Raiva (Crítica)

Kadu Silva

O perigoso sentimento adormecido

Em 1933 os jornais portugueses deram destaque para um assassinato duplo, um camponês armado invadiu a casa de um grande proprietário e disparou sobre ele e seu filho. Depois dos disparos o camponês fugiu e se isolou num casebre com sua família. Algum tempo depois a policia o encontrou. Com soldados do exercito juntos dos policiais, o camponês e sua família foram metralhados sem fazer nenhuma resistência, até hoje algumas balas podem ser encontradas nesse casebre. E tudo isso ocorreu porque o grande proprietário denunciou o camponês por uma suspeita de roubo de cereais, o que deixou o pobre homem um longo tempo preso injustamente.

Essa história real que até hoje tem lendárias versões em Portugal serviu de inspiração para que o autor Manuel da Fonseca escrevesse Seara de Vento, um livro que narrava essa história num ambiente de faroeste, seco e cru, foi exatamente com esse ambiente sem cores que o diretor Sérgio Tréfaut (Viagem a Portugal) traz a tona novamente essa história no seu filme Raiva.

Raiva (Crítica)

O filme conta exatamente a história da luta de classes e as consequências extremistas que ela pode ocasionar. Na adaptação de Sérgio o camponês sem conseguir emprego e vendo sua família passar fome, tendo uma vida miserável, resolve aceitar a ariscada tarefa de contrabandear mercadorias e o rico que vê seus lucros caírem devido a isso, o denuncia para a polícia e o resultado é o mesmo da história original.

Sérgio é um diretor que não gosta da linguagem padrão hollywoodiano e do teor televiso e por isso resolveu colocar em tela uma rusticidade que faz do seu filme uma obra que lembra os primeiros longas mudos do cinema, tanto que quase não tem falas, tudo é mostrado em imagem sem auto explicação. É como pinturas vivas, crua, sem cor, seca, assim como a história que ele retrata. Dessa forma Sérgio conseguiu não tomar partido diante dos fatos, o que vemos é uma injustiça sendo resolvida pela raiva com as próprias mãos (lembra muito o futuro presidente do Brasil – o filme mostra o resultado).

A escolha por uma obra crua acaba por deixar o filme muito distante da realidade comum da maioria dos espectadores, o que dificulta a emersão na história, a única coisa interessante é que o cenário de sertão meio faroeste é possível ser visto em muitos países, o que torna a obra global, ainda que para muitos seja apenas um local distante.

Raiva não é um filme fácil e não é para qualquer um, mas é um exemplo claro que a falta de uma melhor distribuição de renda causa tanto para os ricos como para os pobres.

Pôster de divulgação: Raiva

Pôster de divulgação: Raiva

SINOPSE

Nos remotos campos do Baixo Alentejo, no sul de Portugal, a miséria e a fome assolam a população. Quando dois violentos assassinatos acontecem em uma só noite, um mistério toma o lugar: qual poderia ser a origem desses crimes?

DIREÇÃO

Sérgio Tréfaut Sérgio Tréfaut

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Sérgio Tréfaut
Título Original: Raiva
Gênero: Drama
Duração: 1h 24min
Classificação etária: 14 Anos
Lançamento: 6 de dezembro de 2018 (Brasil)

Comente pelo Facebook