SOBRE VIAGENS E AMORES (Crítica)

Kadu Silva

Permita-se

O público em geral está acostumado a se interessar por história complexas, mirabolantes e muitas vezes bem fora da realidade, por isso, narrar um enredo simples e ainda assim conseguir tocar o espectador é uma das tarefas das mais complexas no mundo da sétima arte. O cineasta italiano Gabriele Muccino (À Procura da Felicidade) mais uma vez acerta em uma obra que apresenta esse víeis, no simples, delicado e profundo Sobre Viagens e Amores.

Trata-se de uma história que pode estar acontecendo aí do seu lado, dois desconhecidos italianos Maria (Matilda Anna Ingrid Lutz) e Marco (Brando Pacitto) que tinha um amigo em comum, viajam para São Francisco, nos Estados Unidos para passar uma temporada na casa de um casal, que eles descobrem ao chegar que era de gays, Paul (Joseph Haro) e Matt (Taylor Frey). Os italianos se espantam de início, pela liberdade amorosa dos dois homens, mas aos poucos esse desconforto vai sumindo e a relação de amizade entre os quatro jovens se torna intensa, fazendo que cada um aprenda algo, que talvez essa aproximação jamais trouxesse.

O roteiro de Muccino usa a perspectiva do personagem Marco para narrar a trama e por isso faz uso em grande parte do filme da narração em off, mas não para explicar a história e sim para complementar o arco dramático. Diversos temas são mostrados sem que isso seja explicito ou com um peso maior do que deveria ser, como a relação homoafetiva e como ela surgiu, a primeira vez da garota, as descobertas sentimentais, a coragem de mudar o que aparentemente está dando certo enfim, são vários pontos mostrado através de uma trama que não tem um clímax propriamente dito, tudo surge num cotidiano “comum” de 4 pessoas que por alguns dias estão morando e se divertindo juntas.

Um “problema” do roteiro é o desiquilíbrio no espaço narrativo do casal hetero em relação ao homo, ainda que como já foi citado a perspectiva da trama seja pelo olhar do Marco, o hetero da história. O relato do casal gay é muito mais interessante e instigante que a do casal hetero, o filme cresce e muito quando o foco mostra como se deu o início da relação deles, no entanto o casal hetero é muito mais carismático.

Algo interessante na trama é o “choque” cultural entre os italianos e os norte-americanos, pois é através desse estranhamento entre eles que Muccino consegue mostrar que as vezes é preciso conhecer o novo para saber que somos todos iguais, mesmo que um seja de um pais e de uma cultural totalmente diferente da sua, os dramas, os medos, as vontades são todas naturais dos seres humanos e por isso podem afastar ou aproximar as pessoas.

O tom simplista e até em alguns momentos naturalista da trama faz o espectador praticamente se sentir parte da história, o que causa ao final do filme o gostinho de quero mais. Esse resultado não seria tão contundente se o elenco não tivesse tão afinado, todos estão muito bem em seus papeis, mas o casal italiano Matilda Ana Ingrid Lutz e o Brando Pacitto são extremamente apaixonante e faz a plateia até o último instante torcer por eles.

Em suma, permita-se ao simples e marcantes momentos da vida, eles são muitas vezes os maiores responsáveis pelo crescimento pessoal, é o que Sobre Viagens e Amores vai te mostrar, então permita-se.

Pôster de divulgação: SOBRE VIAGENS E AMORES

Pôster de divulgação: SOBRE VIAGENS E AMORES

SINOPSE

Moradores de São Francisco, nos Estados Unidos, um casal gay decide acolher um casal de viajantes desconhecidos da Itália, Maria (Matilda Anna Ingrid Lutz) e Marco (Brando Pacitto). Ao longo dos dias, os quatro vão se conhecendo e se envolvendo em uma relação improvável.

DIREÇÃO

[do action=”cast” descricao=”Gabriele Muccino” espaco=”br”]Gabriele Muccino[/do]

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Gabriele Muccino
Título Original: L’estate Addosso
Gênero: Drama
Duração: 1h 43min
Classificação etária: 12 anos
Lançamento: 4 de maio de 2017 (Brasil)

Comente pelo Facebook