THE CROWN | 1ª Temporada (Crítica)

Matheus Souza

Em Novembro, a Netflix liberou a temporada completa de The Crown, uma produção ambiciosa que, ligeiramente, chamou atenção da mídia por ser sua série mais cara, com custo de US$100 milhões. Preciso admitir que o trailer liberado e a premissa básica, de apresentar a jornada do reinado da Rainha Elizabeth II (Claire Foy), não foram suficientes para me chamar atenção. Pouco tempo antes da sua estreia mundial, começaram a chover críticas positivas e bastaram alguns dias para a série dominar a minha timeline. Claro que eu fui vencido pela minha curiosidade, e depois de terminar essa primeira temporada, apenas digo: que arrependimento…

Que arrependimento de não a ter assistido assim que ela estreou. A série é digna de todos os elogios recebidos, sendo perceptível ainda nos primeiros minutos do piloto cada dólar investido. Conforme os episódios vão passando fica quase impossível não “sentir o cheiro” de premiações à vista.

Relatando os fatos a partir do seu casamento, em 1947, com Philip, que recebe o título de duque de Edimburgo, a narrativa segue os passos de Elizabeth como rainha. A produção apresenta, de forma episódica, os conflitos vividos pela protagonista e os principais acontecimentos que deram forma a segunda metade do século XX. O criador, Peter Morgan, consegue deixar relativamente explícito por meio de frases de efeito dos coadjuvantes e das situações mostradas, o quão difícil é a vida daqueles que sustentam o peso da coroa, que constantemente têm de colocar o “dever” sobre suas vontades.

Entre os inúmeros méritos da série há de se ressaltar aquele que é o primeiro a denunciar a qualidade superior da produção: a composição estética. Bastam alguns segundos a assistindo para notar o cuidado técnico com os mínimos detalhes relativos ao design dos cenários, da caracterização de época, dos figurinos, das locações escolhidas…Tudo foi feito a expor todo o contexto histórico-narrativo da forma mais fiel e luxuosa possível.

O cuidado técnico também é perceptível por parte daqueles que manejam as lentes. Cada enquadramento é minuciosamente pensado, exalando uma perfeição incomum à produções que não sejam longas que visam alcançar estatuetas do Oscar. A iluminação, a posição exata em que cada ator se encontra, uma expressão, um silêncio… The Crown foge de tudo o que é comum aos shows de TV, não precisando de cliffhangers para levar o drama a outro patamar. Cada detalhe exibido faz da produção uma obra prima no que se refere a séries.

Inicialmente, o ritmo lento e a narrativa beirando ao didatismo podem incomodar alguns, mas a escolha meticulosa de um elenco extremamente competente e eficaz, não só dão sustentação à trama, mas provam que olhares, gestos e silêncios podem dizer muito nos constantes momentos de tensão. Por tal importância e pelas grandes performances não há como não dar destaque para os trabalhos de John Lithgow como Winston Churchill, Jared Harris como o Rei George VI, Matt Smith como o Prince Phillip e Claire Foy como a Rainha.

Depois de tantos elogios, ainda há espaço para agraciar o roteiro competente da série, que trata, de forma quase que isolada, um tema/problema diferente por episódio. Esses assuntos são praticamente -se não- todos de natureza política e familiar, mesclados de embates morais, senso de dever e relacionamentos amorosos. Além disso, a produção ainda “coloca o dedo na ferida” ao abordar temas sociais importantes, como o machismo e a falsa “essência divina” da família real.

The Crown se condensa como uma das melhores séries de 2016, uma produção obrigatória para qualquer um que ame cinema ou série pelos detalhes e pela qualidade audiovisual, já que os episódios contam com características cinematográficas. A série consegue ser inovadora nos mais diversos aspectos, chegando a surpreender aqueles que não gostam de temáticas biográficas. Digna de todos os elogios, pelo jeito não faltarão histórias para contar nas próximas temporadas.

THE CROWN

FICHA TÉCNICA

Origem: EUA/Reino Unido
Data de estreia: 04 de novembro de 2016
Criação: Peter Morgan
Elenco: Claire Foy, Matt Smith, Vanessa Kirby, Eileen Atkins, Jeremy Northam, Victoria Hamilton, Ben Miles, Greg Wise, Jared Harris, John Lithgow…
Número de episódios: 10
Duração: 60 aprox. (cada episódio)

Comente pelo Facebook

1 Comentário

  1. Gersilene S. S.

    Simplesmente magnífica! Indiscutivelmente, uma obra de arte em formato série.