ÚLTIMOS DIAS EM HAVANA (Crítica)

Davi Gonçalves

Centro de Havana. Dois homens dividem uma habitação dentro de um cortiço humilde. Enquanto Diego (Jorge Martínez) está confinado em sua cama afetado pelo avanço da AIDS que o devasta, Miguel (Patricio Wood) divide seu tempo entre o trabalho no restaurante e os cuidados para com o amigo doente. As diferenças entre os dois são gritantes. Apesar de prostrado por conta da doença, Diego é irreverente e cheio de vontade viver, daquelas pessoas capazes de transformar o ambiente em que vivem e reunir a todos; já o carrancudo Miguel é calado e de poucos amigos e sonha ansiosamente com o dia em que deixará a capital cubana e partirá rumo aos EUA – como se sua existência (e sobrevivência) dependesse unicamente disto.

ÚLTIMOS DIAS EM HAVANA (Crítica)

A narrativa tragicômica de Últimos Dias em Havana retrata com bastante poesia a ruína e degeneração da sociedade cubana que vem se estendendo por anos. O cineasta Fernando Pérez mostra a rotina civil de Cuba (não a turística, mas a real) através dos rostos sofridos de seus moradores, das ruas pobres, das casas deterioradas – enfim, da decadência de uma nação que parece ter simplesmente parado no tempo. Exceto por discretas referências a recursos atuais, não conseguiríamos identificar ao certo em que época a história se passa (um exemplo disto é o fato de Diego estar padecendo por uma enfermidade cujos tratamentos melhoraram muito nos dias atuais) e isto cria um clima de insatisfação, inquietude, desesperança.

É nesse cenário caótico, todavia, que a improvável amizade entre Miguel e Diego se desenvolve. Mostrando um competente trabalho de direção de atores, Pérez extrai atuações excepcionais dos dois protagonistas, que demonstram ter total sintonia em cena. A surpresa fica por conta de Gabriela Ramos, a jovem atriz que vive a sobrinha de Diego, grávida aos 15 anos e que vive em pé de guerra com a mãe. Ela também é a responsável pela narração que encerra a obra, onde quebra-se a quarta parede para relatar o desfecho dos personagens. Últimos Dias em Havana é uma síntese da comunidade cubana nos dias atuais contada através de uma história sobre amizade e sonhos, que prova que o cinema deste país ainda tem muito a oferecer.

Pôster de divulgação: ÚLTIMOS DIAS EM HAVANA

Pôster de divulgação: ÚLTIMOS DIAS EM HAVANA

SINOPSE

Havana, Cuba. Miguel (Patricio Wood) tem 45 anos e passa seus dias sonhando em finalmente conseguir o visto necessário para morar nos Estados Unidos. Ele trabalha como lavador de pratos e vive com outro homem, Diego (Jorge Martínez), portador de HIV e com quem tem uma ligação muito forte. Diego vê em Miguel uma base para permanecer de pé, mas a relação dos dois é abalada quando Miguel recebe uma carta da embaixada norte-americana.

DIREÇÃO

[do action=”cast” descricao=”Fernando Perez” espaco=”br”]Fernando Perez[/do]

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Fernando Perez, Abel Rodríguez
Título Original: Últimos Días en la Habana
Gênero: Drama
Duração: 1h 32min
Classificação etária: 14 Anos
Lançamento: 24 de agosto de 2017 (Brasil)

Comente pelo Facebook