X-MEN: APOCALIPSE (Crítica)

Por Kadu Silva

Apenas um filme ok!

Curiosamente X-Men: Apocalipse é o terceiro filme baseado em HQs esse ano que tem um enredo semelhante a outras produções do gênero, o primeiro foi Batman vs Superman e depois o Guerra Civil, longas em que os heróis (amigos) estão em conflito entre eles, obvio que não são histórias iguais, principalmente esse que os heróis não chegam a lutar efetivamente entre eles, somente escolhem o lado contrário na guerra que está em andamento.

No filme conhecemos o ancestral egípcio En Sabah Nur/Apocalipse (Oscar Isaac), que retorna a vida em pleno anos 80 para garantir novamente sua supremacia mundial. Para isso busca outros mutantes para conquistar seu triunfo.

O roteiro de Simon Kinberg (X-Men: Dias de um Futuro Esquecido), consegue criar um enredo ok, o que falta é criatividade ao contar o arco dramático do vilão e principalmente ao não explorar a simbologia dos mutantes serem marginalizados pela sociedade e por isso terem dificuldade em lidar com os poderes, fato realizado com maestria no primeira classe.

Como citei o vilão não consegue se enquadrar no enredo da franquia, já que fica difícil de compreender seus propósitos ao querer exterminar o mundo, além disso, cada plot que surge, se mostra desenvolvido muito ligeiramente, sem um acabamento mais minucioso para facilitar o envolvimento com a trama. O que torna o filme algo acima da média é seu elenco que se destaca principalmente nas cenas de drama, como por exemplo James McAvoy (Em Transe), que interpreta o Xavier e Michael Fassbender (Michael Fassbender) que faz o Magneto, vale menção também ao timing perfeito do humor de Evan Peters (Kick-Ass: Quebrando Tudo) como Mercúrio, suas cenas são sempre geniais e ainda Tye Sheridan (A Árvore da Vida) como Ciclope, excelente sempre que está em cena.

Outro problema é a conclusão do clímax final, ela é bem fraca e sem a empolgação que a priori sugere apresentar, o que acaba se tornar um pouco frustrante para quem está assistindo.

Positivamente o filme apresenta cenas de ação extremamente empolgantes, algumas até exageradas demais como Bryan Singer (Jack, o Caçador de Gigantes), as vezes acaba realizando e infelizmente com um acabamento “meia boca” nos efeitos visuais. O 3D é muito bem explorado no filme todo, de fato, você se sente imerso na trama e interagindo com a narrativa.

Dito isso, X-Men: Apocalipse é o típico entretenimento fácil e até certo ponto descartável, uma pena, para um filme que renderia um material muito mais rico para futuras reflexões, por todo rico conteúdo que possui em sua essência.

X MEN APOCALIPSE

SINOPSE

Desde o início da civilização, ele era adorado como um deus. Apocalipse, o primeiro e mais poderoso mutante do universo X-Men da Marvel, acumulou os poderes de muitos outros mutantes, tornando-se imortal e invencível. Ao acordar depois de milhares de anos, ele está desiludido com o mundo em que se encontra e recruta uma equipe de mutantes poderosos, incluindo um Magneto desanimado (Michael Fassbender), para purificar a humanidade e criar uma nova ordem mundial, sobre a qual ele reinará. Como o destino da Terra está na balança, Raven (Jennifer Lawrence), com a ajuda do Professor Xavier (James McAvoy) deve levar uma equipe de jovens X-Men para parar o seu maior inimigo e salvar a humanidade da destruição completa.

DIREÇÃO

[do action=”cast” descricao=”Bryan Singer” espaco=”br”]Bryan Singer[/do]

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Simon Kinberg
Título Original: X-Men: Apocalypse
Gênero: Ação, Ficção científica, Fantasia
Duração: 2h 24min
Ano de lançamento: 2016
Classificação etária: 10 Anos
Lançamento: 19 de maio de 2016 (Brasil)

Comente pelo Facebook