Porque assistir a série Westworld?

Igor Pinheiro

Eu sei que não é fácil começar uma nova série no mundo dos viciados em série, e que saiu a temporada nova de Black Mirror e só se fala disso, e que novembro está chegando com Gilmore Girls, 3% e mais algumas séries bem esperadas. Mas eu preciso parar tudo isso (sim, até Black Mirror) para perguntar, leitor, se você já assistiu Westworld? Não? Então vamos conversar…

Westworld é a nova série da HBO, baseada no filme de mesmo nome de 1973 (você pode ler sobre ele aqui no Ccine10). Criada pelo casal Jonatha Nolan (irmão do Christopher) e Lisa Joy, a trama é ambientada num futuro não muito distante, onde os humanos podem se divertir em um “parque de diversões” de “realidade alternativa” de velho oeste, onde convivem com os chamados Anfitriões, robôs super sofisticados com inteligência artificial, que seguindo um roteiro, podem levar os visitates do parque a diversas aventuras. E é claro que a inteligência artificial começa a falhar, ou a dar certo demais, e é aí que a série começa a acontecer.

Acompanhamos ao mesmo tempo a narrativa dentro do parque e a das pessoas que o controlam. Criam roteiros, reparam os robôs de todas as maneiras, enfim… Diversas equipes responsáveis pela manutenção do parque. E através de uma história que poderia ser bastante clichê, a série nos leva para pensamentos filosóficos sobre o humano brincar de Deus e como realmente somos em um mundo em que você pode fazer o que quiser. Indo mais além, questionamos também quem somos e por que somos. Outro dia me peguei lendo um artigo sobre alguns teóricos que acreditam que nós não vivemos na verdadeira realidade, que estamos em uma dimensão criada por outros humanos ou seres, enfim… É pra esse tipo de pensamento que Westworld te leva, te deixando um pouco triste por ser humano depois do fim de cada episódio.

Outro ponto curioso é o roteiro ser tão desenvolvido a ponto de você se apegar aos anfitriões, mesmo que não sejam pessoas de verdade e não tenham noção do que estão fazendo. Não sei mais viver sem Dolores e Maeve, de verdade. E tem mistério, muito mistério, porque tem o J.J. Abrams envolvido (tudo bem que ele não sabe terminar as próprias séries, mas consegue começá-las como ninguém) e porque tem personagens misteriosos, tipo o visitante vivido pelo Ed Harris, que tem um passe especial e fica o tempo todo no parque tentando investigar os robôs dentro do mundo “fictício”.

Sim, a série tem o Ed Harris, e o Anthony Hopkins, e o Rodrigo Santoro, e a Evan Rachel Wood beirando a perfeição (ai, Dolores). Thandie Newton, Jeffrey Wright, James Marsden, Jimmi Simpson e mais um monte de gente boa trabalhando muito bem para trazer essa nova e linda série que a HBO quer emplacar como a nova Game of Thrones, e espero que dê certo. Ah, e eles ainda conseguem adaptar e emplacar algumas canções como Painted In Black e No Surprises dentro do universo do velho oeste, fica ótimo.

Já tenho minhas teorias, personagens favoritos e gente que eu quero que morra. Só não falo que não me envolvo com uma série assim desde Lost porque ainda estamos muito no começo, mas o caminho é esse. E você, leitor, corre pra conferir porque o quinto episódio já vai ao ar no próximo domingo, dia 30. Depois vem comentar aqui sua teoria…

Comente pelo Facebook