Uma quase Dupla (Crítica)

Emílio Faustino

Comédia quebra estereótipos de gênero e valoriza o protagonismo feminino

Ela esta de volta! Depois do bem sucedido TOC – Transtornada Obsessiva Compulsiva, a atriz Tatá Werneck também conhecida como rainha do humor nacional, retorna aos cinemas tendo como parceiro de cena ninguém menos que Cauã Reymond.

Na trama, eles dão vida a uma dupla de policiais que não têm nada em comum: ela uma policial experiente e durona, ele um policial novato e sensível. Os dois se vêem a trabalhar juntos na pacata cidade de Joinlândia onde irão tentar capturar um assassino em série.

Verdade seja dita, esse é o tipo de história onde a trama é mero pretexto para fazer as piadas acontecerem. A boa notícia é que as piadas funcionam e embora o grande enfoque da história seja fazer o público rir, o filme consegue fazer isso sem perder de vista a atmosfera do suspense policial.

No campo da atuação, a química entre a dupla funciona do começo ao fim. Cauã Reymond brilha ao mostrar em cena uma faceta cômica pouco conhecida do público. Já Tatá, a responsável pela maior parte das risadas do filme, consegue o feito sem apresentar algo novo em sua atuação. As falas aceleradas e sem sentido que marcam o já conhecido humor da atriz estão presentes para deleite dos fãs.

O destaque do filme fica por conta de algo sutil que talvez possa passar despercebido por muitos: ao apresentar a figura de um homem mais sensível e de uma mulher mais experiente e durona, o filme presta um grande serviço ao quebrar estereótipos de gênero como o da “mulher frágil” e do “homem bruto”.

Outro acerto de “Uma Quase Dupla” foi colocar a personagem feminina em posição de liderança. O filme contempla inclusive um diálogo empoderador entre a policial e o delegado que questiona sua posição e capacidade. Em entrevista, Tatá contou que a cena foi um pedido dela e escrita de seu próprio punho.

Uma Quase Dupla estreia dia 19 de julho nos cinemas e entrega uma comédia divertida que faz uma grande homenagem aos clichês do gênero suspense policial. Embora não tenha nada de muito original, uma vez que a essência da trama bebe bastante da fonte de “As bem armadas”, o filme é um mais do mesmo que deve agradar o grande público.

Pôster de divulgação: Uma quase Dupla

Pôster de divulgação: Uma quase Dupla

SINOPSE

Quando uma série de assassinatos abala a rotina da cidade de Joinlândia, o calmo e pacato subdelegado Claudio (Cauã Reymond) receberá a ajuda da destemida e experiente investigadora Keyla (Tatá Werneck) nas investigações. No entanto, a diferença de ritmo e a falta de química dos dois só atrapalhará a solução do caso.

DIREÇÃO

Marcus Baldini Marcus Baldini

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Leandro Muniz
Título Original: Um Quase Dupla
Gênero: Comedia
Duração: 1h 30min
Classificação etária: 12 Anos
Lançamento: 19 de julho de 2018 (Brasil)

Comente pelo Facebook