O SENHOR DOS ANÉIS: O RETORNO DO REI (Crítica)

O SENHOR DOS ANEIS O RETORNO DO REI

5estrelas

FICHA TÉCNICA

Título Original: The Lord of the Rings: The Return of the King
Ano do lançamento: 2003
Produção: EUA
Gênero: Aventura
Direção: Peter Jackson
Roteiro: Frances Walsh, Philippa Boyens e Peter Jackson, baseado em livro de J.R.R. Tolkien

Sinopse: Sauron planeja um grande ataque a Minas Tirith, capital de Gondor, o que faz com que Gandalf (Ian McKellen) e Pippin (Billy Boyd) partam para o local na intenção de ajudar a resistência. Um exército é reunido por Theoden (Bernard Hill) em Rohan, em mais uma tentativa de deter as forças de Sauron. Enquanto isso Frodo (Elijah Wood), Sam (Sean Astin) e Gollum (Andy Serkins) seguem sua viagem rumo à Montanha da Perdição, para destruir o Um Anel.

Por Douglas Müller

O SENHOR DOS ANEIS O RETORNO DO REI03

Chegou o fim de tudo. Como Bilbo Bolseiro cantava: “ Lá e de volta outra vez”, agora infelizmente é a nossa vez de retornarmos ao mundo real.

E mais uma maravilhosa trilogia chega ao fim. Temos agora o desfecho de uma saga recheada de personagens (um mais interessante do que o outro), drama, romance, ação e efeitos especiais, todos inseridos na medida correta. Um final muito esperado por todos, por aqueles que não leram o livro e querem saber como acaba a trilogia e aqueles que leram e querem saber como é o fim pela ótica de um diretor (Peter Jackson) que faz uma verdadeira homenagem a obra concebida por Tolkien.

Agora Frodo, Sam e Gollum (ou Smeagol se preferir) estão cada vez mais pertos de chegar ao seu destino, Mordor, muito embora não sabem os dois hobbits que Gollum planeja algo contra eles. Após ganharem a batalha contra Isengard e prenderem de uma vez por todas o mago Saruman em sua própria torre com a ajuda dos Ents, Merry e Pippim juntam-se novamente ao grupo de Gandalf, Aragorn, Legolas e Gimli e parte para Rohan novamente. Porém, após deixar a curiosidade tomar conta de si, Pippim segura a Palantir, uma espécie de Bola de Cristal mágica que faz contato diretamente com Sauron. Uma atitude irresponsável mas que acaba conferindo a Pippim a localização da próxima cidade que será ruínas nas mãos do exército de Sauron. Então, ele e Gandalf rumam em direção à Gondor para tentar evitar tal tragédia e Aragon, Légolas e Gimli tentam convencer, Théoden, o rei de Rohan, a procurar mais soldados para a batalha contra Sauron e seu exército.

O que já era tido como perfeição pelos primeiros capítulos da saga, extende-se aqui em um dos melhores desfechos da história do cinema. Efeitos especiais melhores, guerras mais elaboradas, coreografias de arrancar o fôlego e momentos particulares que serão eternizados pelo brilhantismo como foram abordados. É incrível ver um Smeagol mais perfeito do que em As Duas Torres, batalhas mais numéricas do que o anterior, trilha sonora de uma qualidade inquestionável. Entrando um pouco no quesito trilha sonora, temos cânticos neste último filme, que sempre foram abordados nos três livros mas foram utilizados somente aqui. A impressionante cena de Pippin cantando para o regente de Gondor, Denethor, enquanto seu filho que foi injustamente ignorado pelo pai e mandado pelo mesmo a morte certa, caminha com seu pouco exército para o vasto contingente de orcs que vêem em direção contrária. Uma cena muito bem realizada, pois contrasta a ação da guerra com a voz melodiosa de Pippim, sem fundo musical, melancólica, como aquele mesmo momento em que um filho sem nada mais a perder caminha em direção a morte a mando do pai, realmente tocante. Uma outra cena é a final quando Aragorn também expressa seus sentimentos através da música, menos impactante como o de Pippim, mas igualmente bela.

Temos grandes papéis neste longa. Uma mistura de sentimentos e ideologias que faz com que a trama seja ainda mais estonteante. Para citar exemplos temos várias figuras diferentes: O orgulho desmedido de Deneathor, a coragem sem limites de Éowyn, a persistência de Sam que nos momentos finais consegue surpreender à todos, deixando claro de uma vez por todas que o que Gandalf falava do coração e do sentimento dos Hobbits era verdade. O fato mais interessante é que o futuro do mundo, em um lugar com seres tão poderoso e malignos em busca de poder e morte, seja salvo principalmente por duas criaturinhas pequenas, sem nenhum poder, somente com garra e perseverança. Realmente um banho de água fria, algo que nos remete a uma lição que, não importa o tamanho do problema que tenhamos que enfrentar, se tivermos a ajuda de amigos que nos amam e acreditam no mesmo que nós, podemos conseguir tudo sem importar com tamanho e poder (figura de linguagem para os pobres, fracos e incapacitados por algum motivo) que os oponente possam ter. Realmente Frodo se concretiza e Sam se destaca pela atuação que foi brilhante.

O SENHOR DOS ANEIS O RETORNO DO REI02

Temos Gandalf, realizado com tanta perfeição que não tem como não caracterizá-lo como o personagem mais querido, sábio e poderoso. Um pilar que sustenta tudo e todos. E não é por menos, ele consegue persuadir a todos e corre para lá e para cá preparando as peças do xadrez para resistir e acabar com o exército de Sauron. E vê-lo lutando contra o exércio inimigo em Minas Tirith é algo que realmente faz os olhos brilharem. Realmente é o personagem centro da trama toda, sem sua inteligência, nada poderia ter dado certo, inclusive o filme.

Em outra mão temos Gollum, que como comentado anteriormente foi mais realista que no filme anterior e olha que já o tinha classificado como “perfeito”, mas ele tem um papel muito bem desenvolvido neste filme. Podemos ver em seus olhos a malícia e o ódio pelos hobbits e a tentativa de jogar Frodo contra Sam o tempo todo e claramente a sua expressão de desespero por tentar possuir o anel, sendo um dos personagens mais influenciados pelo mesmo. Uma ótima atuação, sendo melhor ainda se considerarmos que foi feito por computação e obviamente com a captura de movimentos de Andy Serkis. Como já comentei, os dois exemplares anteriores começam contando eventos anteriores como forma de explicação para o que virá a seguir na projeção e aqui não é diferente. O filme abre contando a história de Gollum, ou Smeagol como era chamado quando era ainda um hobbit. Uma cena incrivelmente bem feita, contrapondo com todo o resto do filme por ser utilizada cores claras e fortes, revelando momentos de alegria, momentos em que o anel estava esquecido ,não fazendo nenhum tipo de influencia. Até que Digol, o amigo de Smeagol o acha e então além de podermos ver Smeagol como um hobbit e vermos de quebra a atuação do próprio Andy Serkis, conferimos o começo de tudo, da obsseção pelo Um Anel e a transformação de um hobbit na criatura que se tornou posteriormente.

Como também foi pauta de discussão na crítica do filme anterior, é espantoso ver como o diretor consegue ser magistral em diferentes momentos. Se por um lado temos momentos de lutas tão bem feitos, com efeitos especiais, maquiagem e uma coreografia sensacional, como os trolls invadindo e quebrando os portões de Minas Tirith que é simplesmente surreal, por outro lado temos momentos de “pause e reflexão” que são tão mágicos e perfeitos como as lutas. Mas claro que aqui o que vale é a atuação, como o momento durante a guerra em Minas Tirith onde Pippim pergunta para Gandalf: “Este é o fim?” e Gandalf responde: “Fim? Não, a jornada não acaba aqui. A morte é somente mais um passo. Um que todos nós devemos tomar. Ergue-se a grande cortina cinza desse mundo e tudo se transforma em vidro prateado. E então você vê. Praias brancas e além, um longínquo campo verde sob um rápido nascer do sol.”. Pippim então exclama: “Bem, não é tão ruim assim, então.”e Gandalf conclui com um sorriso: “Não. Não é.” Algo que marcou para mim tanto quanto as sensacionais guerras, pois é um momento de reflexão no meio de toda a conturbação que se sucede, seguindo por uma trilha calma e emocionante. Um outro momento épico que ficará registrada para sempre é quando Aragorn está com o grupo no ato final, em frente ao portão de Mordor para tentar ajudar Frodo e Sam, desvirtuando a atenção do Olho de Sauron para eles. Aragorn é chamado pelo Olho, avança um pouco com um olhar penetrante o que momentaneamente causa indagações em Gandalf, Légolas, Gimli e o que restou do exército de Minas Tirith. Então, ao virar novamente para seus amigos com os olhos cheios de lágrimas e com um sorriso, diz: “Por Frodo” e avança contra o exército remanescente de Mordor, fazendo todos seus amigos fazerem o mesmo e com o mesmo vigor, seguido por uma trilha que arrepia somente de me lembrar desta cena.

Com uma bela e extraordinária fotografia e tomadas aéreas tão bem executadas, como no momento da Guerra de Minas Tirith e mais ainda na parte das tochas sendo acessas nas mais diversas cidades espalhadas, como também um final digno que faz jus a todo o excelente trabalho executado por Peter Jackson e toda a sua equipe, incluindo TODOS os atores que fizeram um trabalho não só incrível, mas também inesquecível. Assim, é com profundo pesar que nos despedimos de uma saga repleta de magia e encanto. Uma homenagem que se iniciou com chave de ouro, se desenvolveu no mesmo nível e teve seu fechamento do melhor jeito que poderia ser realizado. Uma perda pra todos nós, mas que, certamente ficará em nossos corações e prateleiras para sempre. Assim, sempre que sentirmos saudades, podemos revê-los e apreciá-los quantas vezes quisermos.

O SENHOR DOS ANEIS O RETORNO DO REI01

PRÊMIOS

OSCAR
Ganhou: Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Som, Melhor Efeitos Especiais, Melhor Trilha Sonora, Melhor Canção Original (“Into the West”), Melhor Maquiage, Melhor Edição, Melhor Figurino e Melhor Direção de Arte

GLOBO DE OURO
Ganhou: Melhor Filme – Drama, Melhor Diretor, Melhor Trilha Sonora, Melhor Canção Original (“Into the West”)

BAFTA
Ganhou: Melhor Filme, Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Fotografia e Melhor Efeitos Especiais

Indicações: Melhor Diretor, Melhor Ator Coadjuvante (Ian McKellen), Melhor Trilha Sonora, Melhor Figurino, Melhor Edição, Melhor Maquiagem, Melhor Desenho de Produção e Melhor Som

MTV MOVIE AWARDS
Ganhou: Melhor Filme e Melhor Cena de Ação (batalha de Gondor)

TRAILER

Comente pelo Facebook