OS FILHOS DA MEIA-NOITE (Crítica)

OS FILHOS DA MEIA-NOITE

3estrelas

Por Pedro Vieira

OS FILHOS DA MEIA-NOITE01

Se há um limite para se usar das coincidências como elemento narrativo, o longa indiano “Os Filhos da Meia-Noite” (Midnight’s Children), baseado no romance de Salman Rushdie, ultrapassa esse limite. Não que isso seja de todo ruim, na verdade, uma das graças do filme está em perceber como todas essas coincidências se reúnem de forma sólida, mesmo que isso signifique fazer a história cair na previsibilidade.

O ponto principal da narrativa já é iniciado por uma grande coincidência: dois bebês nascidos na meia-noite de 15 de agosto de 1947 (dia em que a Índia conquistou sua independência), um vindo de família rica e outro de uma família pobre, são trocados propositalmente por uma enfermeira no hospital, fazendo com que um viva a vida destinada ao outro. Dizer que ambas as famílias já se conheciam antes disso é só adentrar mais na questão do acaso.

Embora os dois bebês citados tenham papel importante na história, ela segue preferencialmente o ponto de vista de Saleem (Satya Bhabha), o garoto pobre que se torna rico e que descobre possuir o interessante poder de se comunicar com outras crianças nascidas naquela noite – crianças essas que também possuem poderes. Saleem se vê obrigado a agir como um líder desse grupo de pessoas, ao mesmo tempo em que se envolve em embates políticos em seu país.

A partir daí não é difícil adivinhar o que vem em seguida. Mesmo que o filme de alguns golpes de surpresa no espectador, toda a trama contata pode ser facilmente deduzida até o final. O elemento do misticismo, apesar de inicialmente parecer estranho ao público, se torna crucial para o desenvolvimento do filme, hora criando problemas, hora solucionando-os.

OS FILHOS DA MEIA-NOITE02

O grupo de crianças poderosas não se trata, porém, de uma espécie de time de super-heróis indianos, que saem por ai salvando o mundo como pode se imaginar logo de início. Muito pelo contrário: é um grupo que fica bem contido, não buscando chamar a atenção dos demais para os dons que possuem – algo que se aproxima do universo em que se encontram.

Como é comum nos filmes indianos, “Os Filhos da Meia-Noite” apresenta um visual deslumbrante a partir de belos planos que exibem a Índia por diversos pontos de vistas: desde as grandes mansões dos mais ricos, até a favela dos pobres.

O drama excessivo e o romance também é outro ponto muito comum nesse tipo de produção, e aqui ele não deixa de dar as caras. Praticamente todas as ações dos personagens são guiadas pelo sentimento do amor – com raras exceções no que se diz respeito daqueles que se mostram como antagonistas da história. Isso tudo traz a impressão de se ver uma espécie de novelão cinematográfico.

Exige-se assim que a maioria dos atores passe o filme chorando pelos seus amados, ou que façam cara de bobos quando os veem. Desse modo, certos coadjuvantes acabam se destacando mais que os próprios protagonistas. É o caso de Mary, a enfermeira que troca as crianças na maternidade, tornando-se babá de uma delas e é muito bem encarnada pela atriz Seema Biswas. Sendo uma personagem crucial, mas com pouca presença em tela, ela traz os momentos mais emocionantes vindo de suas escolhas e de seu modo de agir diante das aflições.

Mas além de toda a sua dramaticidade, a trama apresenta um belo panorama da história da Índia. Tem se até mesmo, em alguns momentos, a sensação de se estar vendo um documentário – algo reforçado pela narração do protagonista durante todo o filme. Tal artifício, curioso no começo, acaba por se adequar bem a proposta da história, e dando uma característica diferente a um filme (quase) tipicamente indiano.

A estreia de “Os Filhos da Meia-Noite” acontece no dia 22 de novembro.

OS FILHOS DA MEIA-NOITE03

SINOPSE

Em 15 de agosto de 1947, a Índia conquistou a sua independência. Neste exato momento, à meia-noite, nasceram duas crianças em uma maternidade. No entanto, uma enfermeira decidiu trocá-los: Saleem, filho indesejado de uma mãe pobre, foi criado no lugar de Shiva, o filho biológico de um casal rico. A história dos dois garotos será para sempre ligada ao destino político do país, principalmente quando a Índia entra em guerra, e eles se encontram em lados opostos na batalha.

DIREÇÃO

  • Deepa Mehta Deepa Mehta

  • FICHA TÉCNICA

    Roteiro: Hilton Lacerda
    Título Original: Midnight’s Children
    Gênero: Drama
    Duração: 2h 26min
    Ano de lançamento: 2013
    Classificação etária: 14 anos

    TRAILER

    Comente pelo Facebook