SE PUDER… DIRIJA! 3D (Crítica)

SE PUDER DIRIJA

2estrelas

Por Emílio Faustino

Antes de começar esta crítica, quero comentar sobre a minha dificuldade para escrever a mesma. Sim… Porque era mais fácil escrever quando eu morava no interior de São Paulo e havia um certo distanciamento dos envolvidos. (O que por um lado é bom porque se pode fazer uma crítica mais imparcial, mas por outro é ruim, porque se perde a oportunidade de ouvir os argumentos de quem fez o filme).

Esse lance de ver o filme, logo em seguida olhar nos olhos do elenco, falar com diretor, ver quanta gente esta envolvida no projeto meio que nos faz repensar várias vezes na hora de escrever a crítica. Mas não tem jeito… Quando o filme não agrada, o que se pode fazer?!

Vamos à crítica…

SE PUDER02

Poderia ser uma comédia como outra qualquer, mas não é. O longa de “Se puder… Dirija”, conseguiu a proeza de entrar para a história do cinema nacional sendo o primeiro filme Brasileiro exibido em 3D.

E aí vocês vão me perguntar: “O 3D do filme funciona?”.

Resposta: Sim, funciona, mas não impressiona.

Não que ele deixe algo a desejar aos blockbusters hollywoodianos, pelo contrário, dentro do que o filme apresenta o 3D é bem executado. Mas para quem esta acostumado a associar 3D a cenas de explosões e efeitos especiais, o filme pode reservar algumas decepções.

Agora se a pergunta fosse: “O 3D do filme acrescenta alguma coisa a história?”, a minha resposta seria um claro e sonoro: “NÃO”. Afinal, o filme não precisa de 3D para ter graça, aliás, nem mesmo com o 3D a risada vem fácil.

Deu pra contar nos dedos de uma mão a quantidade de vezes que o público do cinema esboçou alguma reação às cenas. (Ok, na ocasião o filme era visto por jornalistas e críticos de cinema, um público um pouco mais exigente que a média). Mas mesmo assim, quando a comédia é boa, as risadas do público são mera consequência.

Ou seja, o 3D é um capricho do filme, uma espécie de armadilha para atrair público e tornar o filme mais rentável. Digo isso, porque eu (Emílio Faustino) não vi nada na história que justifique o uso do 3D. Para o diretor, o 3D ajuda o telespectador a se sentir dentro das cenas, uma vez que a maior parte do filme se passa dentro do carro, mas isso me pareceu mais uma desculpa do que propriamente uma justificativa.

SE PUDER03

Agora vamos à história que pode ser resumida em poucas palavras, até porque não se trata de um filme complexo, mas até ai tudo bem, é uma comédia a gente releva.

João (Luis Fernando Guimarães) trabalha como manobrista de estacionamento, está separado de Ana (Lavínia Vlasak) e virou pai ausente de Quinho (Gabriel Palhares). Infeliz no amor e na família, ele quer reverter esse cenário e promete para a ex que irá passar um dia daqueles com o filhão. Para isso, ele resolve pegar “emprestado” o carro de uma fiel cliente (Bárbara Paz) do estacionamento onde trabalha com Ednelson (Leandro Hassum). O problema é que a saidinha simples acabou virando uma complicada aventura. Agora, João precisa devolver o carro antes que sua dona descubra que seu carro saiu para “passear” com outro motorista.

Familiar, não?! O que vemos na telona do cinema é a mesma fórmula de filmes como: “Se beber não case”, “O Concurso”, sendo reproduzidas. Onde existe um objetivo estabelecido, mas para tanto o personagem passa por várias situações inusitadas.

Pode não ser o roteiro mais original, ser um filme altamente previsível, mas tem seus momentos bons, raros mais tem. Destaque para o ator Leandro Hassum, que consegue tirar mais risadas do público que o próprio Luis Fernando Guirmarães. E para o ator mirim Gabriel Palhares que desempenha muito bem a função de ser: fofo.

Sobre o tipo de humor do filme, eu vou ter que contrariar a opinião do elenco e do diretor que acreditam terem feito um filme “profundo” e com piadas “que não são apelativas”. Ao menos em algum momento da cobertura do filme eu ri (Por dentro é claro, em respeito aos envolvidos).

Não… Definitivamente o filme não é profundo, ele pode não apelar para cenas de sexo e palavrões, mas apela para piadinhas de cunho nojento. (Leia-se: flatulências, vômito, caganeira e como se não bastasse tudo isso, ainda rola uma lavagem estomacal).

Nossa que divertido… Só que não.

De qualquer forma, comédia é um gênero de filme complicado de comentar, porque o que pode ser engraçado para mim, pode não ser pra você e vice e versa. Tendo isso em mente, eu convido a todos para irem ao cinema e tirarem as suas próprias conclusões. E na dúvida entre ver a cópia em 2D ou 3D, meu conselho: vejam em 2D.

Pior do que ver uma comédia que não tem graça, é ver uma comédia que não tem graça em três dimensões.

SE PUDER01

SINOPSE

João (Luis Fernando Guimarães) trabalha como manobrista de estacionamento, está separado de Ana (Lavínia Vlasak) e virou pai ausente de Quinho (Gabriel Palhares). Infeliz no amor e na família, ele quer reverter esse cenário e promete para a ex que irá passar um dia daqueles com o filhão. Para isso, ele resolve pegar “emprestado” o carro de uma fiel cliente (Bárbara Paz) do estacionamento onde trabalha com Ednelson (Leandro Hassum). O problema é que a saidinha simples acabou virando uma complicada aventura. Agora, João precisa devolver o carro antes que sua dona descubra que seu carro saiu para “passear” com outro motorista, mas a tarefa não vai ser nada fácil para eles.

DIREÇÃO

[do action=”cast” descricao=”Paulo Fontenelle” espaco=”br”]Paulo Fontenelle[/do]

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Paulo Fontenelle
Título Original: Se Puder… Dirija!
Gênero: Comedia
Duração: 1h 32min
Ano de lançamento: 2013
Classificação etária: 16 Anos

TRAILER

Comente pelo Facebook