Mulheres Alteradas (Crítica)

Kadu Silva

Divertido!

Maitena Burundarena é uma escritora e cartunista argentina de fama internacional, uma de suas obras mais conhecida são as tirinhas Mujeres Alteradas (Mulheres alteradas), que acaba de ganhar uma adaptação para o cinema aqui no Brasil. Sucesso nos anos 90, uma das características das tirinhas era apresentar situações de “mulheres alteradas”, a beira da loucura, mas que na verdade buscava através dessa catarse, uma mudança de perspectiva para o futuro, não existia uma personagem real, todas as mulheres eram inspiração para Maitena, esse não protagonismo foi um dos grandes desafios que a equipe responsável pelo filme teve ao adaptar o material original para uma versão cinematográfica. Algumas pessoas tentaram achar um formato, mas somente a dupla, Luis Pinheiro (Agora Sim!) e Caco Galhardo (Lili a Ex) encontrou o espírito que os produtores buscavam para o projeto. Luis e Caco já haviam trapalhado juntos na série Lili a Ex, que apresentava um universo muito semelhante requisito pelos produtores do filme, por isso eles acabaram sendo os escolhidos para tocar o projeto.

No filme conhecemos quatro mulheres em fases distintas da vida, Keka (Deborah Secco) enfrenta uma crise no casamento com Dudu (Sérgio Guizé), Marinati (Alessandra Negrini) é uma viciada em trabalho que repentinamente se apaixona por Christian (Daniel Boaventura), Leandra (Maria Casadevall) sente-se bastante insegura pelo fato de ainda não ter constituído família e Sônia (Monica Iozzi) está cansada da rotina doméstica e sonha com a época em que era solteira.

O roteiro apresenta dois grandes arcos que acabam em determinado momento se misturando, e em cada um deles existem grandes acertos pela naturalidade com que são mostradas algumas situações, como um beijo homoafetivo, o encontro casual pelo simples prazer do ato e diversas outras passagens que muitas mulheres vivem cotidianamente, mas existem também exageros, que segundo o roteirista foi proposital, para trazer o absurdo e assim criar o tom do humor. É exatamente no equilíbrio entre esses dois polos que o filme acaba não encontrando um resultado ideal para a proposta, a falta de fluidez da narrativa torna o desenvolvimento da história arrastado no trecho final do longa, e personagens que deveriam ter mais espaço na trama ficam longos minutos sem aparecer na história, certamente se o filme conseguisse criar uma narrativa com as quatro personagens juntas, o envolvimento pelo enredo seria ainda melhor.

Mulheres Alteradas (Crítica)

No entanto, o filme consegue encontrar um resultado muito agradável na comedia, diversas situações certamente te levarão ao riso, principalmente pelo talento das atrizes, além disso, o diretor também merece destaque por conseguir imprimir sua assinatura no projeto e explorar os planos sequencias e a narrativa ágil que marca sua carreira até aqui.

Além disso, o início do filme que mostra esteticamente totais referências aos quadrinhos do qual ele foi inspirado, foi um acerto genial, é como se um universo entrasse no outro para encontrar uma identidade própria.

O elenco é um caso a parte, algumas com interpretações acima da média como é o caso da Monica Iozzi (A Comédia Divina), que está completamente fora do registro que temos conhecimento de outros trabalhos dela, – em sua interpretação contida, ela faz a mulher de mais fácil identificação do grande publico. Já outras mostram certo exagero no tom da atuação, como é o caso da Alessandra Negrini (Eu Fico Loko). Ainda assim, de forma geral todos entregam um resultado no mínimo interessante para seus personagens.

O interessante do projeto é que numa produção de cunho popular como é o gênero da comedia, o roteiro conseguiu espaço para colocar em pauta para reflexões temas importantes do universo humano (não só feminino), como: a insegurança com o futuro, como lidar com um casamento problemático, a abertura para novas experiências, sair da rotina para não deixar a vida passar e assim por diante. Portanto ainda que o resultado do filme não seja brilhante, ter uma produção antenada com as questões humanas e trazer quatro atrizes como protagonistas torna a produção no mínimo interessante.

Pôster de divulgação: Mulheres Alteradas

Pôster de divulgação: Mulheres Alteradas

SINOPSE

Comédia sobre os dilemas tragicômicos enfrentados por quatro mulheres em diferentes fases da vida: Leandra (Maria Casadevall) está na crise dos 30. Solteira, não aguenta mais a intensa vida noturna; sua irmã, Sônia (Monica Iozzi), é o oposto. Casada e com dois filhos, sonha com uma noite de curtição; Já Marinati (Alessandra Negrini) é uma advogada workaholic que se apaixona justo quando sua carreira está deslanchando. E Keka (Deborah Secco), está ansiosa com a viagem que programou para salvar seu casamento.

DIREÇÃO

Luis Pinheiro Luis Pinheiro

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Caco Galhardo
Título Original: Mulheres Alteradas
Gênero: Comedia
Duração: 1h 35min
Classificação etária: 10 Anos
Lançamento: 5 de julho de 2018 (Brasil)

Comente pelo Facebook