O VOO (Crítica)

O VOO

Uma “viagem” que deveria ser somente intimista, mas…

O diretor Robert Zemeckis responsável pelos sensíveis e inesquecíveis o Náufrago e Forrest Gump – O Contador de Histórias, ficou muitos anos se dedicando somente a filmes em animação, só agora, depois de grande hiato, ele volta a fazer filme em live action e novamente tenta decifrar a mente de uma pessoa isolada, mas dessa vez o “isolamento” é devido ao alcoolismo.

No filme conhecemos Whip Whitaker (Denzel Washington) um veterano piloto de avião que após uma noitada regata a sexo, bebidas e drogas volta ao trabalho onde precisa levar o avião com 102 passageiros para Atlanta. Além das condições climáticas adversas, os defeitos mecânicos da aeronave ele ainda terá que superar seu estado físico debilitado quando o avião perde um dos controles e se encontra em queda livre.

Quase por um milagre o acidente só tirou a vida de 6 pessoas, o que inicialmente foi considerado pela sociedade e pela imprensa um ato de heroísmo, aos poucos quando começaram as investigações sobre o caso se tornou um caso de negligencia e Whip se torna o vilão nacional.

Sem conseguir manter o controle da situação, Whip se isola em sua chácara, mas o vicio pelo álcool o afunda ainda mais na lama. E então fica a pergunta, Whip é um vilão ou um herói? Ele deve expor sua doença em rede nacional e buscar tratamento ou aceitar a ajuda da cia em que trabalha para mentir sobre o caso e fugir das devidas penas?

O roteiro busca de forma intimista responder essas e outras perguntas para esse caso que aconteceu de fato nos EUA e que se tornou famoso já que dividiu a opinião público. Zemeckis nos coloca dentro da mente de Whip afim de entender o que poderia levar um homem bem sucedido financeiramente, com uma bela família a se tornar um alcoólatra.

Vale destacar ainda que o roteiro não julga o personagem principal, ele somente expõe os fatos deixando para o público ser o juiz do caso. Essa escolha se mostra perfeita para tornar o filme relevante.

VOO02

O problema do roteiro acontece, quando John Gatins (o roteirista) amplia sua visão e agrega subtramas que não se mostram tão importantes para o tema central – essa formula cabe mais em série ou até novelas brasileiras. Tanto é que no terceiro ato quando, de fato, o filme foca somente o caso de Whip, a projeção se torna mais agradável e nos conecta mais com os acontecimentos.

O diretor Robert Zemeckis consegue novamente mostrar sua sensibilidade ao expor o intimo do ser humano e extrai de Denzel Washington uma bela interpretação, que diferente do que ouvi por ai, é forte, comovente e de encher os olhos. O modo como os acontecimentos negativos vão colocando seu personagem cada vez mais no fundo do poço é perfeitamente bem composto pelo ator, posso até concordar que é um exagero sua indicação ao Oscar desse ano, mas fica longe de ser algo ruim.

Apesar do roteiro defeituoso Zemeckis consegue um bom ritmo para a narrativa do filme. Sua direção se destaca durante toda a sequencia da queda do avião que é perfeitamente bem construída e o já citado terceiro ato, onde acontece clímax final do longa.

Mas o grande destaque de todo o filme se encontra na trilha sonora que é um caso a parte – me lembrou os filmes de Tarantino. Zemeckis escolheu a dedo as melhores canções para pontuar momentos chaves no filme, fato que além de auxiliar na narrativa conseguiu equilibrar o dinamismo da trama. É um verdadeiro show de bom gosto e de escolhas perfeitas.

Mesmo com defeitos no roteiro e por apresentar uma história que parece já ter sido contada outras vezes, o filme apresenta elementos que o tornam relevantes e que por isso vale a pena ser conferido.

DESTAQUE

Para a discreta, mas fundamental montagem do longa, pois é ela a responsável por conseguir manter o interesse no longa, mesmo com o roteiro que mais parece uma série de TV.

SINOPSE

Whip (Denzel Washington) é um piloto de aviação comercial que, com a queda iminente de um avião, assume o comando e consegue salvá-lo com danos mínimos. Logo ele se torna um herói nacional, mas uma investigação interna revela que ele estava voando sob o efeito de drogas e álcool. Tendo consciência disto, Whip não se sente bem com todas as homenagens que recebe, por não se considerar merecedor delas.

VOO01

ELENCO

[do action=”cast” descricao=”Denzel Washington (Whip Whitaker)” espaco=”br”]Denzel Washington[/do]

DIREÇÃO

[do action=”cast” descricao=”Robert Zemeckis” espaco=”br”]Robert Zemeckis[/do]

FICHA TÉCNICA

Roteiro: John Gatins
Título Original: Flight
Gênero: Drama
Duração: 2h 18min
Ano de lançamento: 2013
Classificação etária: 14 Anos

TRAILER

3estrelas

Comente pelo Facebook