla toca na ferida e debocha de quem é contra sem ser panfletário, além disso, ironiza os hábitos dos norte-americanos pôr os tratarem como os caipiras do mundo, tudo de forma extremamente divertida, e as sequencias de ação são novamente de tirar o fôlego, a cena inicial é sem dúvida o grade momento do filme nesse quesito.

KINGSMAN: O CÍRCULO DOURADO (Crítica)

E por falar em cenas de ação, Matthew Vaughn (Kick-Ass: Quebrando Tudo) sabe como poucos coreografar e usar de ângulos para tornar tais momentos, grandiosos, ainda que tudo acontece dentro de um carro, apesar disso, nesse filme esses momentos não são tão marcantes como no primeiro filme, ainda que como o anterior, duas cenas ficarão na memória por um bom tempo pela “loucura” de sua construção.

A introdução de novos personagens ao universo, além de ampliar a trama foi responsável por dar liberdade criativa no uso dos clichês do gênero espionagem, sem dúvida um dos grandes acertos. E o elenco novo está incrível, os grandes destaques são: Pedro Pascal (Game of Thrones) que faz um caipira misterioso de forma brilhante e apresenta umas armas incríveis em cena, fato que com certeza levará a plateia ao delírio, e a vilã caricata e sensual Julianne Moore (Para Sempre Alice), que faz a Poppy, ela é a responsável pelos diálogos mais marcantes do filme.

Como no filme anterior a trilha sonora, os efeitos visuais e a montagem são destaques da produção, mas dessa vez, vale menção ao trabalho de som, muito bem executado principalmente nas cenas de ação.

Apesar de funcionar como um filme isolado, a experiência se tornará mais clara e precisa se você tiver assistido o anterior, principalmente porque a conexão entre as duas obras é feita em alguns momentos e principalmente a “volta” do personagem Harry vivido por Colin Firth (O Discurso do Rei), se torna mais objetiva com as referências do “Serviço Secreto” de 2015.

Portanto, Kingsman: O Círculo Dourado tem todos os elementos que tornaram seu antecessor uma grande e deliciosa surpresa anos atrás.

Pôster de divulgação: KINGSMAN: O CÍRCULO DOURADO

Pôster de divulgação: KINGSMAN: O CÍRCULO DOURADO

SINOPSE

Um súbito e grandioso ataque de mísseis praticamente elimina o Kingsman, que conta apenas com Eggsy (Taron Egerton) e Merlin (Mark Strong) como remanescentes. Em busca de ajuda, eles partem para os Estados Unidos em busca da Statesman, uma organização secreta de espionagem onde trabalham os agentes Tequila (Channing Tatum), Whiskey (Pedro Pascal), Champagne (Jeff Bridges) e Ginger (Halle Berry). Juntos, eles precisam unir forças contra a grande responsável pelo ataque: Poppy (Julianne Moore), a maior traficante de drogas da atualidade, que elabora um plano para sair do anonimato.

DIREÇÃO

[do action=”cast” descricao=”Matthew Vaughn” espaco=”br”]Matthew Vaughn[/do]

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Jane Goldman, Matthew Vaughn
Título Original: Kingsman: The Golden Circle
Gênero: Ação, Comedia
Duração: 2h 21min
Classificação etária: 16 Anos
Lançamento: 28 de setembro de 2017 (Brasil)

Comente pelo Facebook