CASAMENTO GREGO 2 (Crítica)

Kadu Silva

Uma nova e divertida visita à casa da família Portokalos

A 14 anos atrás Nia Vardalos apareceu nos cinemas na pele da grega Toula em Casamento Grego, para apimentar as discussões feministas sobre o papel da mulher, já que ela resolve estudar e ter sua vida e não se render a tradição de casar e ter filhos para se tornar uma dona de casa e além disso, resolve também escolher seu marido e não um descendente grego como a família gostaria. Apesar de uma comedia romântica leve e despretensiosa o filme ousou em abordar tais assuntos, mesmo que de forma superficial. Já em Casamento Grego 2, Nia Vardalos, acaba com sua personagem repetindo parcialmente a postura de seus pais com a sua filha Paris, principalmente no que diz respeito a super proteção e novamente, no roteiro em que assina, “tente” ousar ao contar a história.

Para quem assistiu ao primeiro filme é quase uma repetição, a cena inicial é praticamente idêntica, só que dessa vez a filha de Toula (Nia Vardalos) é a cobrado pelo avô para casar com um grego e ter seus filhos e como a mãe, ela não aceita isso de forma natural. E também como no primeiro filme, existe um casamento que é o arco dramático central da trama e ele será ainda mais grandioso e como não poderia deixar ser, repleto de confusão uma atrás da outra.

O roteiro de Nia Vardalos novamente tenta, como já havia citado, ainda que superficialmente ousar em abordar certos assuntos “polêmicos”: existe um membro do clã que se revela homossexual (o assunto é apresentado de forma natural, mas um tanto pouco ousado ao retrata-lo), ela continua mostrando como é fundamental aceitar a escolha da mulher em seguir o que quer e não o que escolhem para ela, existe espaço também para abordar a relação da terceira idade com a tecnologia, enfim, é uma comedia com um texto divertido e leve, para um dia de entretenimento familiar. Um destaque do roteiro é conseguir fazer conexão com o primeiro filme de forma muito particular e emocionante, não tem como não suspirar de encantamento em alguns momentos.

O diretor britânico Kirk Jones (O Que Esperar Quando Você Está Esperando), conseguiu narrar a trama de forma bem tocante e com um ritmo que facilmente envolve o espectador. O carismático elenco ajuda nessa façanha e a química entre eles é fundamental para dar aquela sensação de que isso tudo, também acontece em nossa casa de alguma forma.

Surpreendente o elenco original está em peso novamente e o filme mostra que as famílias as vezes mudam, mas as gregas nem tanto, elas apenas se atualizam com o momento, o apego excessivo, a comilança e falação em alto e bom som, isso não muda. Essa continuação é aquela sensação de como se tivéssemos visitados alguns parentes que a anos não víamos, mas que sempre são uma ótima companhia.

Vale destacar a divertida trilha sonora do filme, a equipe de designer de produção que refez de forma impecável os cenários do primeiro filme e a edição que como já citei dá ao filme um ritmo perfeito do começo ao fim.

Casamento Grego 2 é uma típica sessão da tarde, para se divertir, se emocionar e nunca se esquecer do valor que tem a família em nossa formação como cidadão, ainda que tenhamos que as vezes ir contra algumas coisas para sermos verdadeiramente felizes.

CASAMENTO GREGO 2

SINOPSE

Enquanto enfrenta problemas em seu relacionamento com Ian, Toula tenta achar uma forma de lidar com a filha adolescente. Além de administrar as desavenças e discussões, ela terá que enfrentar um novo casamento grego, com mais convidados e muito mais divertido do que o dela. Afinal, como destaca o cartaz, “As pessoas mudam. Os Gregos não”.

DIREÇÃO

[do action=”cast” descricao=”Kirk Jones ” espaco=”br”]Kirk Jones[/do]

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Nia Vardalos
Título Original: My Big Fat Greek Wedding 2
Gênero: Comedia, romance
Duração: 1h 34min
Ano de lançamento: 2016
Classificação etária: 12 Anos
Lançamento: 31 de março de 2016 (Brasil)

Comente pelo Facebook