Um Lugar Silencioso (Crítica)

Ricardo Rocha

Dica mais importante: Leia essa crítica em um “Lugar Silencioso”.

Imagine um mundo onde, todos os sons artificiais sumiram, sem poder falar, sem poder gritar, sem poder cantar. E tudo por um único motivo: Sobrevivência.

Com essa premissa instigante, John Krasinski (mais conhecido pelo seu personagem Jim Halpert na série “The Office”) que além de assinar a direção, também se coloca como o pai de uma família que tenta superar os traumas do passado, ao mesmo tempo em que tenta salvar e ensinar seus filhos Marcus e Regan a viverem de uma forma onde o silêncio pode significar viver um dia a mais. Como se não bastasse, sua esposa Evelyn (Emily Blunt) está grávida. A pergunta que não quer calar: Como dar à luz num mundo onde não pode haver sequer um ruído? Como essa família, isolado no meio oeste dos EUA, cercado por um milharal tenebroso irá sobreviver? E do que exatamente eles se escondem?

São tantas qualidades, e tudo feito com cuidado para não cair no lugar comum de filmes do gênero (vide “O Homem nas Trevas” e “Hush: A Morte Ouve”, ambos 2016). Desde o design de som, até a trilha sonora pontual, e sim, num filme onde quase não tem falas, o som é muito importante, aliás, essencial para nos fazer temer por algo, caso um simples alfinete caia. São as cores que anunciam o perigo, o vermelho presente em boa parte da tensão crescente, capaz de fazer o telespectador prender a respiração.

Um Lugar Silencioso (Crítica)

Com tudo isso, creio que estamos diante de um filme que vai contra a maré dos filmes de suspense / horror / sobrenatural. Numa época onde os blockbusters dominam com grandes efeitos e toda pirotecnia de sons (ironicamente estou falando de Michael Bay que é produtor deste filme) quanto mais barulho, mais impactante. Aqui o filme prova o contrário. Ouvimos atentamente o som de uma cachoeira e tememos pelo pior junto aos personagens, mas é justo o som, daquela cachoeira que nos dá um momento de alívio, um momento onde o som finalmente pode ser ouvido, como sempre fora, e nunca percebemos. Somos adaptáveis a quase tudo. E isso fica claro com a personagem da filha mais velha do casal, Regan que tem deficiência auditiva, e nem por isso deixa de ficar atenta a qualquer som que possa emitir, mesmo não ouvindo nada. O filme não é isento de “jump scare” (aquele velho e bom susto que você não esperava) mas nem sempre acontece de fato quando esperamos, alguns simplesmente surgem seguido de um som, que já indica que algo muito pior irá acontecer a seguir, mas nunca fica claro exatamente quando e onde.

Seus personagens são tão humanos e reais quanto cada um de nós, em nossas buscas. Seja o pai carinhoso com seu filho e ao mesmo tempo dedicado com sua esposa (os dois são casados na vida real), seja a filha que passa pela adolescência e encara culpa e incompreensão por parte do pai, seja pela mãe que tentar a qualquer custo proteger seus filhos, numa situação que vai fazer todos ficarem com os nervos alterados, e ouço a dizer que esta é de longe uma das melhores atuações de Emily Blunt (No Limite do Amanhã). Todos têm seu momento e isso foi muito bem construído graças ao roteiro bem amarrado, que certamente me deixou curioso para saber a quantidade de páginas que de fato foi a tela.

Quanto menos você souber melhor, então aqui fica a dica, fuja dos trailers, fuja dos spoilers. Vá ao cinema e respeito o silêncio que o filme oferece ao longo de 1h e 30m. Garanto que sua experiência será a melhor. E talvez você saia vivo da sessão.

Pôster de divulgação: Um Lugar Silencioso

Pôster de divulgação: Um Lugar Silencioso

SINOPSE

Em uma fazenda dos Estados Unidos, uma família do meio-oeste é perseguida por uma entidade fantasmagórica assustadora. Para se protegerem, eles devem permanecer em silêncio absoluto, a qualquer custo, pois o perigo é ativado pela percepção do som.

DIREÇÃO

[do action=”cast” descricao=”John Krasinski” espaco=”br”]John Krasinski[/do]

FICHA TÉCNICA

Roteiro: John Krasinski
Título Original: A Quiet Place
Gênero: Suspense, Terror
Duração: 1h 30min
Classificação etária: 12 Anos
Lançamento: 5 de abril de 2018 (Brasil)

Comente pelo Facebook