OS DEZ MANDAMENTOS – O FILME (Crítica)

POSTER_OS_DEZ_MANDAMENTOS6 (1)

1estrela

Por Kadu Silva

“Desculpa Senhor, eles não sabem o que fazem”

Os Dez Mandamentos03

Numa crítica a pouco tempo, citei sobre o fato de a diversidade de gêneros no cinema nacional ser importante para seu crescimento, como disse, só assim podemos ampliar o público e tornar a indústria cinematográfica forte, frente, principalmente a consagrada norte-americana. Se podemos dizer que Os Dez Mandamentos tem algo relevante é pelo fato dele ser um filme nacional com viés épico narrando uma história bíblica, para quem conhece um pouco do livro sagrado, sabe como são difíceis a reprodução de algumas passagens ali citadas, no entanto, essa produção não foi pensada para o cinema e sim para um formato de novela, o que tornou sua adaptação algo terrível de acompanhar.

Para quem não tem muita familiaridade com a parte técnica, vou tentar explicar de forma simples a diferença, de um texto para uma novela e um, para cinema. Numa novela, os roteiristas, escritores, podem narrar de forma mais cadenciada (lenta) uma trama, afinal a história será dívida em capítulos. Já no cinema, por ser algo curto de algumas horas, a narrativa precisa ter outro ritmo, para que o espectador consiga acompanhar a história sem perder o interesse. De forma bem resumida, é isso. O grande “problema” de Os Dez Mandamentos é que o filme para se adaptar ao formato cinematográfico, se tornou um videoclipe com canções sacras, o personagem de Sidney Sampaio narra a história e as imagens são mostrada em câmera lenta com um som de fundo em quase toda a sua projeção, é algo, que faz a bela história perder todo seu caráter emotivo, já que os diálogos tão marcantes da história original acontecem de forma abrupta, com cortes secos.

Se não bastasse isso, a produção vem gerando uma série de notícias em torno de seu lançamento. O primeiro é que o filme se tornou a produção que mais vendeu ingressos de forma antecipada no Brasil, isso tanto para longas nacionais como internacionais, foram mais de 2,5 milhões de ingressos. Para se ter uma noção do que isso representa, o segundo filme com mais vendas, chegou a 645 mil ingressos, para o filme A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2. Com isso, começou a correr na mídia que essa venda fora do normal está ocorrendo porque a igreja Universal, vem solicitando para seus fiéis nos cultos, que comprem os ingressos e vejam o filme, e para quem não tiver dinheiro, que os fiéis doem dinheiro para a igreja comprar e distribuir (verdade? Não sei). Um fato que posso dizer porque testemunhei é que hoje no dia de seu lançamento estive numa sala com mais ou menos 10 pessoas, no entanto no terminal eletrônico do cinema que fui, tinha poucas cadeiras disponível. O que só reforça que algo estranho acontece ai.

Essa saga já foi contada inúmeras vezes, a animação, Príncipe do Egito, talvez seja a adaptação mais interessante, mas para quem ainda não conhece um pouco da história, ela retrata a trajetória épica de Moisés, desde o seu nascimento, até a sua chegada à Terra Prometida, passando pelo importante momento no Egito e o encontro com Deus no monte Sinai.

Os Dez Mandamentos01

O roteiro é de Vivian de Oliveira e a direção é de Alexandre Avancini, “estreando” no cinema. Como já citei o filme não consegue uma harmonia narrativa, mesmo Vivian tendo uma solução inteligente para mostrar os principais acontecimentos da trama, através da narração em off, o grande problema é que esse recurso ocorre em excesso, se torna cansativo e fica difícil se identificar com os personagens que aparecem e somem sem explicação, é necessário um conhecimento prévio para não ficar ainda mais traumática a experiência de assistir ao filme.

Tecnicamente o longa também peca em vários aspectos, primeiro as imagens não estão em película (imagem de cinema), foi colocado um tipo de filtro que engana quem não conhece, ou seja, para uma história épica, isso prejudica bastante. A maquiagem é muito fraca, existe passagem de tempo e alguns personagens permanecem com a mesma aparência, Moises anda dias pelo deserto e chega com a pele quase normal a seu destino, e assim vai. As locações também apresentam problemas, mas nem todas, há boas cenas no decorrer a projeção, no entanto, os efeitos visuais são bem fracos e nessa história, isso é algo imperdoável. É facilmente identificado o uso de computação gráfica, e isso torna patético a intenção de reproduzir certas cenas, o auge acontece durante as pragas do Egito é lastimável visualmente, o melhor momento, sem dúvida é durante a abertura do mar Vermelho.

Também pela adaptação, as atuações de boa parte do elenco se tornaram extremamente prejudicadas, – não poderia citar alguém que se salvou e sim cenas que foram bem realizadas nesse aspecto e nada mais.

Entretanto o mais grave de tudo isso, é saber que os fundamentalistas religiosos estão tentando usar o mágico e sagrado cinema para mostrar que são fortes e representativos em seu discurso, diante da sociedade como o todo. O Estado Islâmico também faz algo semelhante, a diferença está na forma #presteatenção.

Se Os Dez Mandamentos fosse realizado somente como forma de arte, e para dialogar com o público, seria algo que merecia nossa atenção e respeito, mas com o fim que se pretende com tal produção é triste e preocupante. Certamente Deus não deve estar se agradando de seu nome estar sendo usado em vão.

Os Dez Mandamentos é fraco em todos os seus aspectos cinematográficos, independentemente de sua tentativa ideológica, portanto, fica por sua conta e risco, usar o seu dinheiro para algo que não merece atenção e muito menos o seu respeito.

Os Dez Mandamentos02

SINOPSE

Acolhido pela filha do faraó ainda bebê, Moisés cresce como príncipe do Egito, mas volta-se contra sua família adotiva em favor do sofrido povo de Israel, que por ele deverá ser conduzido à libertação. Adaptação cinematográfica baseada na Bíblia e na novela homônima da Rede Record, um dos maiores fenômenos de audiência dos últimos tempos da televisão brasileira.

DIREÇÃO

[do action=”cast” descricao=”Alexandre Avancini” espaco=”br”]Alexandre Avancini[/do]

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Vivian de Oliveira
Título Original: Os Dez Mandamentos – O Filme
Gênero: Drama, Épico, Histórico
Duração: 1h 50min
Ano de lançamento: 2016
Classificação etária: 12 Anos
Lançamento: 28 de janeiro de 2016 (Brasil)

TRAILER

Comente pelo Facebook

5 Comentários

  1. Taelesym

    A única coisa que eu digo sobre essa produção é que os moradores do Egito estavam todos com vitiligo …

  2. Eduardo Preto

    Filme limitado para público limitado.

  3. Carol

    O cinema brasileiro agonizando cada vez mais, e os fiéis-zumbis da igreja universal contribuindo epicamente para esse feito histórico que é a derrocada final… se havia alguma pá de cal a ser lançada no cinema nacional, ela veio com requintes de puro vexame na forma de um lixo novelístico feito na medida para fanáticos religiosos dementados.

  4. MB

    Ninguém foi ver esse filme pensando… bem, no filme. Foram pra ajudar a igreja, foram porque viram a novela, foram porque os amigos falaram que iam e porque o pastor falou que levaria ao céu. O negócio é o seguinte, acho triste o fato de você ter ido assistir, e mais triste ainda você ter feito uma crítica como se “isso” fosse realmente um filme.
    Só pelo trailer já se percebe como os efeitos são fracos, como algumas atuações são medíocres, mesmas características apresentadas na questão do cenário. O filme poderia muito bem ter sido feito inteiro na mesma sala, com tela verde e alguns outros objetos de frente.
    Isso não é um filme. Isso é lucrar com a burrice dos outros.
    Com todo respeito, claro.