Pedro e Inês (Crítica)

Kadu Silva

Um olhar espiritual a uma famosa história portuguesa

Dom Pedro I foi apresentado a sua futura mulher e junto dela estava Inês, uma dama de companhia que despertou no monarca sentimos incontroláveis. Ele acabou tendo um caso extraconjugal com ela, mas o Rei, pai de Dom Pedro I descobriu e mandou mata-la. Quando se tornou rei, Dom Pedro I foi atrás dos assassinos e arrancou o coração deles para se “vingar” da perda de sua amada. Um roteiro shakespeariano que o diretor Antonio Fereira usa como linha conduta de seu longa Pedro e Inês.

No filme que se passa em três períodos Pedro (Diogo Amaral) e Inês (Joana de Verona), vivem romances marcados por tragédia. Tudo começa quando Pedro internado em um hospital psiquiátrico por dirigir com o cadáver de sua amada começa a tentar entender mentalmente em vidas passadas o que o levou a um momento tão cruel.

O roteiro também de Antonio Fereira é aberto a diversas interpretações, em conversa comigo, ele disse que uma das ideias era mostrar que nossas almas estão numa espécie de maquina quântica onde o passado, o presente e o futuro fazem parte de um só momento, quando vista de longe.

Pedro e Inês (Crítica)

O filme mostra o Pedro e a Inês na Idade Média, até o presente e ainda num futuro distópico, o grande problema é que essa longa narrativa que vai e volta de diversos momentos não é algo orgânico no filme, ainda que seja possível notar uma linha reta dos acontecimentos, muitos dos momentos em que se passa a história destoam demais um do outro. Para isso o diretor comentou que a ideia é que os atores interpretassem uma só história, apenas com figurinos e cenários distintos.

Toda essa concepção só é possível sentir e embarcar na ideia de Antonio se você “comprar” a esse formato da narrativa, por isso, quem tiver um background no espiritismo deve conseguir se identificar mais facilmente com a trama.

Apesar de ser um romance dramático, existe espaço também para mostrar o lado político de Portugal, foi o autoritarismo do poder político em alguns momentos que influenciou o futuro do casal.

Pedro e Inês é um filme que somente embarcando na ideia (excêntrica) para emergir em seu enredo.

Pôster de divulgação: Pedro e Inês

Pôster de divulgação: Pedro e Inês

SINOPSE

Internado em um hospital psiquiátrico por dirigir com o cadáver de sua amada na intenção de transformá-la em uma rainha depois de morta, Pedro (Diogo Amaral) começa a recordar os acontecimentos de suas vidas passadas junto a Inês (Joana de Verona). Deslumbrado, ele descobre como foram todas as suas existências, que passam da Idade Média, até o presente e um futuro distópico.

DIREÇÃO

Antonio Fereira Antonio Fereira

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Antonio Fereira
Título Original: Pedro e Inês, o Amor Não Descansa
Gênero: Drama, Romance
Duração: 2h 0min
Classificação etária: 14 Anos
Lançamento: em breve (Brasil)

Comente pelo Facebook