Terminam em Portugal as filmagens de “Pedro”, de Laís Bodanzky

Redação

Terminaram esta semana as filmagens de “Pedro”, dirigido por Laís Bodanzky, que também assina o roteiro do filme protagonizado por Cauã Reymond. A última semana teve cenas rodadas no Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa, no Palácio Nacional de Queluz, e na Ilha do Faial, em Açores. No Brasil, ao longo de quase sete semanas, a maior parte das cenas foi filmada dentro da fragata inglesa Warspite e no exterior do Cisne Branco, da Marinha Brasileira, uma réplica das embarcações da época. O interior da fragata foi filmado em um estúdio em São Paulo. O longa também teve cenas rodadas em alto mar, em uma travessia de Salvador ao Rio de Janeiro, em Arraial do Cabo, e em uma fazenda em Rio das Flores, no Estado do Rio de Janeiro.

Primeiro longa histórico da diretora dos premiados “Bicho de Sete Cabeças” e “Como Nossos Pais”, “Pedro” aborda a vida privada de Dom Pedro I. Responsável por escrever em 1824 a primeira Constituição do Brasil imperial, considerada liberal e progressista para a época, o filme compreende o momento em que o imperador retorna para Portugal, em 1831, fugindo de ser apedrejado pela população brasileira, nove anos depois de proclamar a Independência do país.

O longa mostra uma reflexão do personagem a bordo da nau inglesa Warspite sobre sua vida no Brasil – desde a chegada de Portugal ao lado dos pais, em 1808, até sua abdicação, motivada por desdobramentos do seu exercício do Poder Moderador, pela rixa entre políticos conservadores e liberais, bem como pela rivalidade entre brasileiros e portugueses que estavam radicados no Brasil. O filme retrata o personagem em sua intimidade, tentando compreender a série de acontecimentos e o porquê de tudo dar errado quando parecia que iria dar certo.

“Estou muito contente de terminar as filmagens de ‘Pedro’ em Portugal. Olhando para trás eu lembro que era um sonho praticamente impossível de ser realizado devido à sua complexidade. É um projeto grande, o maior que eu já dirigi até agora, com um elenco de vários países, falando várias línguas, uma filmagem em que a gente rodou no Brasil, em Portugal, em alto mar. Exigiu uma logística muito grande de produção e eu contei com uma equipe elenco muito profissionais e competentes que me deram muita segurança para seguir nessa aventura. Eu estou muito feliz com esse filme que a gente acabou de colocar na lata. Em janeiro começamos a fase da montagem”, conta Laís Bondanzky.

“Foi uma longa travessia, que se iniciou há cerca de seis anos, quando meu sócio e empresário Mario Canivello teve a ideia de levar às telas esse personagem fascinante. Mas queríamos fugir do lado histórico, do já tão explorado grito da Independência, e jogar um olhar sobre esse homem cheio de ambiguidades e de vida curta, mas intensa. Esse filme não teria sido possível sem a condução brilhante da Laís e de seu roteiro super original, nem sem a base firme da Biônica Filmes e da nossa coprodutora portuguesa O Som e a Fúria. Foi uma experiência única dar vida a um personagem histórico em seu lado menos conhecido”, afirma Cauã Reymond.

O elenco conta ainda com a artista plástica Rita Wainer – em sua estreia como atriz – no papel de Domitila, Luise Heyer como Leopoldina, Francis Magee (“Game Of Thrones”, “Jimmy’s Hall”, “Rogue One”) vivendo o Comandante Talbot e Welket Bunguê (“Joaquim”) interpretando o Contra Almirante Lars. No elenco português estão Victória Guerra, como Amélia, Luísa Cruz no papel de Carlota Joaquina, João Lagarto interpretando Dom João VI, Isac Graça (“Catas da Guerra”) vivendo Miguel e Isabél Zuaa (“As Boas Maneiras”), como Dira. Celso Frateschi (“3%”), Gustavo Machado, Luisa Gattai, Dirce Thomas, Marcial Mancome e Sergio Laurentino (“Tungstênio”) completam o elenco. O diretor de arte inglês Adrian Cooper e o diretor de fotografia espanhol Pedro J. Márquez (“Ex-Pajé”) foram os responsáveis pelo trabalho de reconstrução de época.

O filme é produzido por Biônica Filmes, Buriti Filmes, Sereno Filmes e O Som e a Fúria (Portugal), em coprodução com a Globo Filmes. “A coprodução com O Som e a Fúria foi fundamental para o filme. Tivemos o privilégio de filmar no Palácio Nacional de Queluz, onde Dom Pedro I nasceu e morreu, e também no Palácio Nacional da Ajuda, residência de muitas famílias reais portuguesas. E ainda conseguimos rodar na Ilha do Faial, em Açores, onde Dom Pedro desembarcou depois da travessia do Brasil para Portugal em 1831. Enfim, filmamos nos locais onde ele esteve. Foi uma honra”, aponta Bianca Villar, da Biônica Filmes, que assina a produção do longa com Cauã Reymond, Fernando Fraiha, Karen Castanho, Laís Bodanzky, Luiz Bolognesi, Luis Urbano e Mario Canivello. “Pedro” tem previsão de estreia para 2019 com distribuição da Vitrine Filmes.

Sinopse

A bordo da nau inglesa Warspite, Dom Pedro I (Cauã Reymond), o primeiro Imperador do Brasil, retorna à Europa. Durante a travessia, reflete sobre sua vida no Brasil desde a infância, quando chegou com seus pais de Portugal, em 1808, até sua saída na calada da noite, fugindo de ser apedrejado pela população, em 1831.

Crédito foto: Alexandra Silva

Comente pelo Facebook