Tamara (Crítica)

Pedro Vieira

Em 2016, tomou posse na Venezuela a primeira deputada transexual do país: Tamara Adrian, uma advogada e conhecida ativista dos direitos LGBT do local. Tendo se tornado uma personagem histórica ainda em vida, sua trajetória pessoal inspirou o filme que leva o nome da deputada.

“Tamara” acompanha a vida de sua protagonista desde quando ela se chamava Teo (Luis Fernandez) e era um homem casado com dois filhos pequenos. Insatisfeito com seu corpo e com o modo como se apresenta em sociedade, Teo decide realizar o procedimento de redesignação sexual, o que o leva a entrar em conflito não somente com a família e as pessoas que ama, como também com professores e alunos da universidade na qual leciona aulas de direito.

Mergulhando no amago de Teo/Tamara, o filme apresenta ao espectador todos os medos e angústias que recobrem a vida de uma pessoa transexual. Trata-se de uma tarefa no mínimo louvável, mas que poderia ser mais corajosa, uma vez que boa parte dos conflitos que assolam a vida da protagonista ou são rapidamente resolvidos cenas depois, ou algumas vezes acabam esquecidos na procissão de situações que o longa apresenta. Além disso, há poucas sequências de fato impactantes em um sentido narrativo (como a cena no refeitório da universidade).

O roteiro se mostra um tanto quanto expositivo demais, algo que fica bem evidente nos momentos em que Teo explica para sua psiquiatra detalhes de sua vida que acabam sendo redundantes para a compreensão do espectador e até mesmo irrelevantes para a obra no geral. Outros personagens também estão a todo o momento expondo detalhes de suas vidas em diálogos pouco naturais.

Tamara (Crítica)

Trata-se de uma falta de sutileza que também surge no modo como o longa apresenta visualmente aspectos da vida de Teo/Tamara e acaba por enfraquecer um dos debates mais interessantes da obra: a questão dos diferentes corpos e como eles deveriam ser vistos de forma natural em sociedade. Teo tem um problema com o próprio corpo, e o longa mostra isso quando o personagem aparece nu em frente ao espelho. Porém, em determinado ponto, graças à necessidade de exposição exacerbada da obra, o protagonista conhece uma transexual e pede para que ela fique nua em sua frente. O que vemos é uma mulher ainda com o órgão genital de um homem, uma pessoa que deveria ser tratada como um ser humano natural. Entretanto, justamente por termos como base a visão de Teo, a visão de alguém que não aceita ter um órgão masculino em um corpo feminino, a impressão que o filme passa é que aquela mulher é um ser esquisito, que não se encaixa na sociedade.

Ao menos o ator Luiz Fernandez nunca deixa que Tamara se torne uma personagem que se enxergue como menor em meio a uma sociedade preconceituosa, e acaba colocando em Teo todo o peso de alguém que não está encaixado em seu ambiente. Isso ocorre no modo quando Fernandez encarna Teo como um homem temoroso, de postura controlada, ao passo que, assim que se torna Tamara, ele muda seus trejeitos, seu caminhar e gesticular se tornam mais naturais, mais relaxados, e sua personalidade é vista como mais forte e decidida.

A trama de “Tamara” desenvolve-se melhor após a metade de sua projeção, deixando elementos completamente expositivos de seu início para trás. Entretanto, não é o suficiente para que os erros sejam esquecidos. Se Tamara Adrian é uma mulher forte e inspiradora, o mesmo não pode ser dito do longa que narra sua história de vida.

Pôster de divulgação: Tamara

Pôster de divulgação: Tamara

SINOPSE

Teo (Luis Fernández) vive com a imagem masculina de um advogado bem-sucedido, casado e com dois filhos. Há anos, carrega um segredo: o desejo de assumir a sua identidade feminina. Decidido a seguir seu coração apesar de todas as dificuldades que irá enfrentar, ele começa a realizar sua transição de gênero para se tornar Tamara por completo.

DIREÇÃO

Elia Schneider Elia Schneider

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Elia Schneider
Título Original: Tamara
Gênero: Drama, Romance
Duração: 1h 50min
Classificação etária: 12 Anos
Lançamento: 25 de outubro de 2018 (Brasil)

Comente pelo Facebook