A COR PÚRPURA (Crítica)

A COR PURPURA

5estrelas

FICHA TÉCNICA

Título Original: The Color Purple
Ano do lançamento: 1985
Produção: EUA
Gênero: Drama
Direção: Steven Spielberg
Roteiro: Menno Meyjes, baseado em livro de Alice Walker

Sinopse: Georgia, 1909. Em uma pequena cidade Celie (Whoopi Goldberg), uma jovem com apenas 14 anos que foi violentada pelo pai, se torna mãe de duas crianças. Além de perder a capacidade de procriar, Celie imediatamente é separada dos filhos e da única pessoa no mundo que a ama, sua irmã, e é doada a “Mister” (Danny Glover), que a trata simultaneamente como escrava e companheira. Grande parte da brutalidade de Mister provêm por alimentar uma forte paixão por Shug Avery (Margaret Avery), uma sensual cantora de blues. Celie fica muito solitária e compartilha sua tristeza em cartas (a única forma de manter a sanidade em um mundo onde poucos a ouvem), primeiramente com Deus e depois com a irmã Nettie (Akosua Busia), missionária na África. Mas quando Shug, aliada à forte Sofia (Oprah Winfrey), esposa de Harpo (Willard E. Pugh), filho de Mister, entram na sua vida, Celie revela seu espírito brilhante, ganhando consciência do seu valor e das possibilidades que o mundo lhe oferece.

Por Kadu Silva

A COR PURPURA03

Steven Spielberg, o maior fenômeno de bilheteria de toda a história do cinema mundial, o garoto prodígio de Hollywood, responsável na época do lançamento de A cor Púrpura por quatro dos oito filmes de maior renda já feitos até aquele momento, o Walt Disney da era dos computadores e dos videogames, que aos 25 anos era comparado a Orson Welles, abandonou a fantasia, a imaginação, a aventura, os efeitos especiais, os heróis, os monstrinhos, as naves espaciais – toda a sua marca registrada, a sua fórmula perfeita de fazer lotar as salas escuras de cinema ao redor do mundo de multidões ávidas de sonho.

Em seu nono longa-metragem, A Cor Púrpura, Spielberg trocou o sonho pela realidade, as famílias dos abastados subúrbios da classe média alta das grandes cidades por um punhado de pessoas pobres, infelizes, oprimidas, os super-heróis à la Indiana Jones por pessoas simples, humildes, que apanham e levam desaforo para casa. O mago, aqui, trocou o sonho pelo pesadelo de quem é – como diz um de seus personagens – preto, pobre, feio e mulher.

A película conta a história de Celie que com apenas 14 anos é violentada pelo pai e dessa relação nascem duas crianças; após isso ela fica infértil e é separada dos filhos e da pessoa que ela é mais apegada, sua irmã. Ela é doada por Mister que a usa como escrava e companheira; através desse novo mundo ela conhece Shug Avery, grande paixão da vida de Mister, e Sofia, nora de Mister; as duas a levam a ver o mundo de outra forma, com esperança e respeito por parte do ser humano.

Em um verdadeiro show de interpretações de todo o elenco, essa história é contada sem efeitos especiais em nenhum momento, quando cai a chuva, raios, neve, tudo é real no filme, Spielberg declarou que numa história tão verdadeira e humana, não poderia “enganar” o público em nada.

Ao assistir o filme percebe-se que tem uma alma encantadora em tudo, tanto é que cada cena causa um grande impacto no público, seja pela covardia dos poderosos, ou mesmo pela poesia encantadora de Celie em lidar com tudo com uma força inacreditável.

A COR PURPURA02

E a Oprah Winfrey só de lembrar dela, meus olhos enchem de lagrima, que interpretação fabulosa, ela faz Sofia que como todo negro naquela época é humilhada mesmo contra sua vontade. A mudança de personalidade que a personagem pede é magistralmente conduzida por ela.

Além dela o show principal de Whoopi Goldberg ainda jovem, fazendo o papel de sua vida, dando humanidade a essa Celie que faz todo o espectador cair de joelhos diante dessa história força, marcante e inesquecível.

Steven Spielberg como um maestro conduz todo o elenco de forma genial, todos estavam inspiradíssimos, Danny Glover, Margaret Avery enfim todos, dando para essa película uma verdade pouco vista em Hollywood.

Não se pode esquecer de falar da trilha sensacional de Quincy Jones que ajudou com sua sensibilidade dar ainda mais beleza para essa história.

O mais assustador ao rever essa obra prima é perceber que o ser humano ainda precisa evoluir muito, pois assim como no filme ainda tem muitas pessoas que se aproveitam da fraqueza e das dificuldades dos outros em beneficio próprio, mais ao mesmo tempo como é comum nos filmes do mago, o longa-metragem dá a esperança em acreditar no futuro, pois como no filme Deus ou o destino como queiram sempre acha um jeito de presentear quem é do bem, pode demorar uma vida toda, mas isso um dia vai acontecer.

A Cor Púrpura é um filme que precisa ser visto sem pressa, tem que apreciar cada cena e ver como é possível com um excelente roteiro e um elenco genial fazer uma obra prima atemporal sobre os valores da vida, mostrados de forma poética, além de colocar para o espectador as maneiras que cada um lida com os fatos e como os responde ao mundo.

Mais um filme que não pode faltar em sua coleção. Uma obra prima do mestre e genial diretor Steven Spielberg.

A COR PURPURA01

PRÊMIOS

OSCAR
Indicações: Melhor filme, melhor roteiro adaptado, melhor fotografia, melhor trilha sonora, melhor música (Miss Celie´s Blues – Sister), melhor maquiagem, melhor figurino, melhor direção de arte, melhor atriz (Whoopi Goldberg) e duas indicações a melhor atriz coadjuvantes (Opray Whinfrey e Margaret Avarey).

GLOBO DE OURO
Ganhou: Melhor atriz em drama para Whoopi Goldberg.
Indicações: Melhor Diretor, Melhor trilha sonora e Melhor atriz coadjuvante (Oprah Whifrey).

TRAILER

Comente pelo Facebook