UMA NOITE DE CRIME: ANARQUIA (Crítica)

UMA NOITE DE CRIME ANARQUIA

4estrelas

Por Davi Gonçalves

UMA NOITE DE CRIME ANARQUIA03

Apesar das péssimas críticas, Uma Noite de Crime, lançado em 2013, obteve um desempenho relativamente bom nas bilheterias. Talvez por esta razão, a Universal Pictures deu carta branca ao diretor James DeMonaco para a continuação de sua história – e, assim, chega aos cinemas brasileiros Uma Noite de Crime: Anarquia, que parte da mesma premissa de seu antecessor, mas se tornando uma obra timidamente superior.

Assim como o filme anterior, a trama de Uma Noite de Crime: Anarquia se passa em um futuro próximo, em um estado norte-americano marcado pela diminuição drástica dos níveis de violência e pobreza no país. Essa queda nas estatísticas é, aparentemente, resultado da criação do mais novo (e aguardado) “evento” nacional: o Expurgo, um período de 12 horas, que ocorre uma única vez no ano, onde todo e qualquer tipo de crime ou atividade ilegal podem ser cometidos sem a interveniência do sistema judiciário.

Enquanto o primeiro filme centralizava sua narrativa apenas no drama de uma família rica que tenta se proteger de estranhos que querem invadir sua mansão (e também suas expectativas morais diante daquele evento), Uma Noite de Crime: Anarquia apresenta três tramas distintas: um casal em crise que fica exposto nas ruas em meio aos perigos da cidade; mãe e filha (pobres e negras) que são atacadas por uma gangue; e um desconhecido que aguarda esta noite para vingar a morte do filho. Em determinado momento da película, as tramas de todos estes personagens se cruzam em meio ao caos local – e a partir daí, começa uma corrida frenética pela sobrevivência.

UMA NOITE DE CRIME ANARQUIA01

Tecnicamente, Uma Noite de Crime: Anarquia é levemente superior ao primeiro. Muito bem trabalhado visualmente, a fita nos proporciona bons momentos gráficos de violência, através de uma boa montagem e um roteiro que apresenta seus protagonistas de forma bastante direta, sem muitos rodeios. Já de cara é possível traçar o perfil de cada uma das personagens – o que para alguns pode soar até meio “cômodo”, mas não deixa de ser algo até aceitável em filmes com este teor. Os tipos até estão ali e são facilmente identificados e talvez exatamente por isso haja uma proximidade do público com eles. Talvez o único “pecado” tenha sido a maneira como o roteiro mostrou a classe “dominante” da história – que é visivelmente caricata e torna a ação pouco crível.

A trilha sonora, que retumba um tanto angustiante em alguns momentos, ajuda a estender o suspense, mas sem soar clichê, assim como o cuidadoso exercício de edição de som – contribuindo muito para a fotografia da fita, que utiliza sua paleta de cores de forma equilibrada e condizente com cada situação. A direção de James DeMonaco (que parecia perdida e apressada no primeiro filme e que foi a responsável por boa parte das críticas desfavoráveis, diga-se de passagem) é muito mais segura – o que faz com que Anarquia, apesar de não ser brilhante, amplie muito mais o caos do primeiro longa.

Mas o caos também é ampliado porque Uma Noite de Crime: Anarquia, para citar uma grande pensadora moderna, troca o tiro, porrada e bomba por uma abordagem mais social, mostrando o papel do governo diante dessa situação e as consequências inevitáveis de um evento deste porte em uma sociedade como a nossa. Se na primeira fita havia uma acanhada proposta de se analisar o indivíduo e as motivações que o levavam a “libertar a fera” assim como os instintos naturais de sobrevivência do ser humano, aqui percebe uma clara tentativa de criticar o abuso do governo e a péssima distribuição de renda das comunidades atuais, que criam uma diferença cada vez maior entre as classes sociais. Quem tem dinheiro, pode se proteger em suas fortalezas; quem tem dinheiro, pode comprar outro ser humano para se “purificar”; quem tem dinheiro, controla tudo – e este contexto político, muito mais aprofundado do que no filme anterior, aprimora esta sequência, deixando ponta para mais continuações. Uma Noite de Crime: Anarquia pode não ser uma obra-prima de um gênero, mas merece elogios por sua evidente superação em relação ao material da primeira película e por abrir caminho para mais noites de “expurgos”.

UMA NOITE DE CRIME ANARQUIA02

SINOPSE

Nesta sequência de Uma Noite de Crime (2013), um jovem casal fica preso nas ruas poucas horas antes da tradicional noite em que todos os crimes são permitidos pelo governo, para os cidadãos poderem liberar os seus instintos violentos. Sem poder contar com a ajuda de ninguém, eles tentam sobreviver à barbárie nas ruas.

DIREÇÃO

[do action=”cast” descricao=”James DeMonaco” espaco=”br”]James DeMonaco[/do]

FICHA TÉCNICA

Roteiro: James DeMonaco
Título Original: The Purge: Anarchy
Gênero: Terror, Ação, Suspense
Duração: 1h 43min
Ano de lançamento: 2014
Classificação etária: 14 Anos

TRAILER

Comente pelo Facebook