SOMOS TÃO JOVENS (Crítica)

SOMOS TAO JOVENS

Pouco ousado, mais ainda assim um belo filme

Apesar de toda a rebeldia conhecida de Renato Russo, sua formação familiar foi bem conservadora e esse lado da origem do astro foi fundamental para construção do roteiro de Somos tão Jovens, cada cena, cada passagem só aconteceu depois que a família desse o aval positivo para filmar, portanto não espere nada tão profundo sobre o astro, o que vemos é uma leve e bem realizada passagem pela adolescência do líder do Legião Urbana.

O filme se inicia nos anos 70 quando Renato (Thiago Mendonça) vindo do Rio de Janeiro com a família acaba passando um bom tempo preso numa cama, já que descobre uma doença rara nos ossos. Durante esse período ele descobre o punk e então percebe que assim como o no movimento inglês, ele junto dos amigos, poderiam atrás da música protestar sobre o governo, é então que surge o Aborto Elétrico e várias outras bandas inclusive o Legião Urbana um tempo depois.

O roteiro de Marcos Bernstein é puro demais, ou melhor é nada ousado, mostra de forma bem superficial a adolescência de Renato, seu principal enfoque é no artista e não o homem Renato, tanto é que sempre que há uma tentativa de mostrar em detalhes algo mais intimo, logo ele vai para o palco e nos deixa apenas na vontade.

SOMOS TAO JOVENS01

O veterano diretor Antônio Carlos da Fontoura utiliza de uma linguagem pop e jovial para retratar esse trecho da vida de Renato. Ele busca através de sua câmera dar um pouco de energia mais rock and roll para a narrativa, já que mesmo com o roteiro mais leve, não poderia deixar de lado a rebeldia que foi fruto de uma verdadeira revolução e que deu inicio ao um movimento em que marcou a geração Cola-Cola.

Mas o grande problema do filme aparece quando o Renato que vemos em tela se mostra um jovem excêntrico lógico, mas muito certinho. Mesmo na rebeldia ele não é lá tão punk assim. E seu lado homossexual e de problemas com drogas e bebidas quase não é citado, tudo é mostrado bem superficial. Talvez a intenção do diretor era essa mesma, criar um Renato fictício, o próprio fato de colocar o protagonista Thiago Mendonça para cantar as canções sem uso do playback facilitou nisso. O espectador compra mais fácil a ideia que Thiago representa um personagem e não está tentando ser o Renato Russo.

Thiago Mendonça merece todos os elogios possíveis, ele consegue encontrar uma perfeita forma de viver o astro, nas expressões faciais, nos trejeitos no tom da voz, tudo isso é tão perfeito que impressiona. Fisicamente é fato que Thiago não relembra Renato, mas isso é mero acaso e que não compromete seu belíssimo trabalho.

SOMOS TAO JOVENS02

Mesmo com esse problema apontado o roteiro e a direção tem o mérito de saber utilizar as canções marcantes de Renato como um impulso narrativo da trama. Além de entrar pontualmente em algumas passagens, vemos como alguns desses hits foram criados pela mente criativa de Renato, sem dúvida o ponto alto e que fica difícil segurar as lágrimas é quando vemos como surgiu a canção Ainda é Cedo – momento brilhante!

Somos tão Jovens consegue fazer uma bonita homenagem a Renato Russo, no entanto seu roteiro superficial acaba por aumentar ainda mais o lado mito do líder do Legião Urbana, seja como for é um filme super bem realizado e que merece ser conferido.

DESTAQUES

Para alguns personagens coadjuvantes que mesmo pouco explorado pelo roteiro conseguiram impressionar pela grande semelhança visual de seus retratados. Por exemplo o Dinho Ouro Preto é um clone jovem (risos).

Outro destaque marcante é na abertura do longa, que mostra fotos da infância e adolescência de Renato. Tudo ao som instrumental de Tempos Perdidos, extremamente EMOCIONANTE!

SOMOS TAO JOVENS03

SINOPSE

Brasília, 1973. Renato (Thiago Mendonça) acabou de se mudar com a família para a cidade, vindo do Rio de Janeiro. Na época ele sofria de uma doença óssea rara, a epifisiólise, que o deixou numa cadeira de rodas após passar por uma cirurgia. Obrigado a permanecer em casa, aos poucos ele passou a se interessar por música. Fã do punk rock, Renato começa a se envolver com o cenário musical de Brasília após melhorar dos problemas de saúde. É quando ajuda a fundar a banda Aborto Elétrico e, posteriormente, a Legião Urbana.

ELENCO

[do action=”cast” descricao=”Thiago Mendonça (Renato “Russo” Manfredini Júnior)” espaco=”x”]Thiago Mendonca[/do][do action=”cast” descricao=”Laila Zaid (Ana Cláudia)” espaco=”x”]Laila Zaid[/do][do action=”cast” descricao=”Bruno Torres (Fê Lemos)” espaco=”x”]Bruno Torres[/do][do action=”cast” descricao=”Daniel Passi (Flávio Lemos)” espaco=”br”]Daniel Passi[/do]

DIREÇÃO

[do action=”cast” descricao=”Antonio Carlos da Fontoura” espaco=”br”]Antonio Carlos da Fontoura[/do]

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Marcos Bernstein
Título Original: Somos Tão Jovens
Gênero: Drama, Biografia
Duração: 1h 44min
Ano de lançamento: 2013
Classificação etária: 14 Anos

TRAILER

3estrelas

Comente pelo Facebook