O Candidato Honesto 2 (Crítica)

Kadu Silva

Uma boa intenção, mas…

Em 2014 na última eleição para presidente, foi lançado a comedia O Candidato Honesto, que fazia uma sátira sobre o caráter dos políticos trazendo como protagonista um personagem que não conseguia mentir diante das câmeras. Quatro anos depois as vésperas de uma nova eleição chega aos cinemas O Candidato Honesto 2, que aproveita a lava jato e seus desdobramentos para continuar criticando o atual cenário político nacional.

No filme João Ernesto (Leandro Hassum) após cumprir quatro anos dos seus quatrocentos anos de cadeia é convencido a se candidatar novamente à presidência. Adorado pelo povo por admitir publicamente seus erros, João é eleito, no entanto, sua vida no cargo não será nada fácil, já que seu vice Ivan Pires (Cassio Pandolfn) estará o chantageando para que atenda as suas ordens.

O roteiro novamente de Paulo Cursino (Fala Sério, Mãe!) usa o mesmo formato do anterior, que é usar o cenário atual da política como palco para seu enredo. Apesar de modificar alguns fatos reais, os personagens e o desenrolar das subtramas é facilmente associado ao que vemos todos os dias nos noticiários da TV.

Uma boa intenção, mas...  Em 2014 na última eleição para presidente, foi lançado a comedia O Candidato Honesto, que fazia uma sátira sobre o caráter dos políticos trazendo como protagonista um personagem que não conseguia mentir diante das câmeras.  Quatro anos depois as vésperas de uma nova eleição chega aos cinemas O Candidato Honesto 2, que aproveita a lava jato e seus desdobramentos para continuar criticando o atual cenário político nacional.   No filme João Ernesto (Leandro Hassum) após cumprir quatro anos dos seus quatrocentos anos de cadeia é convencido a se candidatar novamente à presidência. Adorado pelo povo por admitir publicamente seus erros, João é eleito, no entanto, sua vida no cargo não será nada fácil, já que seu vice Ivan Pires (Cassio Pandolfn) estará o chantageando para que atenda as suas ordens.  O roteiro novamente de Paulo Cursino (Fala Sério, Mãe!) usa o mesmo formato do anterior, que é usar o cenário atual da política como palco para seu enredo. Apesar de modificar alguns fatos reais, os personagens e o desenrolar das subtramas é facilmente associado ao que vemos todos os dias nos noticiários da TV.   A ideia como no primeiro filme é louvável, já que Cursino usa do humor como ferramenta para conscientizar o publico sobre fatos urgentes e importantes, mas o tom das piadas e principalmente o exagero de Leandro Hassum (Malasartes e o Duelo com a Morte) na interpretação acaba por tornar a tudo cansativo e repetitivo. É interessante que o roteiro faz piada sobre si mesmo, mas ainda assim a criatividade é praticamente nula na construção de situações cômica de fato.  Roberto Santucci (Um Suburbano Sortudo) voltando na direção do longa, faz uma condução burocrática, ainda que em determinados momentos existam boas referencias como a clássica cena de o Grande Ditador de Chaplin, Satucci deixa para que a tela seja preenchida em quase a totalidade pelo Hassum.  Vale elogiar o fato de o filme apontar sobre o golpe do impeachment e o caráter (duvidoso) dos atuais candidatos à presidência que estão na disputa. Vale saber se o público irá entender o recado que a história boba e cheia de piadas de mau gosto tem a oferecer em suas entrelinhas.  SINOPSE  Após cumprir quatro dos quatrocentos anos de cadeia, João Ernesto (Leandro Hassum) é convencido a se candidatar à presidência novamente. Adorado pelo povo por ser um político que assumiu seus erros, ele vence as eleições, mas não tem vida fácil em Brasília acompanhado excessivamente de perto pelo sinistro vice Ivan Pires (Cassio Pandolfh).  DIREÇÃO  FICHA TÉCNICA  Roteiro: Paulo Cursino Título Original: O Candidato Honesto 2 Gênero: Comédia Duração: 1h 38min Classificação etária: 10 Anos Lançamento: 30 de agosto de 2018 (Brasil)

A ideia como no primeiro filme é louvável, já que Cursino usa do humor como ferramenta para conscientizar o publico sobre fatos urgentes e importantes, mas o tom das piadas e principalmente o exagero de Leandro Hassum (Malasartes e o Duelo com a Morte) na interpretação acaba por tornar a tudo cansativo e repetitivo. É interessante que o roteiro faz piada sobre si mesmo, mas ainda assim a criatividade é praticamente nula na construção de situações cômica de fato.

Roberto Santucci (Um Suburbano Sortudo) voltando na direção do longa, faz uma condução burocrática, ainda que em determinados momentos existam boas referencias como a clássica cena de o Grande Ditador de Chaplin, Satucci deixa para que a tela seja preenchida em quase a totalidade pelo Hassum.

Vale elogiar o fato de o filme apontar sobre o golpe do impeachment e o caráter (duvidoso) dos atuais candidatos à presidência que estão na disputa. Vale saber se o público irá entender o recado que a história boba e cheia de piadas de mau gosto tem a oferecer em suas entrelinhas.

Pôster de divulgação: O Candidato Honesto 2

Pôster de divulgação: O Candidato Honesto 2

SINOPSE

Após cumprir quatro dos quatrocentos anos de cadeia, João Ernesto (Leandro Hassum) é convencido a se candidatar à presidência novamente. Adorado pelo povo por ser um político que assumiu seus erros, ele vence as eleições, mas não tem vida fácil em Brasília acompanhado excessivamente de perto pelo sinistro vice Ivan Pires (Cassio Pandolfh).

DIREÇÃO

Roberto Santucci Roberto Santucci

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Paulo Cursino
Título Original: O Candidato Honesto 2
Gênero: Comédia
Duração: 1h 38min
Classificação etária: 10 Anos
Lançamento: 30 de agosto de 2018 (Brasil)

Comente pelo Facebook